quinta-feira, 19 de julho de 2007

De qual classe média tanto se fala?

Financiamento da casa própria cresce 67% no primeiro semestre
Os financiamentos para a compra da casa própria com recursos da poupança cresceram 67,4% no primeiro semestre deste ano, em comparação ao mesmo período em 2006. Segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), os financiamentos imobiliários no período alcançaram R$ 6,94 bilhões.
Casa própria vive momento 'Casas Bahia'
Financiamentos com prazos maiores facilitam compra da casa própria. Capacidade dos consumidores de adquirir um imóvel dobrou em dez anos.Laura Naime do G1, em São Paulo entre em contato Nunca foi tão fácil financiar um imóvel no Brasil. O acesso a um empréstimo desse tipo nos bancos está menos restrito: prazos estendidos para 20 anos, valores maiores de financiamento e maior possibilidade de comprometimento de renda. Hoje, o comprador tem cerca do dobro da capacidade de adquirir um imóvel que há dez anos – ainda que não tenha tido aumento de salário. "É o efeito Casas Bahia", aponta João Crestana, presidente em exercício do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP). "Com juros menores e prazos maiores, há muito mais pessoas em condições de comprar um imóvel", resume. "A estabilidade econômica 'tira' o medo do consumidor de se endividar a longo prazo". A comparação é justa: a rede varejista Casas Bahia apostou no crédito aos consumidores para expandir suas vendas entre as classes C e D. Como resultado, só em 2006 foram feitas 15,2 milhões de compras financiadas em lojas da rede, e as compras a prazo chegaram a 60% de seu faturamento. A fartura tem um motivo: o volume de dinheiro nos caixas dos bancos disponíveis para os financiamentos. Em 2006, pela primeira vez na história, os bancos ofereceram mais dinheiro para a casa própria do que o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Foram R$ 9,5 bilhões, contra R$ 3,7 bilhões disponíveis no FGTS (destinados a famílias com renda de até R$ 4.900 e imóveis avaliados entre R$ 72 mil e R$ 80 mil.). Este ano, a cifra será maior ainda: R$ 11 bilhões. A estimativa é do diretor geral da Associação Brasileira de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), Osvaldo Correa Fonseca. Pelas contas da Abecip, esse dinheiro deve financiar a compra de cerca de 150 mil imóveis – o que fará de 2007 o melhor ano para o financiamento imobiliário desde 1998, quando o sistema financiou 181.834 imóveis com recursos da poupança.
Venda de veículos bate recorde em junho
As vendas de automóveis e comerciais leves atingiram 188.661 veículos em junho. O primeiro semestre deste ano foi também recorde para o período. Do G1, com informações da Agência Estado
As vendas de automóveis e comerciais leves atingiram recorde em junho de 2007, totalizando 188.661 veículos, segundo números divulgados nesta terça-feira (3) pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Tem consumidor pagando ágio, pode?
Juros caem para 11,5% e Brasil deixa de ter taxa real de juros mais alta do mundo.
Agora, o país fica com 7,7% de juros reais (descontada a inflação). A taxa mais alta fica com a Turquia, com 8,2% ao ano, segundo dados da UpTrend Consultoria Econômica. O corte de 0,5 ponto Selic foi recebido com "ânimo" pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo setor industrial. Segundo nota distribuída pela área técnica da CNI. Recordar é preciso. Voces lembram da taxa do farol de Alexandria, vulgo FHC? 54,5%. Alguém tem saudade dessa raça?
Estão ai algumas demonstrações o quanto a classe média foi beneficiada pelo Governo do Presidente Lula. Alguma dúvida? Reclamam do que? Queriam prioridade ZERO? É muita falta de compreesão do que é um Estado Democrático. Já que tem os melhores estudos, as melhores escolas privadas, cursinhos, Universidades Públicas, deviam fazer jus ao que tem ao seu alcance e estudar mais um pouquinho.

Nenhum comentário: