domingo, 1 de julho de 2007

Mas se faltou muita coisa, nunca faltou respeito, amor.

“Mas, se faltou muita coisa, nunca faltou respeito, amor.” Para quem aponta a pobreza e falta de instrução responsáveis pela violência, eis que bandidos da classe média revertem a ordem e diz: POBRES e TRABALHADORES são vítimas. Um crime é um crime, (um pneu é um pneu -famosa frase dita pelo empresário cearense Gerard Bastos para definir um pneu) não tem classificação social, a dor que eu sinto, só eu posso dimensionar e mais ninguém. A situação que o país vive hoje não foi inventada agora, ela vem de longe e só Lula teve coragem de enfrentar. O bolsa-família, carro chefe do programa Fome Zero tão combatido pelas elites mesquinhas que adoram um benefício fiscal é um dos responsáveis pelo aumento do consumo da classe C. Mas a frase dita pelo pedreiro, se ouvida pelos moucos, deve fazer estremecer muitos pilares construidos de areia. "Não pude dar brinquedos, mas dei valores".
Lula sempre disse isso, a pobreza não pode ser responsável pela violência, pois se fosse assim, todo pobre seria bandido, o que não fosse seria a exceção e não a regra. Ele próprio que saiu do Nordeste expulso pela seca, que viajou de pau de arara, que compatilhou banheiro público, que ia trabalhar a pé porque não tinha o dinheiro da passagem do ônubus, que ao obter um diploma de metalúrgico no SENAC se sentiu diplomado por uma Universidade, seria um chefe de quadrilha e não um Presidente responsável pela mudança radical que o Brasil vive, onde pobres são respeitados e até invejados. Porque no fundo quem reclama da atenção que Lula dá aos pobres, e em especial ao bolsa-família queria que essa atenção fosse dada a eles.
“Não pude dar brinquedos, mas dei valores” Renato Moreira Carvalho: pai da doméstica espancada. Confundida por prostituta e daí que ela fosse uma prostituta? E a izonomia dos direitos Universais? Enquanto classificarmos a violência ela não terá fim. A violência não pode ser classificada como grande ou pequena ou moderada.Violência é violência e ponto final, ela tem que ser banida, precisamos defini-la no grau Zero.
“O pedreiro Renato Moreira Carvalho, de 54 anos, tem quatro filhos de três relacionamentos. Orgulha-se de dizer que foi rígido na educação de todos eles - Patrícia, de 34 anos, e Sirley, de 32, do primeiro casamento; Ewerton, de 25, e Vitória, de 7, dos dois últimos.”Eu me separei das mães dos três mais velhos, mas fiquei amigo delas. E nunca me afastei.' Enfrentou dificuldades para criar os filhos. Quando Patrícia e Sirley eram pequenas, subia o morro com 'balança d'água' - dois baldes equilibrados num pedaço de madeira ou ferro - sobre os ombros, porque não havia água encanada em casa. 'A escola pedia quatro cadernos, só dava para comprar um. Mas, se faltou muita coisa, nunca faltou respeito, amor. Por isso criei pessoas corretas.”Clarissa Thomé / O Estado de São PauloEntrevista Completa, ::Aqui::

Nenhum comentário: