segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Feliz 2008

Está chegando 2008... Feliz 2008 para Todos. Que a ESTRELA continue Guiando a Todos Nós!


Helio de Almeida Oliveira
Editor do http://heliojampa.blogspot.com

Feliz 2008

sábado, 29 de dezembro de 2007

Terceiro Mandato?

O melhor do mundo apoia o melhor do Brasil.

Os tucanalhas-DEMentes que tentem dormir com esse barulho todo. Lula, o melhor presidente do Brasil em 20 anos em São Paulo, último reduto delles. Ainda segundo os paulistas,

30,8%

acham que o fim do imposto foi para prejudicar o presidente Lula,

23,4%

acham que só traz benefícios para os ricos e empresários,

17,1%

acham que foi de interesse do povo em geral,

11%

acreditam que foi em benefício dos mais pobres.

Sonegadores, corruptos, traficantes tem más previsões para 2008

Lula não dá folga aos Sonegadores, e ainda por cima cria mais empregos através de concursos.

Além da Receita Federal ter criado mecanismos para fechar as portas à sonegação com o fim da CPMF, o Ministro da Justiça Tarso Genro confirmou a realização de concurso público para a contratação de mais 2 mil policiais federais e de mais 3 mil servidores administrativos no início de 2009. Também serão contratados mais 410 colaboradores terceirizados para atuar nos principais aeroportos e pontos de fronteira do País. Segundo a PF, São Paulo e Rio serão os primeiros a receber o reforço já em janeiro de 2008. Dos 740 servidores formados em 2007 pela Academia Nacional de Polícia, grande parte será enviada para região amazônica no combate a crimes contra o meio ambiente, tráfico de drogas e armas nas fronteiras. O Amazonas receberá 50 novos servidores. O que representa um aumento de 25% no efetivo local. O reforço no Acre será de 31%, no Amapá de 38%, em Rondônia de 21%, e em Roraima de 20%. Mato Grosso, no Paraná e Rio Grande do Sul, também serão os Estados com maior reforço no efetivo da PF, devido ao tráfico de drogas, armas e contrabando nas fronteiras. Tarso Genro, avisou que o Governo reforçará em 2008 sua política de combate à corrupção, ao crime organizado e às quadrilhas de fraudadores do dinheiro público. Neste ano, a PF realizou 188 operações especiais, 40 delas (mais de 20%) dedicadas ao combate à corrupção. Foram mandados para a cadeia 329 servidores públicos de todos os poderes, incluindo políticos de todos os partidos, magistrados e dirigentes do Executivo acusados de corrupção. O ministro enfatizou que, por orientação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, será intensificada em 2008 a integração da PF com os diversos órgãos fiscais de defesa do Estado, do erário público e da economia popular, entre os quais a Controladoria-Geral da União, o Tribunal de Contas da União e a Receita. "Temos um objetivo: elevar ao grau máximo o saneamento do Estado, com o combate intenso ao crime organizado e à corrupção." Conforme o balanço da PF, as investigações neste ano se concentraram também no combate à lavagem de dinheiro e fraudes em licitações, com 29 operações – 592 pessoas foram presas. Os esquemas movimentaram mais de R$ 3 bilhões. Outras 33 operações tiveram como alvo o tráfico de drogas. Foram apreendidos 15 toneladas de cocaína, 173,7 toneladas de maconha e 209 mil comprimidos de ecstasy. Tem muito demo-tucano que nem está dormindo direito com essas notícias. Com informações do site Na Hora On-Line

Lula é o mais bem avaliado dos últimos 20 anos.

Lula é o mais bem avaliado dos últimos 20 anos.Ainda segundo a pesquisa, 49,6% apóiam a Transposição, enquanto apenas 19,5% apóiam a farsa do Bispo Baiano-Italiano.

Eduardo Bresciani Uma nova pesquisa do instituto Brasmarket vem consolidar a percepção da fortaleza que cerca a imagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no final do seu quinto ano de mandato. O levantamento feito na capital paulista aponta o petista como o melhor presidente desde a redemocratização e mostra uma vantagem para Lula mesmo em temas espinhosos como a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e a transposição do Rio São Francisco. Para o professor de Ciências Políticas do Centro Universitário do Distrito Federal (Unidf), Leonardo Barreto, os seguidos resultados positivos para o presidente decorrem de seu estilo de liderança. "Ele é um líder carismático e nesses casos escapolem fatores racionais das análises das pessoas. Elas acreditam que a capacidade do líder está acima de todas as coisas", diz. Barreto afirma que o mito Lula vai criar grandes dificuldades para quem tiver a missão de substituí-lo a partir de 2011. "Ele é tão forte que é difícil ver um sucessor. Conseguimos enxergar candidatos a presidente, mas ninguém com a dimensão dele", afirma.

Lula lembrado com 51,5%

O tamanho da força de Lula ficou evidente principalmente quando os entrevistados foram convidados a apontar qual o melhor presidente do País desde o fim da ditadura. Lula apareceu com 51,5%, superando com folga a soma de seus quatro últimos antecessores, que foi de 31,5%. O tucano Fernando Henrique Cardoso registrou 17,6%, o agora senador José Sarney (PMDB-AP) foi lembrado por 5,7%, seguido do também senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), com 4,1%, mesmo percentual do vice que assumiu após o impeachment do alagoano, o mineiro Itamar Franco. O percentual dos pesquisados que se negaram a apontar um preferido foi de 17%. Se o desempenho do atual presidente perante seus antecessores foi muito bom, o "debate" sobre os temas atuais está no mesmo patamar.

CPMF

Os dados do levantamento do Brasmarket mostram que o governo conseguiu vender para a população seu discurso sobre a CPMF, apesar de ter sido derrotado no Congresso. O instituto perguntou aos entrevistados qual a real motivação que levou o Congresso a extinguir o tributo. A maioria respondeu que o fim do "imposto do cheque" se deveu ao interesse da oposição em prejudicar o presidente Lula (30,8%) e em benefício de ricos e empresários (23,4%). Para 17,9% dos entrevistados o interesse no fim do tributo foi do povo em geral e para 11% o benefício é dos mais pobres. Outros 17% não quiseram opinar. Para Barreto, o resultado evidencia a distância entre o pensamento da classe média e do restante da população. "A classe média é muito pequena hoje e esse discurso de redução de impostos, assim como o ético, é mais importante apenas para essa camada da população". O professor da Unidf acredita que o resultado se deve também ao fato de a maior parte da população não pagar o tributo de maneira direta, somado à constatação de que foram os próprios PSDB e DEM que criaram a CPMF. "A população não enxergou sinceridade no discurso da oposição. Eles não pareciam ser realmente contra, até porque o PSDB negociou até a última hora e foi o partido, junto com o DEM, que criou a CPMF". Para ele, o levantamento mostra que a tentativa da oposição de levantar a bandeira em favor de menos impostos foi fracassada. Barreto observa também que a impressão da população é que a disputa foi apenas partidária. "A pesquisa mostra que tudo foi visto como uma simples briga partidária e o discurso do governo de que o dinheiro era para a saúde e para os programas sociais ecoou na sociedade".

Transposição do São Francisco.

Outra amostra do apoio popular ao presidente foi dada quando a questão da transposição do rio São Francisco foi colocada diante dos entrevistados. O governo decidiu tirar do papel a transposição, tendo inclusive licitado o primeiro lote da obra. Movimentos sociais, no entanto, questionam o projeto e acusam que o objetivo do empreendimento é beneficiar o agronegócio e não resolver o problema da falta de água para a população. Foi esse o principal argumento que levou o bispo de Barra (BA), dom Luiz Cappio, a fazer uma greve de fome para tentar forçar a paralisação do projeto, iniciativa que acabou fracassando. O Brasmarket quis saber dos paulistanos qual a opinião sobre o embate. Questionados sobre quem tinha razão no imbróglio mais uma vez Lula se saiu bem. Para 49,6% dos entrevistados o presidente está correto, enquanto que 19,5% preferem o posicionamento do bispo. Outros 13,6% acham que nenhum tem razão, enquanto 3,3% dividem os méritos. Não quiseram responder ao questionamento 13,9% dos entrevistados. Barreto vê nessa questão a principal amostra da força do presidente petista. Ele destaca que a maioria da população não conhece a fundo o assunto e que mais uma vez o carisma de Lula decide. "É impressionante o papel do Lula. É praticamente impossível ele perder qualquer debate na sociedade. Essa, por exemplo, é uma questão em que a maior parte das pessoas não tem informação, então o que pesa mesmo são o carisma e a força política do presidente", concluí

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

A culpa de Lula e as mortes nas estradas

Sobre o aumento das mortes nas estradas, porém, vale a pena ler o comentário reproduzido abaixo, do jornalista Luciano Martins Costa, do Observatório da Imprensa.

O Natal de 2007 já é passado – segundo os lojistas, o melhor dos últimos 10 anos, do ponto de vista das vendas, obviamente – e os jornais chegam às bancas e casas dos assinantes magrinhos, com pouca notícia. O incêndio no Hospital das Clínicas, em São Paulo, rendeu boas fotos nos dois diários paulistas e os acidentes nas estradas também foram bastante explorados em função do "aumento recorde" deste tipo de tragédia. Sobre o incêndio, há pouco a comentar e desde já o blog garante que não foi culpa do governador José Serra (PSDB), embora alguns digam que ele é tão azarado que nem no Natal consegue alguns momentos de paz... Sobre o aumento das mortes nas estradas, porém, vale a pena ler o comentário reproduzido abaixo, do jornalista Luciano Martins Costa, do Observatório da Imprensa. Este blog concorda com o argumentos e arremata: a culpa, neste caso, é mesmo do presidente Lula, como os jornalões marotamente insinuam, mas não pelas razões que eles apresentam. A culpa é de Lula porque em seu governo o país vem crescendo ano a ano, o que é muito bom, mas não deixa de provocar alguns problemas também graves. As estradas estão mais entupidas, os aeroportos estão cada vez mais lotados – sim, até o povão está tomando avião, para horror de uma certa classe média preconceituosa e invejosa que temos no Brasil. Essas coisas, no fundo, são como as dores do parto. A seguir, o lúcido texto de Luciano. Guerra nas estradas Mais uma vez, como acontece todos os anos, os jornais do dia 26 de dezembro trazem as estatísticas das mortes nas estradas brasileiras. E a cada ano os números se tornam mais impressionantes. Hoje, os jornais publicam uma avaliação parcial da Polícia Rodoviária Federal: foram 134 mortos em acidentes desde a meia-noite de sexta-feira até as 6 horas da manhã de ontem. É bem provável que tenhamos tido, pela primeira vez, um Natal com mais mortes do que as que ocorrem no carnaval. O balanço final será divulgado hoje, mas os dados parciais antecipados pelos jornais mostram que o número de vítimas fatais chega a ser quase 78% superior ao das ocorrências do Natal de 2006. É a pior estatística dos últimos quatro anos, e pode ser ainda mais grave, já que ainda não haviam sido contabilizadas as ocorrências do último dia do feriado. Segundo autoridades citadas pelo Estado de S.Paulo e a Folha, a principal causa de acidentes continua sendo a imprudência dos motoristas. Mas o sucesso do modelo econômico adotado no Brasil tem grande relação com a tragédia. O Estadão observa que 2007 foi o ano em que dois fatores ligados à economia aumentaram os riscos nas estradas. O primeiro deles é a venda recorde de automóveis – foram 3 milhões de novos veículos colocados nas ruas e estradas neste ano, considerado o melhor resultado da indústria automobilística em toda a sua história. O outro fator de risco é o aumento do consumo em geral, que provoca uma elevação na estatística de transporte de produtos industrializados e grãos pelas rodovias. A receita da tragédia é a convivência de muito mais automóveis com muito mais caminhões, cada um deles dirigido por um motoristra apressado, nem sempre preparado e quase sempre convencido de que dificilmente será apanhado pela polícia. Os jornais têm dado destaque todos os anos às estatísticas dos desastres, assim como têm sabido comemorar os feitos da economia. O que parece estar faltando é relacionar uma coisa com a outra. http://www.blogentrelinhas.blogspot.com/

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Transposição São Francisco: De que lado está a Intransigência?

Bispo rancoroso contra tudo e contra todos

Neste episódio da greve de fome, o pior momento do bispo dom Cappio foi quando , tomado de indisfarçável rancor, declarou (está nos jornais) que Lula morreu, que Wagner era menino de recado, que Geddel era mal-educado, que o Bolsa-Família é um programa de esmolas, que era um homem de muitos inimigos, sobrando até para a imprensa ao criticar as fotos dos jornais: “quanto mais feio, melhor, não é?”. Neste momento, deixou sua fantasia de santo do sertão e vestiu sua roupagem de militante político, na melhor tradição da velha esquerda: “eu sempre estou certo, o resto está errado”. Como se fosse o centro do universo, afirmou que o Governo Lula da esperança acabou. Só mesmo na cabeça de uma pessoa obcecada como ele. Vestiu a camisa do Lula, votou nele e ele ousou ir contra as suas idéias pessoais. O governador Jaques Wagner, que educadamente foi conversar, dialogar com ele durante a primeira greve de fome passou agora a ser um “menino de recado”. Quis até “orientar” o governador da Bahia, segundo suas idéias particulares sobre o rio São Francisco. Além de rancoroso, dom Cappio é muito presunçoso. Dom Cappio, por ouvir falar, acha que o ministro Geddel não é uma pessoa idônea. Talvez os senadores, deputados federais e estaduais do ex-PFL, atual DEM, que o cercam sejam mais idôneos que Geddel. O bispo é uma pessoa simplória. Se um político está do lado dele é idôneo, se contra, é inidôneo. É só um jogo de palavras. Dom Cappio é um bispo da Igreja Católica, que prega a solidariedade, a caridade, a esmola como gesto concreto amor ao próximo. Mas sendo o programa Bolsa-Família um programa de “esmola” para 11 milhões de famílias carentes, aí já não é caridade. É uma contradição. E o bispo mente propositadamente quando afirma que o governo Lula transformou o povo em esmoler. Ele sabe muito bem que 400 anos de história transformaram parte do povo brasileiro em esmoler. O programa Fome Zero, o Bolsa-Família, os programas de distribuição de renda são a resposta mais eficiente que um governo já deu a essa situação até hoje. Quando o bispo afirma que sempre teve disposição para o diálogo, mente novamente. Já não é segredo que a estratégia dele era não aceitar dialogar com o governo. Queria as luzes, os holofotes da mídia e os teve. A mensagem mais desrespeitosa que este bispo deu à sociedade brasileira foi quando se deixou fotografar ao lado de criancinhas vestidas de anjo, com asas, roupas azuis e tudo o mais. Nunca tinha visto uma exploração tão descarada da fé popular para objetivos políticos. Feliz Ano Velho, dom Cappio. http://bahiadefato.blogspot.com

Fala Ciro

“O Fernando Henrique pegou a carga tributária brasileira com 27% do PIB e entregou ao Lula com 35%”, “Essa é a realidade dessa gente que está fazendo esse movimento todo.”

Palavras do deputado Ciro Gomes

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Qualificando o serviço público


“Passada a disputa acerca da prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), governo e oposição se preparam para discutir o tamanho do Estado. Em recentes eventos públicos, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou que não abre mão de contratar mais servidores. Na tentativa de rebater as críticas de que inchará a máquina pública, argumentou que só assim aumentará a qualidade do serviço público. Já a oposição tentará impedir a contratação de mais funcionários pelos três Poderes.


A proposta do Orçamento enviada pelo governo ao Congresso define em até 56.348 as contratações a serem feitas no ano que vem pelos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público da União. Se todos esses cargos forem preenchidos, as despesas no exercício somarão R$ 1,89 bilhão. O Executivo pretende contratar, no máximo, 40.032 pessoas. Os limites para Justiça e Congresso serão de 12.604 e 1.417, respectivamente. Já o Ministério Público poderá admitir até 2.295 funcionários, caso deputados e senadores não alterem o texto original do Projeto de Lei Orçamentária em tramitação.


- O discurso de que o Estado não pode contratar é o discurso daqueles que querem que o Estado seja inoperante - argumentou Lula no fim de outubro. - Se não for assim, o Estado sempre será manchete dos jornais por maus serviços prestados à população. Ou nós fazemos isso ou este país não vai para frente.”
Fernando Exman, Jornal do Brasil
Matéria Completa, ::Aqui::

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

A CPT mente, mente!

As falácias da CPT contra o projeto da transposição do São Francisco


A adutora não foi feita para abastecer nenhum projeto especifico de agrobusiness ou industrial; ela reforça as adutoras e açudes já existentes, dando ao Nordeste uma perspectiva de longo prazo de desenvolvimento econômico, urbano, agrícola. O bispo não menciona quais seriam esses projetos gigantes. Procurei exaustivamente e acabei encontrando a origem da desinformação: um documento da Comissão Pastoral da Terra, hoje a principal produtora de falácias contra o projeto, ao ponto de desbancar a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), que não admitia perder uma gota do rio que aciona seus geradores em Paulo Afonso. A CPT alega que a adutora “vai servir para a siderúrgica do Pecém, vai servir para a agroindústria do Apodi”. Ora, a siderurgia do Pecém fica próxima ao litoral, no Ceará, distante centenas de quilômetros do ramo Norte do projeto, que mal entra no Ceará, desviando-se em direção à Paraíba e ao Rio Grande do Norte, depois de reforçar o Riacho dos Porcos. Desse riacho até Pecém são centenas de quilômetros de rios que até mudam de nome e passam por açudes diversos. Não tem nada a ver com a siderúrgica, que já tem abastecimento local assegurado de 2 metros cúbicos por segundo, para um consumo de apenas 1,73 metros cúbicos por segundo. Esses dados foram admitidos pela Agência Brasil de Fato, do MST (www.brasildefato.com.br). Como contradizem o argumento da CPT, a agência alega que, no futuro, quando outras indústrias forem atraídas pela siderúrgica, “caso o complexo prospere, a demanda de água superará a oferta atual”. Notem o ato falho na utilização da palavra “prospere”. Eles não querem que nada prospere. Também omitem que a siderúrgica vai produzir placas grossas, para exportação, e não as placas finas que atrairiam empresas metalúrgicas de processamento. Mais FALACIOSO ainda é chamar a agricultura de Apodi de agrobusiness, ao modo de um palavrão que desclassifica tudo. Apodi é uma história de sucesso e exuberância agrícola e grande diversidade de produção e formas de propriedade. Ali cresce, graças à Embrapa, a mais produtiva variedade de acerola. Ali o governo federal está implantando um projeto específico de financiamento da agricultura familiar. Ali existem seis assentamentos agrícolas e três cooperativas de produtores. Ali o governo instalou também um projeto de três minifábricas familiares para o processamento da castanha do caju, e um outro que vai beneficiar 400 pequenos produtores de mel. Um único projeto de irrigação em andamento no Apodi, com água pressurizada, vai atender a mais de 200 agricultores. Todas essas FALÁCIAS e mais algumas foram inventadas pela CPT depois que se desmoralizou o argumento principal anterior de que a adutora ia secar o Rio São Francisco. Ocorre que, em julho de 2004, depois de intensos debates técnicos, o governo inverteu a lógica do antigo projeto pelo qual as águas do São Francisco seriam transpostas para os sistemas do semi-árido sempre que seus açudes estivessem baixos, sem levar em conta o nível da represa de Sobradinho. Ficou decidido que será retirada uma quantidade mínima para garantir o consumo humano, e só quando Sobradinho tiver excesso de água, a captação será maior. Na sua nova formulação são retirados 26,4 metros cúbicos por segundo, cerca de 1% da vazão no local da captação, e somente quando Sobradinho estiver vertendo, ou seja, botando fora excesso de água, a captação pode aumentar, mesmo assim até o limite de 87,9 metros cúbicos. O Rima estima que, na média anual, a perda do rio vai ficar em 65 metros cúbicos por segundo. Trecho do artigo O Natal da Discórdia, de Bernardo Kucinski

HC, de quem é a culpa, Zé Serrote

E Agora, Zé Serrote, a Culpa é do Lula? Onde está aquela voz forte e a mira certeira contra o Presidente Lula?

Paulo Como é? e a imprensa não vai dizer que o Serra não sabia que as portas do hospital estavam trancadas? Cadê o Futuro Presidente que sabe de tudo? Que nunca vai ficar sem saber de nada? e agora : Serra não sabe de nada!!! Não sabe que as obras do metrô estavam em risco; Não sabe que o PCC comanda tudo de dentro da cadeia; Não sabe que o edifício do Hotel estava na rota dos aviões; Não sabia nem que há moradias lá perto do aeroporto onde não podia haver; Não sabe da gastança do casamento da filha do Alckmin; Não sabe das ambulâncias superfaturadas e sucateadas; Nem conhece o ex amiguinho das ambulâncias; Não sabe também das falcatruas do Azeredo; Nem chegou a ser informado que havia um mensalão do seu partido e agora tb não sabe que as portas do hospital estavam trancadas. Ou seja, não sabe de nada. O roto falando do torto. Oras vão se catar. E ainda dizem que a Globo não é tucana.... Querem enganar quem?

Nunca nesse País!

Lula destaca crescimento do país e ascenção econômica dos mais pobres.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemorou nesta segunda-feira o fato de 20 milhões de brasileiros terem saído das classes D e E para entrar na C, nos cinco anos de seu governo. Ele afirmou,no programa de rádio Café com o Presidente, que a redução da pobreza pode ser conferida nos shopping centers e supermercados por meio da elevação do consumo dessa fatia da população. "Quem está indo ao shopping, quem está indo em um lugar que se vende muito, percebe que o povo pobre está comprando, o povo pobre está indo às compras", disse. De acordo com o presidente, essa população pobre entrou no mercado e virou consumidora neste Natal. "Essas pessoas estão tendo uma ascensão na sua vida social, as pessoas estão fazendo parte do mercado, as pessoas estão virando consumidores, o que é uma coisa extremamente importante. [...] Eu estou muito feliz nesse Natal de 2007. Feliz porque acho que o povo brasileiro merecia viver o momento que está vivendo." Lula garantiu que o Brasil está preparado para ser melhor no ano que vem do que foi este ano. "Só posso, nessa véspera de Natal, dizer ao povo brasileiro que trabalho com a certeza de que 2008 será infinitamente melhor que 2007 (...).Então, vou continuar trabalhando de forma, eu diria, muito vigorosa para que o Brasil possa melhorar muito em 2008", disse. Um dos fatores de otimismo, segundo Lula, são os recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que devem atingir a totalidade da geração de emprego e renda no ano que vem. "Afinal de contas, são R$ 504 bilhões que quase tudo isso começa a desovar, a gerar empregos e a gerar renda no próximo ano. Por isso que estou muito otimista", disse. Outro aspecto que, segundo presidente, é favorável ao país são os investimentos feitos pelas empresas. "Os empresários brasileiros estão investindo como poucas vezes investiram. A indústria automobilística e a indústria da construção civil crescem de forma extraordinária", afirmou. Lula ainda fez um balanço de 2007. Ele voltou a dizer que o Brasil vive um "momento excepcional" e destacou o número de empregos criados, o maior da série histórica do Caged. "Foram quase 2 milhões de empregos criados com carteira assinada até 30 de novembro. É uma coisa excepcional". O presidente lembrou que as empresas têm aumentado a capacidade produtiva. "O Brasil está preparado para um grande ciclo de crescimento sustentável", destacou. http://www.pt.org.br/portalpt/index.php

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Prá não dizer que não falei do Natal!

A FELICIDADE E A PAZ SÓ DEPENDEM DA GENTE, TODOS OS DIAS.

Sinceramente, ao ver todo esse frenesi em torno das festas de Natal e Ano Novo, fico aborrecido. É um consumismo desenfreado que foge a qualquer normalidade. É um negócio de presente prá fulano, sicrano e a fins que não tem fim. E se não tiver o presente, precisa arranjar uma boa desculpa. É claro que o Natal esse ano tem um aspecto importante, que é o crescimento do poder de compra da população graças as politicas positivas do Presidente Lula, mas para mim, ainda assim, toda essa realidade não me remete para essa onda consumista com votos de "boas festas e um feliz ano novo", porque de nada adianta desejarmos, se não a fazemos.
E é preciso lembrarmos que o mais importante dessa data, não são as trocas de presentes e nem a espera de papai Noel, mas sim o Nascimento de Jesus Cristo, portanto, o verdadeiro e único motivo das comemorações.
Por isso, apesar dos apelos nesse momento de adesão ao clima de contraternização natalina, digo que a Felicidade e a Paz, só dependem da gente, todos os dias do ano.
Forte Abraço para todos, todos os dias.
Helio de Almeida Oliveira.

domingo, 23 de dezembro de 2007

Aumenta o desespero no lixo dos DEMentes-Tucanalhas

Lula, O Melhor Presidente do Brasil!

Crescimento econômico tira 20 milhões de brasileiros da classe D/E que migram para C Comércio deve faturar R$ 43,2 bi neste fim de ano, no melhor resultado em 11 anos Desemprego fechará 2007 abaixo de 10%, menor taxa dos últimos cinco anos Vagas para metalúrgicos crescem 18% no Grande ABC Menor endividamento indica o melhor Natal dos últimos anos Brasileiro não teme desemprego, diz CNI Bacia de Santos põe o Brasil na 1ª divisão dos países produtores e exportadores de petróleo Petrobras encontra petróleo na Bacia de Santos Brasil sobe uma posição e ocupa 6º lugar na economia mundial, diz Bird Moradia: "Este é o melhor momento em 25 anos" BNDES vive novo "Milagre Econômico" Crédito imobiliário com recursos da poupança cresce 96% no ano e 197% em novembro Brasil terminará 2007 com o maior investimento estrangeiro direto em 60 anos Arrecadação aumenta mais de R$ 54 bi e cobre perda com a CPMF Banda larga nas escolas e municípios até 2010 A avaliação do governo Lula chegou em dezembro ao maior patamar do ano de 2007 VÍDEO: LULA LIBERA R$ 21MILHÕES PARA CATADORES

É a preguiça, DEMentes-Tucanalhas

EFRAIM MORAIS(DEMentes): VICE CAMPEÃO EM AUSÊNCIA NO SENADO BRASILEIRO

21/12/2007
Eduardo Militão e Camilla Shinoda

Apenas duas sessões deliberativas realizadas em 2007 conseguiram reunir todos os 81 senadores: aquelas que livraram o agora ex-presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) da cassação. É o que revela levantamento sobre a assiduidade no Senado Federal feito pelo Congresso em Foco a partir da análise das listas de presença publicadas pelo Diário do Senado, que é o órgão oficial da Casa.

Entre 6 de fevereiro e 12 de dezembro deste ano, os senadores registraram 1.545 faltas nas 119 sessões reservadas para votações nesse período. Com isso, a média de ausências do conjunto dos senadores ficou em 16,05%. Nesse mesmo período, eles anotaram presença 8.081 vezes.

Depois da dupla absolvição de Renan, as duas sessões de 12 de dezembro, quando o Senado elegeu o seu novo presidente, Garibaldi Alves (PMDB-RN), e em seguida derrubou a proposta que prorrogava a CPMF, foram as mais disputadas. Somente um senador estava ausente.  

A ASSIDUIDADE NO SENADO



TABELAS COMPLETAS
por nome – por partido
por estado – mapa diário de presença

Mais ausentes

O senador mais ausente neste ano foi o ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL), que compareceu a apenas 44 sessões deliberativas. Considerando o total de sessões realizadas durante o tempo em que ele estava no exercício do mandato (76), o índice de faltas de Collor foi de 42,11%. O suplente do ex-presidente, o seu primo Euclydes Mello (PRB-AL), que o substituiu quando Collor se licenciou do Senado, também não se saiu bem no quesito assiduidade: teve um índice de faltas de 34,88% (veja a lista completa com a freqüência de cada senador).

Outros quatro senadores também tiveram percentuais de ausência acima de 33,33%: Efraim Morais (DEM-PB), Sérgio Guerra (PSDB-PE), Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) e Rosalba Ciarlini (DEM-RN). Em tese, todos eles estão sujeitos ao disposto no inciso III do artigo 55 da Constituição Federal. Ele prevê a perda de mandato de todo deputado ou senador “que deixar de comparecer, em cada sessão legislativa, à terça parte das sessões ordinárias da Casa a que pertencer”.

Em tese, porque o mesmo dispositivo estabelece que não são computadas as faltas, para efeito de aplicação da pena de cassação, quando o parlamentar se encontrar em licença médica ou em missão oficial. O Senado não divulga informações relativas às licenças ou missões dos senadores, mas tem por tradição agir com extrema liberalidade na aceitação de justificativas para faltas.

Somente dois senadores titulares (ou seja, não eleitos como suplentes) tiveram um número de presenças menor que o de Collor: Alfredo Nascimento (PR-AM), que se licenciou do mandato em março de 2007 para assumir o cargo de ministro dos Transportes; e Antonio Carlos Magalhães (DEM-BA), que faleceu em julho.
  
Os mais assíduos 

O senador mais assíduo neste ano foi Marco Maciel (DEM-PE), que compareceu a 113 das 119 sessões deliberativas realizadas até o último dia 12. Ele foi seguido por Flexa Ribeiro (PSDB-PA), que participou de 112 sessões; e por Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), Valter Pereira (PMDB-MS) e Leomar Quintanilha (PMDB-TO), que participaram de 111 sessões destinadas a votação de matérias.

Os senadores Edison Lobão (PMDB-MA) e Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado, vieram logo atrás, cada um com 110 presenças.

Em termos proporcionais, o mais assíduo foi Gim Argello (PTB-DF), que participou de 54 das 56 sessões realizadas durante o período em que exerceu o mandato. Primeiro suplente do ex-senador Joaquim Roriz (PMDB-DF), que renunciou ao cargo após ser acusado de corrupção, Gim teve somente 3,57% de faltas.

O segundo mais assíduo, proporcionalmente, foi o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), que participou de 70 das 73 sessões realizadas durante o período em que esteve no exercício do mandato. Seu índice de ausências foi de 4,11% (menor, inclusive, que os 5,04% obtidos por Marco Maciel).     

Irritação não falta

Campeão em ausências, Collor reagiu com irritação ao resultado do levantamento. “Não tenho que justificar nada das minhas presenças e ausências”, respondeu. Ao ser questionado sobre a importância de estar presente no Senado, o ex-presidente manteve a rispidez. “Não é questão de ser mais ou menos importante. Se você quiser saber esses números, procure um assessor parlamentar”, disse ele à repórter. 

Mozarildo Cavalcanti afirmou que não possui faltas e sim “ausências”. Segundo sua assessoria, o parlamentar estava a trabalho em seu estado, a serviço do próprio Senado. Como integrante de uma comissão externa da Comissão de Relações Exteriores, explica o gabinete, o petebista fez várias viagens à reserva indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, área de conflito entre agricultores e índios.

Assessores do parlamentar informaram que o senador já está com o relatório pronto e que deverá apresentá-lo em breve na comissão. A assessoria de Mozarildo pediu para que não fosse usado o termo “falta” para o senador e reclamou que o Diário do Senado não faz distinção entre as ausências justificadas e aquelas que não têm justificativa, ao contrário do que ocorre na Câmara, que divulga esses dados na internet.  

Saúde dos filhos

A senadora Rosalba Ciarlini também alegou que todas as suas faltas foram justificadas. “Eu tive que me ausentar para acompanhar meu filho, que teve um grave problema de saúde. Ele ficou internado por muito tempo e tivemos que fazer várias viagens a São Paulo”, explica. A senadora também declarou que teve alguns compromissos no estado, mas que essas ausências também foram justificadas.  

Patrícia Saboya atribui o seu alto índice de ausências à paralisação do Senado, desencadeada pela crise e pelo excesso de medidas provisórias. “Com a paralisação das atividades na Casa, me envolvi muito em questões no Ceará”, justifica. 

A senadora também informou que deixou de comparecer a algumas sessões para acompanhar um dos filhos, que ainda se recupera de um acidente. “Faz três meses que estou acompanhando meu filho. Esse período deve coincidir com a maior parte das faltas”, explica. Segundo ela, todas as suas faltas foram justificadas na Casa. 

Dever de casa

Alvaro Dias qualifica a assiduidade como um dever do parlamentar. “É evidente que, para ter conhecimento e poder atuar em todas as frentes, é necessário estar presente”, afirma. Ele admite que, embora importante, esse não deve ser o único critério para se avaliar a atuação parlamentar. “É o conjunto da atuação do dia-a-dia que faz resultado final”, ressalta. 

Flexa Ribeiro afirma que o compromisso com a assiduidade é um dos aspectos que constroem um mandato “responsável e comprometido”. Valter Pereira concorda com o colega paraense e completa: “O ausente sabe o que aconteceu, mas não participa do que aconteceu. E o importante é participar das discussões”. 

Marco Maciel, o senador que participou do maior número de sessões, não foi localizado pela reportagem. 

Procurados pelos repórteres, os senadores Efraim Morais e Sérgio Guerra não deram retorno.


.

Congressoemfoco

Derrotados e Inconformados

DERROTADOS E INCONFORMADOS

O Natal deste ano promete ser o melhor de todos os tempos. Lojas, shoppings, supermercados, nunca venderam tanto. O povo nunca teve tanto dinheiro e crédito para compras. Os responsáveis são a forte geração de empregos, os aumentos reais de salário, o crédito fácil a juros menores, os preços baixos, a inflação controlada, a confiança do consumidor na política econômica do governo Lula. A redistribuição de renda promovida pelos programas sociais do governo Lula também impulsionam as vendas. Há uma outra novidade neste Natal: não foi necessária a campanha Natal sem Fome, patrocinada pela Rede Globo. Mais de 20 milhões de pessoas deixaram as classes D/E e migraram para classe C; ou seja, mais de 20 milhões de pessoas deixaram de ser miseráveis. Inconformada com o bom desempenho do governo Lula, com o crescimento robusto do país, com os índices da redução da pobreza, com os constantes recordes na produção, com os recordes na geração de empregos e renda, a oposição reagiu. Derrubou a CPMF, fez com que o governo tenha de lidar com uma perda na arrecadação de R$ 40 bi, além de dificultar o combate à sonegação de impostos. A CPMF é um imposto justo, pois paga mais quem tem mais, paga menos quem tem menos, e quem não tem não paga. No governo Lula, esse dinheiro era usado na Saúde e no programa Bolsa Família: por isso, esse imposto melhorou muito a vida de dezenas de milhões de brasileiros, antes excluídos da sociedade. O PSDB e o DEM, seguindo a orientação de seus mentores do mal – FHC e Bornhausen –, uniram-se novamente para prejudicar o povo brasileiro. A idéia desses nefastos é dificultar a governabilidade, impedir que o governo Lula faça mais e melhor para todos, principalmente para os mais pobres. Fazem isso para tentar ganhar as eleições em 2010. Como disse o nefasto FHC, é preciso parar de pensar no Brasil e pensar na eleição de 2010. Mas o governo do presidente Lula com certeza encontrará um solução para continuar a fazer o melhor para o país e para o povo brasileiro, e em 2010 mais uma vez a vitória será do povo. O PSDB e o DEM são feios, sujos e malvados, serão novamente derrotados. Por Jussara Seixas

sábado, 22 de dezembro de 2007

No Natal dos catadores, Lula promete manter investimento social

No Natal dos catadores, Lula promete manter investimento social 


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva garantiu que o fim da CPMF não trará "um centavo de corte na política social do governo e do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento)". Lula falava a imprensa neste sábado (22), ao participar, pela quinta vez em seu governo, da cerimônia de Natal dos moradores de rua e catadores de materiais recicláveis de São Paulo, coordenada pelo padre Júlio Lancellotti.

Lula abraça o amigo padre Júlio Lancellotti "Vamos ver o que vai ser criado de novo para compatibilizar os R$ 40 bilhões que vão faltar no orçamento. Não vamos dizer o que vai haver porque só discutiremos em janeiro", disse o presidente, cercado pelos jornalistas após o evento. “Isso vai se dar com conversa, com política de convencimento", agregou. "Obviamente vamos fazer ajustes no orçamento, e dentro do ajuste vamos fazer contenção de despesas, mas essa decisão não tem que ser tomada rapidamente. Precisamos sentar e conversar. Estou tranqüilo que nós vamos encontrar uma solução. Vamos decidir a partir de janeiro”, disse Lula. "Não fui eu que criei a CPMF. A sociedade, sobretudo a parte mais pobre da população, é que precisava da CPMF. As pessoas que votaram (os senadores) sabiam disso", afirmou ainda o presidente. Prédios públicos aos sem-teto A cerimônia ocorreu pelo segundo ano na Casa da Oração do Povo da Rua, organizada pelos Movimentos dos Catadores de Materiais Recicláveis e da População de Rua, pela Organização de Auxílio Fraterno e pela Rede Rua. O lugar, mantido pela Pastoral do Povo da Rua na região central de São Paulo, já foi visitado pelo presidente em 2004. Lula falou de improviso, por pouco menos de meia hora, elogiando a organização dos catadores em cooperativa. “Eu nunca fui catador de papel, mas já catei muita coisa pra vender na rua. Não tinha pedaço de ferro, pedaço de cobre, ou bacia de alumínio que eu não catasse para vender. Era um jeito de eu conseguir um dinheirinho para o cinema”, recordou, sob aplausos e risos. Lula anunciou que o governo pretende retomar o programa que destina prédios públicos da União às pessoas de baixa renda. A Medida Provisória (MP) editada anteriormente para a finalidade foi reprovada pelo Congresso, mas Lula prometeu reromar a iniciativa no início de 2008. "Não tem sentido o governo ter prédios no centro de São Paulo e não dar para as pessoas morarem", afirmou o presidente. Elogio ao padre Júlio O discurso incluiu também um elogio ao padre Lancellotti, coordenador das atividades da Casa de Oração do Povo da Rua. "A nossa amizade foi construída ao longo de muitos anos de trabalho e solidariedade. Ele é um dos grandes companheiros que eu consegui acumular ao longo dos meus 62 anos de vida", afirmou Lula. O padre, perguntado sobre por que o presidente freqüenta o Natal dos catadores, contestou que é "porque é amigo deles e comprometido com os pobres". Neste ano, Júlio Lancellotti foi vítima de um caso de extorsão. Em agosto, o padre denunciou à polícia que estava sendo extorquido com falsas acusações de corrupção de menores e ameaçado de agressão, caso não entregasse o valor exigido pelos criminosos. A Polícia Civil de São Paulo concluiu que o padre foi vítima de extorsão e indiciou quatro pessoas acusadas pelo crime. Da redação, com agências

Contos da Intransigência contra a Transposição!

Derrotado, bispo amarela, joga a toalha e encerra o jejum
Depois de receber soro parenteral na veia para recuperar a resistência física, o bispo de Barra (BA), dom Luiz Flávio Cappio, 61 anos, deixou a Unidade de Tratamento Intensiva (UTI) do Hospital Memorial Petrolina (PE), onde foi internado na quarta-feira. Ontem à noite, ele anunciou que desistiu da greve de fome, depois de 23 dias de jejum. Ele seguiu a orientação médica, apesar de ser pressionado por militantes antitransposição do Rio São Francisco, que acreditavam na possibilidade dele retomar o protesto contra o governo federal. A situação de Cappio era delicada e, tecnicamente, ele já vinha recebendo uma alimentação intravenosa com o soro. A medida era para complementar e poderia substituir completamente a alimentação oral. Alguns manifestantes tentaram impedir que os médicos aplicassem o soro no bispo, lembrando que ele ainda estava em greve de fome por conta das obras do Velho Chico. No entanto, os especialistas alegaram que uma resolução do Conselho Federal de Medicina determina que os profissionais de saúde não respeitem greve de fome quando o paciente está correndo risco de morte. Na quarta-feira, o bispo de Barra sofreu um desmaio após saber que o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubara a liminar que mantinha paralisadas as obras de transposição. Pelos médicos que atenderam Cappio, ele continuaria internado. No entanto, assim que recuperou os sentidos, o religioso argumentou com a equipe do hospital que precisava dar uma satisfação aos amigos que o aguardavam do lado de fora do hospital. Ele disse ainda que havia feito a promessa de participar de duas missas na capela de Sobradinho. Recuperação Segundo o único boletim médico divulgado pelo hospital, o bispo está evoluindo bem desde que foi internado. “Seu estado é estável do ponto de vista hemodinâmico e respiratório. Ele está hidratado e com boa diurese, consciente, orientado, lúcido e se comunica sem problemas. Seu estado geral é regular, mas ainda frágil”, disse o clínico geral Klaus Finkam, que atendeu Cappio. O médico disse que o bispo não corre risco de nenhuma seqüela pela greve de fome iniciada em 27 de novembro. Na recepção do hospital, os irmãos do religioso, João Francisco e Rosa Maria, estavam aos prantos com receio de o bispo morrer. Eles disseram que o desejo já expresso por Cappio era de rezar uma missa e se despedir do povo de Sobradinho (BA), a 50km de Petrolina. No início da tarde, a expectativa era a de que Cappio anunciasse na missa que atenderia os apelos de amigos e familiares e deixaria o protesto de lado, o que acabou ocorrendo. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) negou que tenha pedido para o frade abandonar o jejum. A entidade e a Articulação São Francisco Vivo informaram que, apesar da internação, caberia a ele decidir se suspenderia o jejum. Desde que iniciou o protesto, ele já havia perdido 9kg. Antes de desmaiar, em vez de soro, Cappio vinha ingerindo apenas água. Foi a segunda vez que ele fez greve de fome contra a transposição. Em outubro de 2005, permaneceu 11 dias sem se alimentar em protesto contra o projeto. Do outro lado Há informações seguras de que os 23 dias de jujeum do bispo, não foram vinte e três sem comida. Comenta-se na imprensa nordestina que o bispo forava o estomâgo a noite para aguentar o jejum do dia. Isso explica os 21 dias em que o bispo esteve forte, bonito, corado e com muita sáude e energia para dar entrevista em redes de TVs, jornais, e ainda se juntar a artistas globais http://www.julianaweis.blogspot.com/

Charge do Bessinha

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

São Francisco - A Transposição das Emoções

A transposição das emoções
Postado por Luiz Weis Nas três semanas do jejum do bispo D. Luiz Flávio Cappio, contam-se nos dedos os textos que saíram nos grandes jornais trocando em miúdos a polêmica da transposição das águas do Rio São Francisco. O que mais se aproximou disso, em relação a um dos seus aspectos essenciais, talvez tenha sido uma matéria do Globo de ontem com dois especialistas no assunto [ver abaixo]. Em compensação, chegada como sempre ao espetáculo, a mídia se regalou com o protagonismo da atriz Letícia Sabatella. Hoje, está na Folha, no Globo, no Estado, e por aí, a foto da moça ao celular, chorando ao saber da decisão do Supremo Tribunal que liberou as obras. Ela acha que a decisão foi “humilhante”. Direito dela. O problema é a transposição de suas emoções no noticiário. “Compreender”, dizia uma canção de protesto italiana dos idos de 1970, “custa mais”. Ou, no caso, explicar. A influência do tratamento teatral dos problemas da esfera pública na formação das opiniões e mentalidades é velha conhecida da sociologia da comunicação. É o que explica, para ficar no assunto do dia, a forma como o ex-ministro, deputado e presidenciável Ciro Gomes encontrou para reafirmar, em artigo no Globo de hoje, as suas posições pró-transposição: uma “Carta a Letícia Sabatella”, tão pessoal que inclui o aviso de que “Patrícia tem meus telefones” e termina com “um beijo fraterno”. O político, que não nasceu ontem, sabe por que a famosa expressão americana sobre a conquista da opinião pública é “corações e mentes” e não “mentes e corações”. Aos leitores que preferem argumentos a arroubos, eis a materiola do Globo a que me referi: "Idéia surgida no Brasil ainda no tempo do Império, a transposição do Rio São Francisco nunca deixou de dividir opiniões. Mas um ponto de discórdia já está sanado, garante o coordenador do Laboratório de Hidrologia da Coppe-UFRJ, Paulo Canedo: a transposição não causará impacto ao São Francisco. - Está comprovado que não vai causar danos ao São Francisco. Isso é coisa de quem romantiza a natureza. O São Francisco é um rio firme, que nasce no Sudeste, que tem a previsibilidade (de chuvas) do Sudeste, navega pelo semi-árido mais ou menos seguro. Com os 26 metros cúbicos por segundo, como está previsto, dá para operar os reservatórios com segurança. E o São Francisco sequer saberá. Nem se 180 milhões de brasileiros ficarem olhando, ninguém perceberá. Nem que tenha instrumento medindo. É imperceptível. Para Canedo, o São Francisco pode dar a água de que o semi-árido precisa. Mas a região precisa de mais - de outras políticas públicas. - Para desenvolver o semi-árido, precisamos de emprego e renda, como em qualquer outra região. Mas, fazendo a coisa inteligente, vai ter coisa plantada. As coisas podem começar a acontecer. Já o professor Rubem La Laina Porto, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), uma das principais autoridades sobre engenharia hidráulica e sanitária no Brasil, afirma que a discussão sobre o problema da distribuição de água nas regiões secas do Nordeste deve começar “passando uma borracha” em tudo que já se falou sobre o assunto: - É preciso esquecer tudo e começar a discutir do zero com outro tipo de planejamento. Se o problema é falta de água, temos que ver como resolver. Somos imaturos politicamente para chegar a uma solução. La Laina Porto observa que o governo quer executar o projeto sem entendimento prévio com os estados envolvidos, o Senado ou a Câmara. Segundo ele, entre 2000 e 2001 o Banco Mundial levou um grupo de políticos aos Estados Unidos para que conhecessem projetos semelhantes. - Como se percebe hoje, eles não entenderam nada."

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

São Francisco - Carta a Leticia Sabatella

Carta a Letícia Sabatella

Letícia, ando meio quieto por estes tempos, mas, ao ver você visitando o bispo em greve de fome no interior da Bahia, pensei que você deveria considerar algumas informações e reflexões. Poderia começar lhe falando de República, democracia, personalismo, messianismo... Mas, sendo você a pessoa especial que é, desnecessário. O projeto de integração de bacias do Rio São Francisco aos rios secos do Nordeste setentrional atingiu, depois de muitos debates e alguns aperfeiçoamentos, uma forma em que é possível afirmar que, ao beneficiar 12 milhões de pessoas da região mais pobre do país, não prejudicará rigorosamente nenhuma pessoa, qualquer que seja o ponto de vista que se queira considerar. Séria e bem intencionada como você é, Letícia, além de grande artista, peço-lhe paciência para ler os seguintes números: o Rio São Francisco tem uma vazão média de 3.850 metros cúbicos por SEGUNDO (!) e sua vazão mínima é de 1.850 metros cúbicos por SEGUNDO (!). Isto mesmo, a cada segundo de relógio, o Rio despeja no mar este imenso volume de água. O projeto de integração de bacia, equivocadamente chamado de transposição, pretende retirar do Rio no máximo 63 metros cúbicos por segundo. Na verdade, só se retirará este volume se o rio estiver botando uma cheia, o que acontece numa média de cada cinco anos. Este pequeno volume é suficiente para garantia do abastecimento humano de 12 milhões de pessoas. O rio tem sido agredido há 500 anos. Só agora começou o programa de sua revitalização, e é o único rio brasileiro com um programa como este graças ao pacto político necessário para viabilizar o projeto de integração. No semi-árido do Nordeste setentrional, onde fui criado, a disponibilidade segura de água hoje é de apenas cerca de 550 metros cúbicos por pessoa, por ANO (!). E a sustentabilidade da vida humana pelos padrões da ONU é de que cada ser humano precisa de, no mínimo, 1.500 metros cúbicos de água por ano. Nosso povo lá, portanto, dispõe de apenas um terço da quantidade de água mínima necessária para sobreviver. Não por acaso, creia, Letícia, é nesta região o endereço de origem de milhões de famílias partidas pela migração. Converse com os garçons, serventes de pedreiros ou com a maioria dos favelados do Rio e de São Paulo. Eles lhe darão testemunhos muito mais comoventes que o meu. Tudo que estou lhe dizendo foi apurado em 4 anos de debates populares e discussões técnicas. Só na CNBB fui duas vezes debater o projeto. Apesar de convidado especialmente, o bispo Cappio não foi. Noutro debate por ele solicitado, depois da primeira greve de fome, no palácio do Planalto, ele também não foi. E, numa audiência com o presidente Lula, ele foi, mas disse ao presidente, depois de eu ter apresentado o projeto por mais de uma hora (ele calado o tempo inteiro), que não estava interessado em discutir o projeto, mas "um plano completo para o semi-árido". As coisas em relação a este assunto estão assim: muitos milhões de pessoas no semi-árido (vá lá ver agora o auge da estiagem) desejam ardorosamente este projeto,esperam por ele há séculos. Alguns poucos milhões concentrados nos estados ribeirinhos ao Rio não o querem. A maioria de muitos milhões de brasileiros fora da região está entre a perplexidade e a desinformação pura e simples. Como se deve proceder numa democracia republicana num caso como este? O conflito de interesses é inerente a uma sociedade tão brutalmente desigual quanto a nossa. Só o amor aos ritos democráticos, a compaixão genuína para entender e respeitar as demandas de todos e procurar equacioná-las com inteligência, respeito, tolerância, diálogo e respeito às instituições coletivas nos salvarão da selvageria que já é grande demais entre nós. Por mais nobres que sejam seus motivos - e são, no mínimo, equivocados -, o bispo Cappio não tem direito de fazer a Nação de refém de sua ameaça de suicídio. Qualquer vida é preciosa demais para ser usada como termo autoritário, personalista e messiânico de constrangimento à República e a suas legítimas instituições. Proponho a você, se posso, Letícia: vá ao bispo Cappio, rogue a ele que suspenda seu ato unilateral e que venha, ou mande aquele que lhe aconselha no assunto, fazer um debate num local público do Rio ou de São Paulo. Imagine se um bispo a favor do projeto resolver entrar em greve de fome exigindo a pronta realização do projeto. Quem nós escolheríamos para morrer? Isto evidencia a necessidade urgente deste debate fraterno e respeitoso. Manda um abraço para os extraordinários e queridos Osmar Prado e Wagner Moura e, por favor, partilhe com eles esta cartinha. Patrícia tem meus telefones. Um beijo fraterno do Ciro Gomes CIRO GOMES é deputado federal (PSB-CE) e foi ministro da Integração.

Transposição do São Francisco - O PT Faz

O 'Atlas Nordeste' e o Rio São Francisco

por José Machado, Diretor-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA) Nos últimos dias, a imprensa tem divulgado posicionamentos de algumas personalidades brasileiras, as quais, ao abordarem a questão do equacionamento dos déficits de água do Nordeste, colocam as propostas do estudo denominado Atlas Nordeste - abastecimento urbano de água como opção alternativa, e mesmo conflitiva, com o Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional (PISF). Há um equívoco nessa abordagem. Por isso, tentarei esclarecer os fatos. Em primeiro lugar, o Atlas não pode ser considerado um programa ou projeto. É, na verdade, um portfólio de eficientes soluções técnicas para serem eventualmente financiadas com recursos públicos, por iniciativa dos poderes Executivo e Legislativo, federal, estaduais e municipais, ou mesmo com recursos privados. O Atlas é um estudo coordenado pela Agência Nacional de Águas (ANA) que busca identificar alternativas de abastecimento público de água para sedes municipais com mais de 5 mil habitantes, considerando cenários tendenciais de crescimento de demandas por consumo urbano de água em uma área que inclui mais de 1,3 mil municípios do Nordeste e da Bacia do Rio São Francisco, propondo soluções localizadas de curto e médio prazos (2005 a 2015). [...] [...] O Atlas e o PISF são, pois, iniciativas distintas em sua gênese, em seus objetivos e em sua área de abrangência. Não são conflitantes em seus resultados, uma vez que se serviram, na área comum de análise, da mesma base de dados sobre disponibilidade de água e de projeções de demandas por água adequadas à natureza e ao horizonte temporal de planejamento específicos a cada um dos estudos. Por fim, cabe acrescentar que priorizar ou não as propostas técnicas contidas no Atlas e, igualmente, implementar ou não o PISF, ou mesmo acolher no mesmo horizonte temporal ambas as possibilidades, é uma decisão de governo, sobre a qual não cabe à Agência Nacional de Águas, como ente regulador, se pronunciar.

Posse do Novo Presidente do PT

Novo presidente do PT de João Pessoa toma posse nesta sexta

Da Redação com Ascom Tomará posse nesta sexta-feira, dia 21/12, às 19h, no auditório da OAB, o novo diretório municipal do Partido dos Trabalhadores - PT de João Pessoa, tendo à frente seu novo presidente, o advogado Anselmo Castilho. Anselmo substitui o sociólogo Hildevânio Macedo. Cumprirá um mandato de dois anos. Junto com Castilho, tomará posse o novo diretório municipal que será composto por 37 membros. Todas as chapas que disputaram o processo de eleições direta - PED no último dia 02/12. Ficou assim a divisão dos cargos entre as diversas chapas disputantes: A chapa "João Pesssoa - Construindo um Novo Brasil", encabeçada pelo próprio Castilho" ficou com 14 vagas; a chapa "A Esperança é Vermelha", encabeçada pelo atual presidente, Hildevânio Macedo, ficou com 05 cargos; a chapa "Democracia e Trabalho", do vereador Luciano Cartaxo ficou com 04; a chapa "Partido Independente", do sindicalista Lucius Fabiani, com 4; Partido é prá Lutar, ligada ao Frei Anastácio, com 3; Novos Rumos, do sindicalista Fernando Lopes, com 3; Pt para Todos e Acorda PT, com 1 vaga cada. Os nomes dos componentes do diretório ainda estão sendo indicados pelas chapas. A Comissão Executiva Municipal será eleita na primeira reunião do diretório. Tomarão posse também os membros do Conselho Fiscal e da Comissão de Ética. PERFIL DO NOVO PRESIDENTE Anselmo Castilho é advogado e é filho do também advogado Agamenon Castilho, comunista histórico e já falecido. Tem 40 anos de idade e é formado em sociologia e direito. Começou sua militância política no movimento estudantil da UFPB, tendo participado do DCE - Diretório Central dos Estudantes, durante a gestão e foi representante estudantil no CONSEPE - Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão. Atuou no movimento sindical como dirigente do SINTEENP - Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino Privado da Paraíba e, depois, como advogado de vários sindicatos. Foi candidato a vereador tendo sido um dos mais votados da legenda petista. Já foi membro da Direção Estadual do partido na Paraíba, tendo coordenado a campanha de Lula no estado em 2006. Atualmente é dirigente da OAB - Ordem dos Advogados do Brasil - secção Paraíba.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Péssimo para FHC, Ótimo para o Brasil

Brasil ocupa sexto lugar na economia mundial,diz Banco Mundial

O Banco Mundial (Bird) divulgou os dados do Programa de Comparação Internacional (PCI), com 146 países. Pela paridade do poder de compra, Brasil passa de 7º a 6º lugar no ranking mundial e é responsável por metade da economia da América do Sul e por quase 2/3 dos gastos governamentais da região. O Brasil aparece em sexto lugar, com o equivalente a 3% do PIB mundial, junto a Grã-Bretanha, França, Rússia e Itália. Na medida convencional, o Brasil é sétima economia, com 2% do PIB, junto a Índia, Rússia e México. Esse salto se deve à nova avaliação. Em vez de utilizar a medida cambial, ou seja, converter o PIB em dólares, foi usada a paridade do poder de compra, que expressa os valores das moedas locais. Dessa forma, segundo o Bird, "os números refletem o valor real de cada economia, com as diferenças sendo corrigidas em níveis de preços sem que sejam afetadas por movimentos transitórios de taxas cambiais". Ainda segundo o Bird, pelos novos eferentes a China, em vez do quarto lugar na economia mundial, passou ao segundo posto. A economia mundial produziu US$55 trilhões em mercadorias e serviços em 2005, sendo quase 40% deste valor oriundos de países em desenvolvimento. Pouco mais de 20% vêm de China, Índia, Rússia, Brasil e México. Os EUA continuam no topo do ranking, mas com uma economia menor. Enquanto pelo sistema cambial o país tem o equivalente a 28% do PIB mundial, pela paridade, tida como mais realista, tem 23%. O Bird também fez o ranking do PIB per capita. Ele é liderado por Luxemburgo, Qatar, Noruega, Brunei e Kuwait. Na lanterna estão Congo, Libéria, Burundi, Zimbábue e Guiné-Bissau. Agência Informes (www.informes.org.br)

Operação desmonta quadrilha em MG acusada de sonegar R$ 400 milhões

Esta quadrilha é defendido por: Arthur Virgilio, Demónestenes Torres, FHC, Bornhausen, Célio Borges, Romeu Tuma, Jarabas Vasconcelos, Álvaro Dias, Kátia Abreu, Agripino Maia, e tantos outros que votaram contra CPMF. Estes eram os que clamavam pelo fim da CPMF.
Leiam a notícia abaixo. Operação desmonta quadrilha em MG acusada de sonegar R$ 400 milhões da Folha Online O Ministério Público do Estado de Minas Gerais, a Polícia Militar do Estado e a Receita estadual deflagraram na manhã desta terça-feira a Operação Celeiro, para desarticular uma quadrilha acusada de sonegar R$ 400 milhões em ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) através de empresas de comercialização de cereais. Segundo o promotor de Justiça Rogerio Filipetto, sete pessoas já foram presas na operação --cinco em Uberlândia (MG), uma em Gurupi (244 km de Palmas, capital do estado do Tocantins) e uma no Estado de Goiás. Foram apreendidos computadores e documentos que comprovam a existência do esquema de sonegação. Também foram apreendidas 2.500 toneladas de cereais em Uberaba, além de R$ 100 mil em dinheiro e jóias. Segundo o promotor, foram bloqueadas as contas correntes das pessoas físicas e jurídicas envolvidas, além de terem sido indisponibilizados os bens imóveis dos acusados. A quadrilha era composta por 75 empresas que atuavam no mercado de comercialização de cereais e que já atuava há pelo menos cinco anos. A ação ocorria na região do Triângulo Mineiro, com ramificações em Tocantins, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Distrito Federal e São Paulo. A operação ainda teve apoio da superintendência do Banco Central do Brasil, em Belo Horizonte. Segundo o Ministério Público estadual, além do prejuízo com a sonegação, os envolvidos já estão inscritos em dívida ativa ou já foram autuados outros R$347 milhões. As investigações tiveram início há mais de dois anos e o Ministério Público estadual já denunciou 58 pessoas. A Operação Celeiro envolveu mais de 250 agentes do poder público, entre promotores de Justiça, auditores da Receita estadual, policiais militares e oficiais de Justiça. Estão cumprindo 25 mandados de busca e apreensão e 18 de prisão preventiva. A base das operações da quadrilha era a região do Triângulo Mineiro, e tinha participação de empresas comerciais atacadistas, corretoras e armazéns localizados nas cidades de Uberlândia, Uberaba, Ituiutaba, Araguari, Patrocínio, Patos de Minas, Nova Ponte, Santa Juliana, Araxá e Perdizes, principalmente. O golpe consistia em comprar soja, milho e sorgo de produtores rurais de Minas Gerais e revender essas mercadoria a indústrias de Minas Gerais e de São Paulo. Para não pagar os tributos, as empresas atacadistas simulavam comprar esses mesmos produtos de empresas de fachada inscritas nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Tocantins, São Paulo e até no Distrito Federal, através de notas fiscais e créditos de ICMS frios. Com a sonegação dos impostos, ganhavam também granjas, indústrias de óleo de soja, fábricas de ração e outras indústrias de produtos alimentícios: no momento de pagar os impostos, abatiam os créditos recebidos das empresas da quadrilha. Os produtores rurais, as indústrias e as granjas que se beneficiavam com a sonegação serão chamados para prestar conta dos impostos sonegados. http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u355883.shtml

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Transposição do São Francisco. Sem boa causa não há mártir

Artigo do Ministro Geddel Vieira Lima: Sem boa causa não há mártir 
Ministério da Integração Nacional - Rio São Francisco



Sem boa causa não há mártir

Greve de fome como método de pressão política só fez sentido na História em lutas libertárias contra injustiças extremas. Foi assim que as mulheres inglesas conquistaram direito ao voto, que Mahatma Gandhi encerrou a longa opressão do colonialismo britânico na Índia e que, muitas vezes, presos políticos ou comuns conseguem denunciar regimes de maus tratos e torturas. Na forma, a greve de fome do Bispo de Barra, Dom Luís Flávio Cappio, se aproxima da estética dos mártires. No conteúdo, não. Dom Cappio diz protestar contra a transposição e a favor da revitalização do rio São Francisco, o que justificaria seu gesto radical. Mas é um erro banalizar esse instrumento sagrado de luta porque, antes de mais nada, ele exige uma causa nobre ou uma iniqüidade de enormes proporções. E isso é tudo o que não é o projeto do governo para o São Francisco. Dom Cappio faz do marketing do martírio seu único argumento, numa alegoria da sua incomunicabilidade com o governo. Produz com isso talvez uma imagem forte, mas um debate certamente fraco. Um fato precisa ser colocado com toda a moderação, mas com toda honestidade intelectual: atitudes assim embutem o vício de pensar que uma democracia pode se dobrar a uma vontade individual. Mas, em democracia, desrespeitar os ritos e os processos é pecado capital. Se esse gesto traz algum benefício, pode ser o de lançar luz sobre dois temas vitais para o Brasil: a convivência com a seca e o cuidado ambiental com o São Francisco. São questões que demandam mais apetite para o diálogo do que jejum. O Bispo de Barra diz estar convencido de que a transposição vai prejudicar o rio São Francisco. As razões técnicas, todavia, derrubam esse discurso. O Projeto de Interligação retira do rio 26 metros cúbicos de água por segundo depois da barragem de Sobradinho. Ou seja, apenas 1,4% da vazão que vai ser perder no mar. É uma fração de água tão pequena que os aparelhos medidores mais modernos são incapazes de detectar. Dom Cappio também alega que existem alternativas mais baratas do que a transposição - como açudes, cisternas, poços. E cita como suposto fundamento para esta tese o Atlas do Nordeste produzido pela ANA (Agência Nacional de Águas) com a participação do Ministério da Integração. Por estas considerações, a greve de fome novamente perde sentido. Quem lê o Atlas do Nordeste vê que não se trata de uma alternativa à transposição, mas de um complemento, que recomenda construir adutoras para cidades com mais de cinco mil habitantes. Enquanto a água do São Francisco será aduzida para as cidades, em sintonia com o Atlas, outras medidas deste documento também serão aplicadas para abastecer populações rurais difusas. Não é difícil entender quanto ineficaz e perdulário seria construir novos açudes onde os existentes estão secando e até salinizando. É o caso de Cabaceiras, onde o açude Epitácio Pessoa precisa da torneira da transposição durante a seca. Nesta cidade da Paraíba, as pessoas consomem metade do volume de água que a ONU considera mínimo para a sobrevivência e não há de onde tirar mais água. Armazenar a chuva, quando ela vem, seria insuficiente. Instalar mais açudes, sujeitos a secar, seria imprudência. Já a idéia de que a obra vai beneficiar os ricos é uma acusação injusta do religioso. A água da Interligação vai atender as cidades do semi-árido, onde os indicadores de pobreza são notórios. Os fatos não deixam dúvidas de que a tentativa de Dom Cappio de atentar contra a própria vida choca com a necessidade de sobrevivência de 12 milhões de pernambucanos, paraibanos, potiguás e cearenses. O rio São Francisco concentra 80% de toda a água existente no semi-árido. É preciso distribuí-la para onde as pessoas estão passando fome e sede. A transposição é uma obra emancipacionista e de combate à "indústria-da-seca", porque reduz o assistencialismo e garante mais oportunidades de bem-estar e crescimento aos mais pobres. Vendo o gesto de Dom Cappio por uma perspectiva histórica, sua greve é como uma dádiva para os coronéis dos grotões que ainda sonham em se aferrar ao atraso. O bispo acrescenta que a greve de fome é pela revitalização. Mais uma disparate. As ações de revitalização já são realidade. Lá mesmo na sua diocese, em Barra, a mata ciliar está sendo replantada nos pontos degradados das margens. Barra é a sede do campo de provas, onde os melhores engenheiros do país usam biotecnologia para fazer contenção de barrancas. Além disso, Barra e outros 170 municípios da bacia do São Francisco estão sendo beneficiados com saneamento básico e ambiental, obra de despoluição das água pelo tratamento dos dejetos urbanos que hoje são jogados diretamente no rio. Se todas essas razões não convencem Dom Cappio de que é melhor viver por um São Francisco melhor do que morrer para deixá-lo como está, só nos resta fazer o que já estamos fazendo: disponibilizarmos ambulância para assegurar todo o cuidado médico que seu ato fundamentalista cada vez mais vai exigir. No mais, eu, que sou cristão, tenho rezado diariamente para que Deus lhe devolva o equilíbrio e a lucidez. Os problemas do semi-árido pedem urgência. O entendimento, a solidariedade, o dever de justiça são as ferramentas que ajudarão o governo a levar água necessária a uma existência digna no semi-árido. Em sua passagem pelo Brasil, o Santo Padre nos deixou uma mensagem de grande sabedoria, muito útil nestas horas. Disse o Papa Bento XVI, em um de seus pronunciamentos: "Se a Igreja começasse a se transformar diretamente em sujeito político, não faria mais pelos pobres e pela justiça, mas, pelo contrário, faria menos, porque perderia sua independência e sua autoridade moral, se identificando com uma única via política e com posições parciais questionáveis". Do ponto de vista moral, o projeto de transposição e revitalização do São Francisco é um avanço contra o coronelismo retrógrado. Do ponto de vista técnico, possui sólidos argumentos. Do ponto de vista democrático, não pode ser atropelado por uma imagem, por mais comovente que ela seja. Sinceramente, torço para que estas palavras possam tocar o coração de Dom Cappio. Geddel Vieira Lima - Ministro da Integração Nacional

Como manipular uma notícia


Manchete do UOL na manhã desta segunda-feira:

Vendas no varejo do país têm primeira queda do ano

O que diz o lide da reportagem:

As vendas do comércio varejista brasileiro declinaram 0,2% em outubro ante setembro, registrando a primeira taxa negativa do ano, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta segunda-feira. Na comparação com outubro do ano passado, as vendas no varejo brasileiro avançaram 9,6%.

A chamada do UOL para a tal "primeira queda do ano" é uma bobagem, uma vez que outubro foi um mês com praticamente três feriados e muito menos dias úteis do que setembro. Tanto a tal queda é uma curva fora do ponto que a comparação com outubro do ano anterior as vendas no varejo avançaram quase 10%. Em geral, para se medir o que ocorre na economia, a comparação usada é a com o ano anterior. Mas se a idéia é deixar o governo mal na fita, como dizem os jovens, aí o melhor é sempre pegar o número que se encaixe melhor à tese que se quer provar. Jornalismo marrom é isto aí...

sábado, 15 de dezembro de 2007

Canibalismo Tucano

A imprensa dessa vez cuidou do seu próprio bolso

 


Por mais mais que a imprensa "interprete" o contrário, Lula já ficou bem na foto quando foi lida sua carta no Senado propondo a CPMF integral para a saúde e os demo-tucanos recusaram. Os demo-tucanos mostraram sua verdadeira face de demolidores da nação brasileira, seja quando estavam no governo, seja agora que estão na oposição. O fim da CPMF não dará voto a ninguém nem em 2008, nem em 2010. Mas tirará votos dos demo-tucanos. Aumento do salário mínimo, o trabalhador e aposentado sente no bolso. Isso dá voto. Não adianta o PIG ficar falando que a CPMF custava "em média" quase R$ 200,00 para cada brasileiro, porque não vai aparecer R$ 200 no bolso da maioria dos trabalhadores. Então isso não dá voto e desmoraliza a imprensa. Quem ganha R$ 2.000 por mês descontava R$ 7,80 de CPMF, menos do que um daqueles pacotes de tarifas bancárias mais baratinhos, e nisso os demo-tucanos nem tocam no assunto. Mas vai sobrar muito mais do que R$ 200,00 na conta dos milionários. Também não adianta falar que o trabalhador pagava a CPMF embutida nos preços porque os empresários não vão abaixar nem 1 centavo nos preços com a economia aquecida do jeito que está. Porém toda vez que algum paranaense precisar de um pronto socorro lembrará do cinismo do Álvaro Dias. O amazonense lembrará do histerismo do Arthur Virgílio. O baiano, do insosso ACM Jr. O Piauiense, do debochado Mão Santa e do sorridente Heráclito. O potiguar lembrará do ar de "danem-se" do José Agripino. O cerarense, da covardia do Tasso Jereissati que disse ser a favor e votou contra. O pernambucano lembrará do inútil Jarbas Vasconcellos, que para nada serve no Senado a não ser envolver-se em lobbie de fazendeiros envolvidos com trabalho escravo. O mineiro, bem... o mineiro é um caso a parte. Pensar que o Eduardo Azeredo, que usou dinheiro de estatais mineiras para fazer o seu MENSALÃO TUCANO, continua votando no Senado para poder de decidir acabar com a CPMF... Os demos já morreram e estão tentando ressuscitar como nanicos, conformando-se com a parcela do eleitorado da extrema direita, mas os tucanos que já saíram menor no segundo turno de 2006 do que no primeiro turno, agora complicaram sua vida e devem encolher mais nas eleições para prefeitos em 2008. E detonaram as candidaturas de Serra e Aécio em 2010. A cara do PSDB está mais para os sem votos: os líder Arthur Vírgilio, o presidente do partido Sérgio Guerra, ambos contra a CPMF e o Farol de Alexandria, do que os que tinham votos: Serra e Aécio, que foram rebaixados a lideranças menores no partido, sem controle sobre suas bancadas. Pensando bem, dessa vez a imprensa fez os tucanos de bobos. Os tucanos acharam que a imprensa estava lhes dando o costumeiro apoio. Não estava. A imprensa estava cuidando do próprio bolso, e de aliviarem-se do encalço da Receita Federal. No resultado político e eleitoral, quem saiu perdendo foram os tucanos.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

A caravana do progresso, comandada por Lula, segue!

 

A CPMF e os dados novos da economia

"No dia em que o jornalão dos jornalões, "O Globo", declarou em manchete ter o governo Lula sofrido "a sua maior derrota", algumas das outras chamadas de sua primeira página (e da de vários jornais) foram sugestivas: 1. a economia brasileira cresceu 5,7% no terceiro trimestre (em relação ao mesmo período de 2006) e superou as projeções dos analistas; 2. bancos e consultorias já prevêem crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) entre 5,1% e 5,5% para 2007; 3. o governo Lula teve sua avaliação mais positiva do ano na pesquisa CNI/Ibope, com 51% de aprovação; 4. 88% das pessoas ouvidas na pesquisa estão convencidas de que 2008 será um ano "bom" ou "muito bom". Os jornalões, revistonas e TVs já passaram quase três anos dedicados à campanha para depor Lula, parte desse tempo também tentando eleger, com mau jornalismo, um picolé de xuxu para substituí-lo. Não serão os donos da mídia os maiores derrotados? A eleição provou que, ignorados pelo povo, eles não mais refletem a opinião pública; a votação do Senado mostrou que têm influência, mas apenas junto aos políticos que consideram corruptos.” Argemiro Ferreira, Tribuna da Imprensa

Juntos nunca chegaremos lá!

PSDB-DEMentes, os exterminadores do passado, presente e futuro!

DEM,PSDB e Cia. Derrotam o Povão 13/12/2007
Por Guina Ontem, (12/12/07) , aconteceram dois fatos importantes relacionados a política brasileira e que também possui relação entre si. O primeiro foi a divulgação de uma pesquisa CNI/IBOPE, onde a mesma comprova o aumento da popularidade do Presidente Lula para 65% de aprovação. O segundo, a vergonhosa e criminosa ação dos Senadores do DEM, PSDB e outros irresponsáveis em impedir a prorrogação da CPMF, onde os abutres oposicionistas, num ato covarde, com intuito de desgastar o Governo, prejudicaram a população carente do país. São moleques irresponsáveis, que só pensam na eleição presidencial em 2010 e não estão nem aí para os milhares de brasileiros que vão sofrer as consequências da redução dos investimentos na saúde e nos programas sociais. E pensar que isto é só o começo, pois visto que fazem de tudo para prejudicar a imagem do Presidente Lula e não surtindo efeito, certamente não se cansarão de tentar impedir que se melhore ainda mais a vida do povão. Eles querem mesmo é voltar ao poder a todo custo, não se importando com o povo, tramam e maquinam o mal a todo tempo, fazendo uso político de qualquer situação relacionada ao Governo popular de Lula. São hipócritas, demagogos, invejosos e sedentos de poder e sabem que Lula é o fiel da balança para decidir a eleição presdidencial em 2010.Por isso agem covardemente para tentar enfraquecê-lo de alguma forma. Não conseguirão, pois o povo está com Lula e saberá em breve dar a resposta a esta gentalha.

O Terceiro Mandato

O TERCEIRO MANDATO
Em 2002 o povo brasileiro, sabiamente, nas urnas, no voto, escorraçou FHC e o PSDB do poder. FHC foi um dos piores presidentes do Brasil e não conseguiu fazer seu sucessor, o eterno candidato Serra. Em 2006 o povo brasileiro sabiamente reelegeu o presidente Lula, nas urnas, no voto, com outra votação histórica. Desta vez nem permitiram que FHC, o pior presidente do Brasil, aparecesse ao lado de seu candidato do PSDB, Alckmin. FHC não se conforma, não aceita ficar com o titulo de pior presidente do Brasil, justo ele, um sociólogo da Sorbonne. E menos ainda se conforma, e não consegue aceitar que um migrante nordestino, ex-metalúrgico, sindicalista, seja reconhecido pelo povo brasileiro, e mundialmente, como o melhor presidente que o Brasil já teve. O PSDB de FHC, juntamente com seu rabo, o DEM, estão há anos – anos do governo Lula – dedicando todo seu tempo a tentar derrubar o presidente Lula. Tentaram de tudo, criaram factóides, inventaram mentiras, divulgaram achismos, calúnias, invencionices. Criaram três CPIs, investigaram o governo do presidente Lula até virá-lo do avesso. Como não encontram nada, absolutamente nada, se desesperam e usaram a OAB, braço jurídico do PSDB – com respaldo da mídia safada e golpista – para pedir o impeachment do presidente Lula. O povo brasileiro reagiu, mostrou que não iria aceitar o golpe que eles planejavam. Em 2006 o povo reelegeu Lula e derrotou a mídia golpista e o PSDB/DEM/OAB, conjurando o mal que esses políticos arquitetavam. Pois o povo não esqueceu a desgraça que foi o governo de FHC. O que fez FHC diante disso? Como não pode atingir o presidente Lula diretamente, resolveu magoá-lo prejudicando o povo. Resolveu atacar a saúde do povo, pois decidiu que o único caminho para que o PSDB retorne ao poder, em 2010, é o da disseminação de doenças e desgraças entre o povo ainda no governo Lula. E a forma para conseguir isso seria retirar os recursos destinados a garantir saúde melhor para o povo. A CPMF é um imposto justo: paga mais quem ganha mais, paga menos quem ganha menos, e quem não ganha não paga. Além de evitar a sonegação de outros tributos, arrecada o dinheiro usado para melhorar a saúde pública, manter os hospitais públicos, combater a fome e a miséria de milhões de brasileiros. Apesar dos apelos até de governadores do PSDB, potenciais candidatos a sucessão do presidente Lula em 2010, pela manutenção da CPMF, o senador Arthur Virgilio, mancebo de FHC no Senado, manteve-se fiel à orientação de prejudicar a saúde do povo pobre. Os senadores da oposição são marionetes de FHC. Prejudicam a população de propósito, para eles quanto pior melhor. Não lhes importa se os governadores vão ficar sem recursos para a Saúde:eles que coloquem a culpa no presidente Lula, e o povo que se dane. Pensam em voltar ao poder em 2010 fazendo o que sabem fazer melhor: prejudicando o país, arruinando a economia, fazendo o povo sofrer. Essa atitude tresloucada me faz pensar: será que FHC está pensando em um terceiro mandato? Jussara Seixas

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Oposição atinge o povo brasileiro ao retirar R$ 40 bi da saúde e de programas sociais  
O presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Ricardo Berzoini, criticou nesta quinta-feira (13) a falta de bom senso dos partidos de oposição do governo Lula (PSDB e DEM), que decidiram tirar R$ 40 bilhões da saúde, da Previdência e da assistência social ao não aprovarem a prorrogação da CPMF no Senado. 

