quarta-feira, 4 de julho de 2007

Bolsa família e a queda da desigualdade

2 MILHÕES DE FAMÍLIAS JÁ SAÍRAM DO BOLSA FAMÍLIA

A Secretária Nacional de Renda de Cidadania, do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Rosani Cunha, disse em entrevista a Paulo Henrique Amorim nesta quarta-feira, dia 04, que 2 milhões de pessoas já deixaram o Bolsa Família (aguarde o áudio). O Bolsa Família atende 11 milhões de famílias (46 milhões de pessoas) em todos os municípios brasileiros. Segundo Rosani, esse número é fixo desde 2006. Há substituição de famílias. A média mensal é de cerca de 100 mil famílias que saem e dão lugar a outras 100 mil famílias no programa. Segundo Rosani, deixam o programa as famílias que atingem uma renda mensal acima de R$ 120. O Presidente Lula anunciou que os benefícios do Bolsa Família vão sofrer uma recomposição de 18,25% e vão passar de R$ 62 para R$ 72 por mês. Isso significa um acréscimo de gastos de R$ 400 milhões. Rosani disse que o Bolsa Família foi criado em 2003 e nunca houve uma recomposição de valor. Custo total do Bolsa Família para 2007, com a recomposição de 18,25%, é de R$ 9 bilhões. Esse valor representa menos de 0,3% do PIB. “Vários estudos mostram isso. O Bolsa Família tem um impacto no PIB muito baixo, menos de 0,3% e uma grande contribuição para reduzir a desigualdade no país”, disse Rosani Cunha. A PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 2005 mostra que 21% da queda da desigualdade social no Brasil se deu por causa do Bolsa Família. “Isso é muito expressivo: 21% num programa que tem um impacto fiscal de menos de 0,3% do PIB. Não é a toa que a gente é acompanhado hoje pelo mundo inteiro”, disse Rosani.

Conversa Afiada

Paulo Henrique Amorim

Nenhum comentário: