sábado, 15 de setembro de 2007

CACCIOLA: A BOMBA CAI EM FHC E MELLO

Paulo Henrique Amorim . A prisão de Salvatore Cacciola no Principado de Mônaco (clique aqui para ler o Último Segundo) é, como diria o Simão, uma buemba, buemba no colo do Farol de Alexandria e do ministro Marco Aurélio de Mello, o herói da mídia conservadora (e golpista !). . Cacciola mostra as vísceras do Banco Central e do fracasso da engenharia econômica do Plano Real, quando foi obrigado a desvalorizar a moeda. . Cacciola faz voar vidro para todo lado: do presidente do Banco Central, Chico Lopes à diretora de fiscalização do banco, Tereza Grossi, que fiscalizava os bancos com a pertinácia com que a CVM fiscalizava Daniel Dantas. . Cacciola deu um golpe no Banco Central de US$ 1,5 bilhão nas barbas do Governo Fernando Henrique. . A Polícia Federal conseguiu prender Cacciola. . O ministro Marco Aurélio de Mello deu uma liminar a Cacciola e o direito de contemplar o Mediterrâneo sentado nos bares elegantes do Principado de Mônaco, ao lado de Grace Kelly. . O ministro Mello tem o hábito de fazer a Polícia Federal trabalhar em dobro e gastar o dinheiro do contribuinte em dobro. . Recentemente, na Operação Furação, a Polícia Federal prendeu três bicheiros do Rio. . Marco Aurélio de Mello mandou soltá-los, porque não se configurava, segundo ele, na sua linguagem empolada, uma ação “delitiva”. . A Polícia Federal teve que voltar à Justiça para conseguir prender os três, de novo, flagrados em ação “delitiva”. . Se Cacciola abrir o bico, urubu vai voar de costas em Niterói, como diria Estanislau Ponte Preta. . Depois da liminar concedida pelo ministro Mello, a Polícia Federal expediu uma "difusão vermelha". . Isso significa que a Interpol no mundo inteiro poderia prender Cacciola. . Se Cacciola tivesse sido preso na Itália, não teria sido possível pedir a sua extradição. . A Itália e o Brasil não extraditam nacionais, e Cacciola é cidadão italiano. . Felizmente, Cacciola foi ao Principado de Mônaco e de lá pode ser extraditado. . Agora, o Ministério Público e o Ministério da Justiça vão pedir a extradição dele e a Justiça de Monte Carlo vai julgar. . Se for extraditado, sempre haverá a possibilidade de o Supremo soltá-lo de novo. Em tempo: sobre esse período de glória do Plano Real, recomenda-se a leitura de "Os Cabeças-de-Planilha", de Luís Nassif.

Nenhum comentário: