sábado, 30 de junho de 2007

White Power

White Power
Em consonância com o combate que a elite branca brasileira trava incansavelmente contra projetos de cotas nas Universidades, e por ocasião do processo de implantação da política afirmativa na universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a mídia difundiu notícia de que a Suprema Corte dos EUA proibiu cotas raciais em escolas públicas de dois estados americanos.
Nenhuma novidade. Os Estados Unidos são um país em que os negros, tanto ou mais do que aqui, permanecem segregados há séculos.
No Brasil, porém, as cotas estão avançando por força de serem uma política de Estado. A única garantia que jovens pobres continuarão tendo de que terão chance de finalmente ir para a universidade, é a permanência do PT no poder. Nenhum outro grupo político de esquerda tem condições, ou sequer vontade, de implementar essa política de dar chance a jovens pobres de cursarem universidades. E quanto aos grupos de direita, bem...
Mas vocês não acham constrangedor esse desfile bizarro de direitistas brancos fazendo campanha para que negros continuem tendo acesso ao ensino público gratuito muito menor do que sua representação percentual na sociedade? Não é a atitude mais mesquinha, mais miserável, mais cínica que você já viu gente que sabe que rouba dos negros a parte que lhes cabe nos serviços básicos prestados pelo Estado dizer, não que age assim, mas que age em favor dos que prejudica?
Quando vejo esses locutores e redatores embonecados das mídias jorrando cinismo para todos os lados dizendo que são contra a discriminação racial enquanto pregam que ela permaneça intocada, vejo-os vestidos com aquelas camisetas que neonazistas costumam usar, nas quais se lê "White Power".
Escrito por Eduardo Guimarães

Estabilidade do Real era falsa, diz presidente do BNDES

Em entrevista publicada nesta sexta-feira no jornal Folha de S.Paulo, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, afirmou que o verdadeiro equilíbrio da economia veio somente em 2005, com a melhoria das contas externas. Segundo Coutinho, a estabilidade proporcionada pelo Plano Real "foi extremamente precária" e "vulnerável" às crises cambiais que culminavam em pressões inflacionarias e, conseqüentemente, em aumento da taxa de juros. Com tal cenário, segundo ele, a economia estava "incapacitada para o crescimento".Para Coutinho, a "verdadeira" estabilização da economia brasileira ocorreu a partir de 2005, com o crescimento das exportações, do saldo do balanço de pagamentos e das reservas internacionais. "Esse crescimento, depois de 2005, solidificou de tal forma o balanço, aumentou as reservas, reduziu a vulnerabilidade externa e, finalmente, estabilizou verdadeiramente a economia brasileira." Segundo ele, o Plano Real proporcionou "quase uma falsa estabilização".

Depois do julgamento sumário da grande mídia...

"Um laudo assinado pelo perito particular Ricardo Molina contesta a versão da Polícia Federal de que a diretora financeira da construtora Gautama, Maria de Fátima Palmeira, teria entregue no dia 13 de março deste ano um envelope com R$ 100 mil a Ivo Almeida Costa, que assessorava o ex-ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau. A denúncia da PF é baseada em uma gravação de vídeo, feita pelas câmeras do ministério. Nela, Ivo aparece ao lado de Fátima, no elevador, com um papel na mão. Relatório encaminhado pela Polícia Federal ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) sustenta que o papel seria um envelope contendo R$ 100 mil. “Apurou-se ainda que, no dia 13 de março, o ministro Silas Rondeau recebeu R$ 100 mil entregue por Maria de Fátima por meio de Ivo de Almeida”, diz o relatório. Tanto Ivo como Maria de Fátima foram presos na Operação Navalha, que apontou a existência de um esquema para fraudar licitações. A versão da PF, no entanto, é contrariada pelo laudo de Molina, professor da Unicamp e especialista em áudio e vídeo. Na avaliação do perito, Ivo segurava, na verdade, um papel branco ou um envelope vazio. “É impossível que o assessor tenha transportado um envelope com R$ 100 mil, o que daria um volume em torno de dois centímetros, tamanho esse que não foi detectado no exame de computador”, disse Molina ao Correio.”Correio Braziliense

sexta-feira, 29 de junho de 2007

Justiça: Prefeito do PT está fora da lista da Navalha

Prefeito de Camaçari (BA) está fora do processo da Operação Navalha
O prefeito petista da cidade de Camaçari (BA), Luiz Carlos Caetano, está fora da lista dos suspeitos investigados pela Operação Navalha, da Polícia Federal, que desmantelou um esquema de desvio de verbas públicas que tinha à frente o empresário Zuleido Veras, da Construtora Gautama. A luta do prefeito para formular a sua defesa e provar que foi preso injustamente pela Polícia Federal, ganhou um significativo reforço. A pedido do Ministério Público Federal, a ministra Eliana Calmon, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), decidiu excluir do processo principal da Operação Navalha, os fatos relativos a Camaçari, principalmente no que se refere a Luiz Caetano.Ela determinou que o caso seja apreciado pelo Tribunal de Justiça da Bahia, como diz no despacho, baseada no artigo 29, inciso X da Constituição Federal. A decisão da ministra comprova o que sempre foi dito por Luiz Caetano, ou seja, na atual administração nunca houve licitação com a participação da Gautama, não foi firmado contrato com a construtora, não foi expedida ordem de serviço e nunca foi feito qualquer pagamento à empreiteira. Na decisão, a ministra afirma que "não houve incorporação de verba federal ao patrimônio municipal" e considera o Tribunal de Justiça da Bahia "competente para o exame dos fatos". Ela também autoriza o compartilhamento dos dados sigilosos colhidos no curso das investigações.A ministra Eliana Calmon tomou a decisão com base em requerimento encaminhado ao STJ pelo Ministério Público Federal, que pede o desmembramento do processo, com o envio das peças para o Tribunal Regional Federal, sob o argumento de que "não houve consumação de dano aos cofres públicos, eis que, embora formalizado o convênio, não se completou sequer o procedimento licitatório para a escolha da empresa que realizaria as obras".Apesar de o requerimento do MPF indicar o envio do caso para o TRF, a ministro preferiu encaminhá-lo para o Tribunal de Justiça da Bahia. Além do prefeito Luiz Caetano, a decisão de Eliana Calmon inclui o ex-secretário de Infra-estrutura, Iran César de Araújo e Silva, o ex-sub-secretário, Everaldo José de Siqueira, e o assessor especial Edílio Pereira Neto. Na época, a prisão do prefeito Luiz Caetano foi considerada como sendo um ato de precipitação, além de inconstitucional, por diversas lideranças políticas que protestaram junto ao Ministério da Justiça a à Presidência da República contra a ação da PF. O prefeito também recebeu a solidariedade de centenas de prefeitos do PT que estavam reunidos em Brasília, na véspera do ocorrido, para um encontro promovido pela Secretaria Nacional de Assuntos Institucionais (SNAI)

MP Eleitoral dá parecer favorável à cassação de Cássio

MP Eleitoral dá parecer favorável à cassação de Cássio

O Ministério Público Eleitoral na Paraíba exarou parecer nos autos da Ação de Investigação Judicial (Aije) nº 215, ajuizada pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB), em face do governador reeleito Cássio Cunha Lima e do presidente da Fundação de Ação Comunitária (FAC) Gilmar Aureliano de Lima. A Aije versa sobre conduta vedada a agentes públicos em campanha eleitoral, nos termos do artigo 73, inciso IV e parágrafo 10 da Lei 9.504/97 (Lei Geral das Eleições), bem como abuso do poder político e econômico previsto no artigo 22 da Lei Complementar 64/90, caracterizados pela distribuição de cheques pela FAC. O parecer foi encaminhado, hoje, ao corregedor regional eleitoral Carlos Eduardo Lisboa. No parecer, o MP Eleitoral faz análise detalhada das provas colhidas nos autos e dos argumentos apresentados pela defesa de ambos os investigados, concluindo pela procedência da Aije em questão. De início, o Ministério Público Eleitoral verificou que inexistia lei específica que regulasse um programa sistematizado de assistência financeira a pessoas carentes, por meio da FAC. Embora alegue a defesa que tal distribuição tinha fundamento na Lei nº 7.020/01, restou claro nos autos que o próprio governador do estado, por meio do Decreto nº 23.861/03, havia reconhecido a restrição do alcance da referida lei apenas ao gabinete civil do governador. Em alegações finais, os advogados do governador procuraram modificar a tese defensiva, apontando agora como fundamento para a distribuição dos cheques a Lei nº 4.454/83, que instituiu a Fundação de Apoio ao Trabalho (Funsat), antecessora da Fundação de Ação Comunitária. Para quem não sabe dos detalhes de abuso do poder econômico na última eleição aqui na paraiba, entre outros, foram distribuidos 35 mil cheques em valores que variavam de R$ 150 a R$ 250. Esses cheques eram distribuidos por exemplo, a partir das cirandas de serviços, onde se sabe que é grande o número de pessoas carentes que solicitam ajuda.

quinta-feira, 28 de junho de 2007

Governo tirou economia da UTI sem privatizar nada

Lula: Governo tirou economia da UTI sem privatizar nada
Referindo-se à situação pré-falimentar do país no início de 2003 – e à reversão deste quadro promovida por seu governo – o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira (27) que a economia brasileira finalmente saiu da UTI. A declaração foi feita em Minas Gerais, durante o anúncio de investimentos de R$ 3,8 bilhões no Estado nos próximo quatro anos, relativos a obras de saneamento do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). “Há muito tempo o Brasil não vivia uma situação privilegiada como hoje”, discursou o presidente. “Tiramos o paciente da UTI. E ele está na rua fazendo ginástica para ficar robusto e não voltar para o hospital”, comparou. Lula destacou o aumento das reservas em dólares do país. “Hoje, temos US$ 146 bilhões de reservas. Não devemos dinheiro para o FMI. Não há momento na economia em que, sem privatizar nada, tivéssemos tanta entrada de dólar no País”. O presidente também defendeu investimentos em educação e, principalmente, na formação profissional, para a geração de novos empregos no País. Além disso, assegurou que o crescimento econômico alcançará Estados de maior pujança, como São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. “O PAC vem para ajudar isso”, explicou Lula, que se disse angustiado em aumentar as condições de endividamento dos Estados, defendendo a responsabilidade na condução econômica.
Com informações do Terra

Golpe do cheque do "Hoje em Dia"

Veja como funciona o golpe. Os apresentadores do programa atendem aproximadamente de 15 a 20 pessoas diariamente ao vivo. Como milhares de pessoas ligam e é normal, pois o prêmio é bastante gordo algo mais de 41 mil reais, o normal de quem não fosse atendido, devido à linha está sempre ocupada, era que não tivesse nenhum ônus no seu telefone e que a linha só ficasse disponível durante o jogo. Não é assim, existe o caso realmente da ligação não ser completada, mas também a pessoa pode ser atendida e é ai onde mora o crime. Uma gravação com a voz da Ana atende para dizer que "não foi desta vez, tente de novo", ou seja, a pessoa é atendida simplesmente para ouvir dela que não foi dessa vez, só que sem que ela saiba, recebe uma cobrança no seu telefone de R$ 1,72. Enquanto algumas pessoas são atendidas e recebem R$ 100,00 por ser atendido e arriscam ganhar o prêmio, milhares de pessoas pagam para não ter chance nenhuma. O correto seria o telespectador dentro do espaço do programa só ser atendido para participar do jogo e só. Precisamos alertar a população desse golpe, espalhe essa notícia para os seus contatos, vamos enfrentar essa mídia golpista e desonesta.

quarta-feira, 27 de junho de 2007

Lançado Plano Safra da Agricultura Familiar 2007/2008

Plano safra da agricultura familiar temR$ 2 bilhões a mais de orçamento
Brasília - Em uma cerimônia lotada, em que agricultores ficaram em pé no salão do Palácio do Planalto, ocorreu hoje (27) o lançamento do Plano Safra da Agricultura Familiar 2007/2008. O governo vai disponibilizar R$ 12 bilhões, orçamento que ultrapassa em R$ 2 bilhões o anterior. O plano prevê redução em taxas de juros, ampliação dos limites de financiamento e dos limites de renda para enquadramento de agricultores familiares no Programa Nacional e Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Os juros, que variavam entre 1% e 7,25% ao ano, agora ficam entre 0,5% e 5,5% anuais. Quanto ao limite de financiamento, o grupo de agricultores que antes podia obter até R$ 3 mil, poderá retirar R$ 3,5 mil. Nos demais casos, os valores-limite passam de R$ 4 mil para R$ 5 mil e de R$ 8 mil para R$ 10 mil.O presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou o plano como uma importante conquista dos trabalhadores. “É uma conquista exuberante pela forma que vocês organizaram, pela forma que vocês conquistaram, não com subordinação, mas com autonomia”. Lula também elogiou a redução dos juros. “Ontem fui dormir com uma taxa de juros, e acordei com uma taxa de juros menor hoje. Até a Fazenda [o Ministério da Fazenda] está compreendendo a necessidade de flexibilizar a questão da agricultura”.

PT é o preferido da população

O PT e a base aliada, PMDB, PSB, PC do B, e PDT formam uma força poderosa contra a oposição. Será que isso explica o medo do PSDB a lista fechada?

João Pessoa (PB) escolhida a melhor cidade em qualidade de vida do Brasil

Ricardo Coutinho recebe prêmio na Áustria A administração de Ricardo Coutinho (PSB) em João Pessoa foi considerada uma “Gestão democrática voltada para o desenvolvimento sustentável”, valendo ao prefeito um prêmio da Fundação Mundial de Harmonia, ligada a Organização das Nações Unidas (ONU). Coutinho recebeu o prêmio ontem, em Viena, capital da Áustria, ao lado de representantes de outras dez cidades também homenageadas. João Pessoa foi a única cidade do Brasil incluída na relação. A cerimônia de entrega do prêmio ao prefeito Ricardo Coutinho aconteceu durante o ‘Fórum Mundial sobre Reinvenção do Governo’, que começou na última segunda e que está discutindo experiências bem sucedidas no que diz respeito ao desenvolvimento humano, social, transparência pública e gestão ambiental. Na oportunidade, o prefeito ressaltou as experiências positiva que estão inserindo a Capital nas principais discussões mundiais sobre práticas para resgatar a confiança da população no governo. “Nós tivemos a oportunidade de apresentar os resultados obtidos pelo Empreender-JP, pelo Orçamento Democrático, a nossa gestão transparente e ainda o projeto de administração dos recursos naturais. Nossa João Pessoa hoje dialoga com o mundo”, enfatizou. Para receber o prêmio, a Capital paraibana foi avaliada nos aspectos gestão ambiental, qualidade de vida, transparência administrativa, participação popular e respeito à cidadania. “Somos quase 700 mil pessoas vivendo na cidade mais oriental da Américas, abrigamos a segunda maior reserva de Mata Atlântica do Brasil e até o final de julho estaremos plantando mais de 20 mil arvores nativas. Agradeço a inclusão da cidade de João Pessoa no reconhecimento da Fundação Harmonia. Isso fortalece nossa convicção, nossa crença e nossa ação na construção de uma gestão governamental que acredita na democratização da elaboração e execução do orçamento público e no desenvolvimento local econômico com inclusão social”, disse o prefeito em seu discurso na Áustria.O prefeito Ricardo Coutinho entregou a Chau Chak Wing, presidente executivo do Group Kingold Group Companies, uma caixa contendo o material sobre os potenciais turísticos da Capital. Ao final da solenidade, ele concedeu uma entrevista coletiva à imprensa mundial. Parcerias O prefeito Ricardo Coutinho quer ampliar as parcerias do governo municipal com entidades internacionais. Em novembro, a Capital vai receber a visita de Chau Chak Wing, presidente executivo do Group Kingold Group Companies e que ganhou o título de empresário socialmente responsável da China, devido aos investimentos sistemáticos na construção de casas populares no seu país. Na ocasião, a PMJP e o empresário vão discutir possíveis investimentos em construção civil na Capital, voltada para áreas sociais. Redação www.correiodaparaiba.com.br

Ah, eles estão desesperados II

PT sozinho bate toda a oposição golpista, chantagista, preguiçosa.
Pesquisa CNT/Sensus mostra avaliação do Governo Lula estável A 89ª Pesquisa CNT/Sensus, divulgada ontem (26 de junho de 2007), em Brasília, pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), registra o Índice Avaliação em 44,03 e o Índice Expectativa em 62,69. Em abril de 2007, o Índice Avaliação situava-se em 42,48, e o Índice Expectativa, em 66,58. O Índice Avaliação é formado pela ponderação das variáveis emprego, renda, saúde, educação e segurança pública para os últimos 6 meses e o Índice Expectativa é formado pela ponderação das variáveis emprego, renda, saúde, educação e segurança pública para os próximos 6 meses. A Pesquisa foi realizada de 18 a 22 de junho em 136 municípios nas cinco regiões brasileiras e foram ouvidas 2.000 pessoas.
AVALIAÇÃO DO GOVERNO

A avaliação positiva do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva registrou 47,5% e a avaliação negativa, 14,0%.A aprovação do desempenho pessoal de Lula na 89ª Pesquisa CNT/Sensus registrou 64,0% e a desaprovação 29,8%. A Pesquisa CNT/Sensus indica que os índices de aprovação do governo e do Presidente da República mantêm-se em razão do desempenho da economia, da geração de emprego e de renda e dos programas sociais.
CONFIANÇA NA ECONOMIA

Dos entrevistados pela 89ª Pesquisa CNT/Sensus, 47,5% consideram que a política econômica do Governo tem sido conduzida de forma adequada e 40,6% a entendem como inadequada. Em agosto de 2006, os índices eram, respectivamente, 36,0% e 46,3%.
REFORMA POLÍTICA

A Reforma Política - que está sendo discutida pelo Congresso Nacional – é conhecida por 46,8% dos entrevistados pela Pesquisa CNT/Sensus. A Reforma não é conhecida por 51,5%. Entre aqueles que conhecem, 50,5% aprovam a Fidelidade Partidária e 40,7% não. Sobre o financiamento exclusivo de campanhas eleitorais, através de fundo legalmente constituído com recursos públicos, 18,7% se dizem a favor e 75,2% são contra. 16,5% - entre os que têm conhecimento da Reforma - são a favor da alteração do sistema de votação nas Eleições Legislativas e 74,0% são contra a adoção do novo sistema. A maioria (59,1%) não acredita que a Reforma Política será votada este ano; 27,2% acreditam que sim. A Pesquisa CNT/Sensus também quis saber a preferência partidária do brasileiro: o PT ficou com 10,0%; o PMDB, com 4,7% e o PSDB, com 3,6%. A Reforma Política, da forma como está apresentada pelo Congresso, deve ser repensada e rediscutida para se chegar a um consenso entre o que pensam os congressistas e a maioria da população brasileira.
EPISÓDIO VAVÁ

As denúncias sobre o suposto tráfico de influência de Vavá, irmão do presidente Lula, junto ao Executivo e ao Judiciário são conhecidas por 74,1% dos entrevistados. Destes, 70,7% acreditam que o episódio é negativo para o Governo e para o presidente; 24,5% entendem que não. 75,1% entre os que têm conhecimento acreditam nas denúncias e 15,2% não acreditam. Entre os que têm conhecimento, 52,2% acham que o presidente Lula tinha conhecimento prévio do suposto tráfico de influência de Vavá e 38,7% acham que o presidente desconhecia o fato. Para 76,9% o indiciamento de Vavá foi correto; 14,6% desaprovam o seu indiciamento. Dos que têm conhecimento, 67,1% consideram que o vazamento anterior de suposto tráfico de influência de Vavá foi de natureza política e 23,3% consideram que não foi de natureza política.
Confira a íntegra da 89ª Rodada da Pesquisa CNT/Sensus. Fonte: Assessoria de Imprensa da CNT

segunda-feira, 25 de junho de 2007

Para o amigo Cássio, e leitores

Como já disse neste blog, o tal Reinaldo Azevedo é uma aberração da natureza. Ele tem um blog hospedado na Veja,(só podia), no qual só permite que comentem quem for contra o governo Lula. Como diz o amigo Cássio, quem ofende Lula, ofende sem motivos, por puro preconceito. Afinal, o presidente Lula é nordestino, ex-metalúrgico, ex-sindicalista, ex-líder de grandes movimentos sociais, como pode ser o melhor presidente do Brasil? Como pode ter erguido a economia do país, que recebeu falida de FHC, ter diminuído a miséria, ter criado condições para geração de empregos e renda? Como pode combater a corrupção como nunca antes se fez no país, pondo na cadeia membros da elite corrupta, juízes, delegados, policiais, políticos, desembargadores, promotores, advogados, empresários? Pode e fez, e vai fazer muito mais. Pode porque é competente, é honesto, é um presidente do povo que governa para o povo, com o povo, pelo povo. O presidente Lula fez o que prometeu, um país de todos. A elite não aceita isso, acostumada a governantes que a deixava cada vez mais rica e os pobres cada vez mais miseráveis, cada vez mais dependentes dos salários miseráveis que pagavam, das esmolas que davam, dos empregos em regime de escravidão. O povo pobre não tinha luz, agora tem; o jovem pobre não podia cursar uma universidade, agora pode; pobres não podiam ter conta em bancos, crédito, financiamentos,casa própria, agora podem, agora têm. Pobres não podiam sonhar em viajar de avião, agora viajam. Pobres não podiam comer, agora comem alimentos de qualidades, em quantidade e muito mais baratos do que nos anos do príncipe FHC. O abestado Reinaldo Azevedo continua a vomitar suas diarréias cerebrais como faz há muito tempo, como fez antes da eleição de 2002, antes da eleição de 2006, quando queria eleger os candidatos da elite, Alckmin e Serra, crias de FHC, seu mentor. Não conseguiu, não vai conseguir, porque ele não tem nenhuma importância, a não ser para meia dúzia de preconceituosos burros da elite, gente que lê a Veja, que escreve várias vezes no blog com nomes diferentes para dar a impressão de que são muitos. As pesquisas feitas ultimamente, pelo partido que ele venera, o PSDB, mostram o quanto ele é desimportante, e que os ataques virulentos dele não atingem o presidente Lula e nem mexem com a opinião do eleitor. Se fosse possível, Lula se reelegeria para o terceiro mandato, é o que diz a pesquisa. Então, diante disso, vou perder meu tempo combatendo essa aberração da natureza, que só os leitores de Veja conhecem? Vez ou outra até dedico umas linhas a essa aberração da natureza, para contestar seus ataques chulos, e expô-lo ao ridículo, mostrar que está desinformado. É o que ele merece: desprezo, e ser ridicularizado por todas as pessoas inteligentes e de bom senso, como faz o meu amigo Oni com muita galhardia e bom humor. Fiquemos tranqüilos, o povo não é bobo, o povo está sabido, não é essa aberração da natureza que vai enganar o povo, como não enganou. Ele não é, nunca foi e nunca será um formador de opinião, ele é formador de bundões despirocados. Ele não aceita debater com petistas ou com quem apóia o presidente Lula porque é muito burro e desinformado. Está a serviço dos donos da Veja, é pau mandado.
Jussara Seixas

Recorde de automóveis e empregos

Indústria de automóveis bate recordes e atinge nível histórico de emprego
A indústria de automóveis no Brasil revive o bom desempenho de 1997, considerado o ano dourado do setor no país. Todos os recordes devem ser batidos: produção, vendas no mercado interno e receita com exportação. Os empregos gerados também acompanham o movimento de alta e, até maio, somam 110 mil funcionários, com tendência de crescimento - em 1997, eram 115 mil funcionários. Hoje, porém, o setor tem uma nova cara. Se em 1997 eram nove empresas em atividade, hoje a recuperação é puxada por 22. O ABC, antes conhecido como o berço da indústria automobilística, divide as atenções com outras regiões do país. Em 1997, o setor produziu 2 milhões de unidades e as vendas no mercado interno somaram mais de 1,9 milhão de veículos. Em 2007, as projeções apontam para uma produção de 2,8 milhões de veículos, com 2,2 milhões voltados para o mercado interno. “O ano [1997] foi recorde e convenceu as empresas a investirem US$ 20 bilhões nos anos seguintes”, afirma José Carlos Pinheiro Neto, vice-presidente da General Motors. O que se viu, no entanto, foram quedas constantes, que resultaram no corte de vagas - -chegou a 90 mil em 2003. A retomada só começaria em janeiro 2004. Agora, a condição favorável do país, com reservas internacionais elevadas e com o menor risco-país da história, faz o setor apostar em um crescimento sustentável, diferente do que ocorreu em 1997. Para as empresas, a estabilidade econômica, a queda da Selic e a expansão da massa salarial e do crédito explicam e seguram as altas. Os financiamentos, mais longos e com juros menores, respondem por 85% das vendas. Assim, o contexto geral estimula as empresas a investir e reverter os prejuízos da chamada “década perdida”, como definem alguns executivos. A Fiat abriu 1.200 vagas em janeiro e anunciou outras 1.700 contratações entre maio e junho, enquanto a Volkswagen empregou 700 temporários em Taubaté (SP). A General Motors criou 600 vagas para engenheiros em 2006, sendo que metade ainda será preenchida neste ano, além de 400 para sistemistas na unidade de Gravataí (RS). A Daimler-Chrysler contratou 450 para a fábrica da Mercedes-Benz, a Renault abriu 600 vagas para o complexo, onde também funciona a Nissan, e a Honda contratou 550. A Anfavea (Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores) resume a expectativa do setor: “alta na produção aumenta o nível de emprego, fato que pode ser observado neste momento. A expectativa é de crescimento do setor, sobretudo das vendas internas e da produção, o que abre perspectivas para o incremento de vagas na cadeia automotiva”. De acordo com a entidade, cerca de 200 mil empresas têm suas atividades ligadas à produção e aos serviços automotivos. Segundo a Anfavea, considerando os empregos diretos nas montadoras, indiretos da cadeia de suprimentos e de distribuição e da cadeia de serviços, como oficinas, seguradoras, financeiras e postos de abastecimento, o setor gera 1,5 milhão de empregos. O presidente da Volkswagen, Thomas Schmall, durante lançamento da linha 2008 da empresa, ponderou: “Estamos otimistas com o futuro, mas demoramos dez anos para equiparar as vendas internas que foram registradas em 1997”. Pinheiro Neto, da GM, também acredita que o setor está “avançando para 1997”, mas defende que a situação é diferente dessa vez. “Todo o setor, no mundo inteiro, tem altos e baixos. A situação frágil que o Brasil viveu após o espetacular 1997 não persiste. Os juros declinantes, as reservas fantásticas e o reconhecimento com a queda do risco país indicam condição favorável”. O diretor de RH da Fiat, Roberto Gioria, diz que “o mercado superou as previsões mais otimistas de crescimento”. Como resultado, a empresa abriu um terceiro turno, elevando a capacidade em 10%. “Mas verificamos a necessidade de reforçar ainda mais a produção, com novas contratações.

domingo, 24 de junho de 2007

Para desgraça da mídia, "inferno" dos atrasos nos vôos acabou

Para presidente da Infraero, "inferno" dos atrasos nos vôos acabou CAROLINA FARIAS
"O inferno aparentemente acabou". O brigadeiro José Carlos Pereira, presidente da Infraero (estatal que administra os aeroportos) comemora a volta da normalidade nos aeroportos durante este final de semana e atribuiu o resultado ao plano emergencial da Aeronáutica --que incluiu remanejamento de controladores e reforço de equipes. Apesar de apostar na volta da normalidade dos vôos, Pereira diz que o grande "teste" do plano emergencial ocorrerá nesta segunda-feira, quando o movimento é tradicionalmente maior nos aeroportos. "Nesta segunda-feira será o teste, mas acredito que esteja tudo bem", disse o brigadeiro. De terça a sexta-feira da semana passada os aeroportos do país viveram o caos por conta da suspensão de vôos e maior espaçamento entre as decolagens. O governo federal atribuiu os problemas a uma "sabotagem" dos controladores de tráfego aéreo do Cindacta-1 (Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo) e afastou os apontados como líderes do movimento. Para Pereira, as "constantes" operações realizadas pelos controladores de tráfego aéreo causavam não somente transtornos nos terminais --com filas imensas e a revolta dos passageiros--, mas também na logística dos aeroportos. "Estavam acontecendo essas operações [dos controladores ] há meses. Uma hora pediam um espaçamento entre os vôos de 20 minutos. Então, tudo era organizado para se adaptar a isso. Logo depois, diziam que o espaçamento era de cinco minutos. A logística terrestre não suporta isso", afirmou o brigadeiro. A organização do funcionamento de um aeroporto, segundo Pereira, ficava comprometida por conta da falta de previsão do que os controladores fariam. "Você não imagina o horror que é organizar o abastecimento de um avião sem saber o que o controle vai fazer", disse. Setores como a manutenção, limpeza e de alimentação para as aeronaves também sofriam transtornos com a operação dos controladores. "Quando está estipulado o espaçamento, mesmo que seja 20, 30 minutos, mas que não vai mudar, a logística vai se adaptar a isso. Eles [controladores] estabeleceram um ambiente de caos, sabiam o que estavam fazendo", afirmou o brigadeiro.
Normalidade
Segundo o presidente da Infraero, o plano emergencial elaborado pela FAB (Força Aérea Brasileira) foi bem elaborado e há meses estava sendo analisado, no entanto, teve de ser aplicado às presas por conta da operação realizada pelos controladores na semana passada. Parte do plano consiste no remanejamento de controladores de vôo do Cindacta-1 (Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo), em Brasília. Profissionais do Controle da Defesa Aérea substituem os 14 controladores transferidos. "Houve críticas de que os profissionais da Defesa Aérea não estavam aptos para assumir o controle aéreo civil. Isso é errado porque o Controle de Defesa Aérea é muito mais complexo, passam por um treinamento muito mais completo", afirmou Pereira. A Defesa Aérea trabalha no controle do tráfego de aeronaves militares em missões, treinamentos entre outras atividades. De acordo com o brigadeiro, o movimento nos aeroportos é menor durante os finais de semana, mas ainda assim a normalidade deste domingo é reflexo do plano emergencial da FAB. Um boletim da Infraero dos vôos realizados até as 15h de hoje aponta que foram registrados atrasos com mais de uma hora em 5,1% dos 818 vôos programados. O percentual de cancelamentos foi de 5,9%.
Mentira de O Globo.
. "Sem prestígio, CPIs agonizam no Congresso". Essa é a manchete de uma reportagem da platinada.. E continua: "De tão usadas - e, algumas vezes, mal usadas, como a dos Combustíveis, que terminou seus trabalhos sob suspeita de achaque a empresários do setor -, as CPIs chegaram ao estágio de fadiga. Perderam o encanto e não empolgam mais a população, constatam líderes partidários. Também rareou a publicidade natural em torno delas, antes feita pela mídia.". Alguém ouviu falar da CPI dos Combustíveis?. Eu nunca li nada sobre ela.. Aí está a mentira.. A desmoralização das CPIs não foi provocada pela citada palhaçada.. A desmoralização se deu durante as teatralizações encenadas pelos excelentíssimos parlamentares - com apoio da mídia conservadora (e golpista) - nas CPIs dos Correios, do Mensalão e a pior, a do Fim do Mundo.. Quem viu seriedade naqueles circos?. O resultado da palhaçada foi mostrado na última pesquisa do PSDB:- Lula ganharia um terceiro mandato.- O PT é o partido mais forte do Brasil.. O que me resta é agradecer à mídia conservadora (e golpista), ao PSDB e aos DEMentes pelo apoio incondicional que deram nos últimos três anos para o fortalecimento do LULA e do PT. Postado por Glória Leite

http://www.brasilmostraatuacara.blogspot.com/

sábado, 23 de junho de 2007

O procurador de cada um

O procurador de cada um

Escrito por Eduardo Guimaraes.

Você acha que o Brasil não avançou no combate à corrupção depois que Lula chegou ao poder? Bem, leia, então, abaixo, duas reportagens sobre reconduções de procuradores-gerais da República ao cargo. Uma, é a que acaba de fazer o presidente Lula, e a outra, quem fez foi seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso. A primeira matéria é de hoje (23/06/2007) e foi publicada pela Folha de São Paulo. A segunda é do mesmo jornal, e foi publicada há 8 anos (22/06/1999). PS: a mídia conta com a notória - e verídica - memória curta dos brasileiros. Mas este brasileiro aqui tem memória de elefante e vai continuar "pentelhando" essa mesma mídia e seus protegidos tucanos valendo-se, entre outras coisas, de sua capacidade de se lembrar dos fatos. * Folha de São Paulo, 23/06/2007 Lula renova mandato de procurador da República Antonio Fernando que será sabatinado pelo Senado

SILVANA DE FREITAS DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reconduziu o procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, para mais dois anos no comando do Ministério Público da União. Ele foi o mais votado na eleição informal promovida pela Associação Nacional dos Procuradores da República, que representa os membros do Ministério Público Federal. Lula seguiu a lista tríplice da entidade em 2003, quando indicou Claudio Fonteles, e em 2005.Há cerca de um mês, Lula já havia decidido mantê-lo no cargo, mas as pressões contra a recondução por parte dos procuradores do Trabalho geraram impasse e demora na formalização do ato de escolha.A mensagem com a indicação ao Senado foi assinada anteontem à noite. A escolha ocorreu uma semana antes do término do primeiro mandato, na próxima sexta. Antes disso, ele será submetido a sabatina e terá de ser aprovado no Senado.Discreto, Antonio Fernando tem evitado nos últimos dias responder a perguntas polêmicas, como a possibilidade de requisitar ao STF a abertura de inquérito criminal para investigar o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Ontem, também não quis comentar a própria recondução.Antonio Fernando marcou o seu primeiro mandato por iniciativas de investigações criminais, como as denúncias ao STF (Supremo Tribunal Federal) relacionadas ao mensalão, em março de 2006, e à Operação Hurricane, em abril último.No ano passado, também pediu ao STF que abrisse inquéritos contra 84 parlamentares suspeitos de atuarem em fraudes na compra de ambulâncias.Só ele pode propor investigações criminais contra o presidente da República, ministros de Estado, deputados federais e senadores, devido ao foro privilegiado dessas autoridades.Ao empossar Antonio Fernando em 2005, Lula disse que não iria interferir em seu trabalho. Nove meses depois, o procurador-geral denunciou 40 pessoas (entre elas os petistas José Dirceu e José Genoino) de agir em "organização criminosa" no caso do mensalão. Em abril deste ano, ele decidiu pelo arquivamento de investigação contra o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) no caso do dossiê contra tucanos.Folha de São Paulo, 22/06/1999 FHC decide manter procurador-geral Origem do texto: Da Sucursal de Brasília Editoria: BRASIL Página: 1-7 6/8093 Edição: São Paulo Da Sucursal de Brasília O presidente Fernando Henrique Cardoso decidiu reconduzir Geraldo Brindeiro ao cargo de procurador-geral da República, apenas sete dias antes de vencer seu mandato. Brindeiro é processado por improbidade administrativa (má conduta funcional) por causa das viagens que fez a Fernando de Noronha em aviões da FAB (Força Aérea Brasileira).O Palácio do Planalto anunciou na noite de ontem mensagem reconduzindo Brindeiro. A mensagem deve ser publicada hoje no "Diário Oficial" da União.Como vários ministros do governo também viajaram a Fernando de Noronha em aviões da FAB, FHC não considerou o fato motivo suficiente para ter de escolher um substituto para Brindeiro.O procurador chefia o Ministério Público, instituição que fiscaliza a aplicação das leis no país. Cabe exclusivamente ao procurador-geral denunciar o presidente da República, ministros de Estado e parlamentares federais por crimes.A indicação para o cargo é proposta pelo presidente, mas tem de ser aprovada pelo Senado, onde o indicado é sabatinado e submetido a votação. Se aprovado, Brindeiro cumprirá seu terceiro mandato.Políticos da oposição e entidades de direitos humanos criticam a suposta demora do procurador em despachar pedidos de ações contra o governo. O deputado Milton Temer (PT-SP) chama Brindeiro de ''engavetador-geral da República''. A recondução de Brindeiro também enfrentou críticas dentro do governo. Por isso, o presidente demorou tanto para se definir. FHC concluiu que poderia ter mais problemas substituindo o procurador.Brindeiro está desgastado no cargo, por conta das críticas sofridas e, principalmente, por causa das três viagens a passeio a Fernando de Noronha que realizou em aviões da FAB. As viagens deram origem a um processo por improbidade administrativa movido pelo Ministério Público. O vice-presidente Marco Maciel, primo distante de Brindeiro, vinha defendendo a permanência de seu apadrinhado no cargo. Mas ministros próximos ao presidente, como Renan Calheiros (Justiça), defendiam outras opções. Procuradores no Distrito Federal que movem ação contra Brindeiro insistem em que ele devolva cerca de R$ 100 mil aos cofres públicos. Até agora, ele devolveu à Aeronáutica R$ 18 mil por uma das viagens.

Escrito por Eduardo Guimarães

A Folha não toma jeito.

A Folha não toma jeito. Hoje, volta ao assunto das contribuições dos filiados do PT, que ela, para desqualificar, chama de dízimo. A matéria, com o título "Receita do PT com "dízimo" de filiados sobe 545% em 4 anos" (só para assinantes), diz abertamente que o governo criou mais cargos de confiança e deu aumentos aos servidores para, indiretamente, "engordar" os cofres petistas. Foi a Folha que levantou essa questão e acusou o PT diretamente. Agora, na matéria de hoje diz que foram os partidos de oposição e cita o DEM que diz que irá ao TSE tentar proibir o desconto em folha autorizado pelos servidores que são filiados ao PT. Ou seja, a Folha e o DEM querem proibir o servidor público de dispor de seu salário como bem entender.O que é um absurdo completo. Cada um faz o que quer com o seu salário. Proibir a contribuição a partido político é a mesma coisa que proibir um funcionário de contribuir com uma igreja, uma entidade social, um sindicato, um clube esportivo ou de serviço. É uma campanha aberta e dirigida da Folha contra o PT. Por mais grave que seja, é só isso. Nada mais. E mostra, mais uma vez, o caráter que assumiu nossa grande mídia.
(Comentários Zé Dirceu).
E veja mais:
PSDB é cego, mas não é mudo, pois tem um bocão... . O senador Arthur Virgílio (PSDB-AM), líder tucano no senado, tem um desejo.. Sonha barrar a contribuição que os filiados e ocupantes de cargos eletivos e comissionados do PT fazem ao partido. Mas.... ... vejam o que o Estatuto do PSDB exige:Art. 143.§ 5°. Os filiados que exercerem funções na administração pública, direta e indireta, fundacional, empresas públicas e sociedades de economia mista, federal, estadual e municipal, exoneráveis "ad nutum", contribuirão, mensalmente, com quantia equivalente a 3 % (três por cento) do seu vencimento ou remuneração bruta, respectivamente, para o Diretório Nacional, Estadual e Municipal, sendo descontado em folha ou mediante débito em conta-corrente bancária.Os PSDBistas são ou não são ridículos? Para piorar, os tucanos praticam algo proibido por lei: descontam em folha o pagamento das contribuições. Postado por Glória Leite

Mídia se irritou porque Lula deu certo

IUPERJ: MÍDIA SE IRRITOU PORQUE LULA DEU CERTO A revista Carta Capital que chega às bancas neste final de semana publica reportagem sobre uma pesquisa do Iuperj (Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro) que mostra o comportamento da Folha, do Estadão, do Globo e do JB nas eleições presidenciais de 2006. O cientista político do Iuperj e coordenador da pesquisa, Marcus Figueiredo, disse em entrevista a Paulo Henrique Amorim nesta sexta-feira, dia 22, que, em 2006, a maior parte da cobertura da mídia foi contra Lula porque ele “acabou dando certo como Presidente no campo econômico e social” (clique aqui para ouvir o áudio). Marcus Figueiredo disse que a cobertura da mídia em relação ao presidente Lula foi mais negativa em 2006 do que em 2002. Segundo ele, em 2002 a cobertura da mídia foi negativa até que Lula divulgou a “Carta ao Povo Brasileiro”, onde se comprometeu, por exemplo, a manter compromissos internacionais e a política econômica austera. Para o professor Figueiredo, o anti-lulismo da grande mídia se deve também ao fato de, como o Presidente Lula deu certo, haver uma alternância de poder, que interrompa o ciclo de governos oligáquicos, que a grande mídia representa. A pesquisa do professor Figueiredo mostra que o Globo e o Estadão são, numa mídia contra o Presidente Lula, os dois órgãos de imprensa mais anti-Lula. A pesquisa mostra que os editoriais e os colunistas são ainda mais anti-Lula do que o noticiário. O resultado desse sistemático anti-lulismo, segundo o professor Figueiredo, resultará na perda de credibilidade da grande mídia. Veja o quadro abaixo (publicado na Carta Capital):