“Saem prejudicados os mais pobres, que não terão essa fonte de recursos para sustentar as políticas públicas. Sai prejudicado todo o país, pois parcela desses gastos deverá ser remanejada de outros tributos que poderiam acelerar os projetos de infra-estrutura e garantir a solidez fiscal necessária à queda dos juros e à obtenção do reconhecimento de ‘grau de investimento’ fundamentais para nosso desenvolvimento”, afirmou Berzoini, em artigo publicado no Portal do PT. 

Leia a íntegra abaixo: 

A oposição ao povo brasileiro
Por Ricardo Berzoini 

A votação da CPMF no Senado Federal, na qual a minoria impediu a maioria de alcançar o quorum de emenda constitucional, expôs a visão de curto prazo da oposição. 
No mesmo dia em que foi divulgado o crescimento firme do PIB brasileiro, cujos dados revelam a sustentabilidade deste novo ciclo de desenvolvimento, senadores decidiram não prorrogar um tributo essencial para a Saúde, a Previdência e a Assistência Social. Saem prejudicados os mais pobres, que não terão essa fonte de recursos para sustentar as políticas públicas. Sai prejudicado todo o país, pois parcela desses gastos deverá ser remanejada de outros tributos que poderiam acelerar os projetos de infra-estrutura e garantir a solidez fiscal necessária à queda dos juros e à obtenção do reconhecimento de "grau de investimento" fundamentais para nosso desenvolvimento. Não por acaso, os representantes do povo, os deputados federais, conforme define o artigo 45 da Constituição Federal, aprovaram a prorrogação da CPMF. Os que rejeitaram a CPMF, por não dar os 3/5 dos votos, foram os que a Carta Magna define como representantes dos Estados (Art. 46 da CF). 
Curiosamente, na essência, votaram contra a CPMF os mesmos que apoiaram o governo que deteriorou todos os indicadores econômicos e sociais do Brasil, o governo FHC. É revelador que um dos principais articuladores da oposição tenha sido justamente o ex-presidente que privatizou a Vale, os bancos estaduais, as empresas de energia, que quase duplicou o desemprego no Brasil e nunca usou a CPMF de maneira correta. 
No entanto, há uma coerência a ser destacada: os neoliberais não acreditam em saúde pública ou previdência pública. Sonham com sua privatização. O ressentimento venceu o bom senso, ignorando até mesmo os argumentos de governadores tucanos, no dia em que a pesquisa Ibope demonstra que Lula, em seu segundo mandato continua com a força do povo.
O PT defende a regulamentação da PEC 29 que amplia os recursos da Saúde. Também defende a ampliação dos gastos sociais para combater a miséria e reduzir a desigualdade no país. Devemos, porém, debater intensamente esses temas com a sociedade. Apesar das conseqüências nefastas dessa decisão do Senado para o povo brasileiro, precisamos dar prosseguimento às políticas que viabilizam o crescimento econômico com redução da desigualdade e, para isso, o PT tem de estar mobilizado e demonstrar sua capacidade de formulação
Ricardo Berzoini é presidente Nacional do PT 
 

Si hay Lula soy contra!

Sabe qual é sensação que fica?
Em primeiro lugar o consórcio Tucano-DEMoníaco não governa com poucos recursos; eles são pole position quando o assunto é inventar tributos.
Em segundo, por que eles iriam abrir mão de uma contribuição vital para uma administração tendo em mente, que por questões históricas, existe na cultura brasileira a necessidade da alternancia de poder e infelizmente, eles poderão retornar um dia, e nessa perspectiva, eu insisto em perguntar: Por que abrir mão de um tributo que em muitos Estados chega a ser superior ao que o próprio arrecada? Será que eles tem capacidade de administrar com parcos recursos? Ou eles acham que a qualquer momento podem inventar tributos a exemplo da criação da CPMF?
OU AINDA: (e essa é a minha teoria) O consórcio PSDB-DEMoníaco está se esfacelando, ou nas urnas ou na Justiça. A força de Presidente Lula é muito grande em se tratando de influir na escolha do seu sucessor. Sendo assim, o consórcio PSDB-DEMoníaco pode está jogando a toalha mesmo antes do embate começar e já reconhecer que é difícil derrotar um nome apoiado pelo Presidente Lula, daí apostar no quanto pior, melhor.
Vão se dar mal, como da primeira vez, quando Lula pegou o País quebrado, além de dólar, risco país e desemprego nas alturas.
Por isso, apesar do quadro ser um pouco desfavorável, e como Lula já demonstrou ser um grande administrador, tenho convicção que ele mostrará no curto espaço de tempo uma alternativa capaz de evitar que o Brasil caia no fundo do poço.
Helio de Almeida Oliveira.

Quando se ganha e não leva.

13/12/2007
E o País? 

Lista dos 34 Senadores que votaram contra o País para impingir uma “derrota” política ao Governo. Um ato de puro revanchismo. Um verdadeiro atentado a Nação. Politizou-se de forma medíocre um tema seriíssimo para o País: SAÚDE. “Vitória da oposição e derrota do Governo”. Este é o nível político e moral do PSDB & DEM! Estes Senadores ignoraram a proposta do Governo de aplicar unicamente na SAÚDE o dinheiro da CPMF. Estes Senadores ignoraram a proposta do Governo onde prevê a renovação da CPMF por apenas um ano com contrapartida de aumentar os recursos do PAC para a SAÚDE. As urnas em 2008 e 2010 mostraram ao PSDB/DEM o descontentamento popular para com aqueles que ignoram o povo. 




PSDB
Álvaro Dias (PSDB-PR) /// Arthur Virgílio (PSDB-AM) 





Cícero Lucena (PSDB-PB) /// Eduardo Azeredo (PSDB-MG) 


Flexa Ribeiro (PSDB-PA) /// João Tenório (PSDB-AL) 


Lúcia Vânia (PSDB-GO) /// Marconi Perillo (PSDB-GO) 


Mário Couto (PSDB-PA) /// Marisa Serrano (PSDB-MS) 


Papaléo Paes (PSDB-AP) /// Sérgio Guerra (PSDB-PE) 


Tasso Jereissati (PSDB-CE) 





DEM
Adelmir Santana (DEM-DF) /// Antonio Carlos Júnior (DEM-BA)


Demóstenes Torres (DEM-GO) /// Efraim Morais (DEM-PB) 


Eliseu Resende (DEM-MG) /// Heráclito Fortes (DEM-PI) 


Jayme Campos (DEM-MT) /// Jonas Pinheiro (DEM- MT) 


José Agripino (DEM-RN) /// Kátia Abreu (DEM- TO)






Marco Maciel (DEM-PE) /// Maria do Carmo Alves (DEM-SE) 


Raimundo Colombo (DEM-SC) /// Rosalba Ciarlini (DEM-RN) 



PMDB
Geraldo Mesquita Júnior (PMDB-AC) /// Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE)


Mão Santa (PMDB-PI) /// 



PR
César Borges (PR-BA) /// Expedito Júnior (PR-RO) 



PSOL
José Nery (PSOL-PA)


PTB
Romeu Tuma (PTB-SP) 



Em tempo: O PSDB sai estraçalhado eleitoralmente deste lamentável episodio. Não precisa conferir 



ABUTRES E BRUXA COMEMORAM




PSDB/DEM comemoram a derrota do povo no senado. Eles não têm respeito pela maioria do povo brasileiro, que depende dos hospitais públicos, que depende dos programas sociais do governo Lula para deixarem de ser excluídos da cidadania. Esses senadores tinham plena consciência de que iriam prejudicar muito a maioria do povo ao acabar com a CPMF. Não se importaram. Só importava contrariar o governo. Não ganharam nas urnas, no voto, agora se vingam do povo. O mais excitado era Arthur Virgilio 5%, a abominação do Amazonas. Vingou-se dos amazonenses que não o elegeram governador em 2006. César Borges e Romeu Tuma se acorvadaram com as ameaças do DEM. Trocaram de partido, mas a mentalidade raivosa e virulenta falou mais alto. Geraldo Mesquita é aquele ex-PSOL, agora PMDB (AC), acusado de embolsar 40% do salário de funcionários de seu gabinete. Uma reportagem do Jornal do Brasil mostra a gravação de conversas de dois assessores de Mesquita que confirmam o confisco no pagamento. Um deles recebia R$ 1 mil e recolhia R$ 410 ao senador. Esse sujeitinho jamais votaria a favor do povo. Os coronéis do Nordeste, Tasso Jereissati, Agripino Maia, Mão Santa, Heráclito Fortes, Jarbas Vasconcelos, Mario Couto, odeiam pobres. O título Bruxa Asquerosa fica com a senadora Kátia Abreu, do DEM (TO), feroz defensora de fazendeiros que mantêm trabalhadores em regime de escravidão. Com esse grupelho nefasto infestando o Senado, não poderia ser diferente.

Jussara Seixas

Para bom entendedor...

O consórcio PSDB-DEMoníacos relatou que a CPMF é um imposto perverso que prejudica os pobres. Perai: quem criou a CPMF, prorrogou 4 vezes, começou em 0,11%, aumentou para 0,38%, e derrubou o ministro que a criou? PSDB-DEMoníacos.
Precisa dizer mais alguma coisa?

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Ruim para o PSDB-DEM, bom para a população.

Desespero no Ninho Tucano-DEMoníaco. 82% Apoiam Lula

Avaliação positiva do governo sobe 3 pontos percentuais,
para 51%, diz CNI/Ibope
Valor Online
A avaliação positiva do governo federal subiu em dezembro. A parcela dos entrevistados na pesquisa CNI/Ibope que avaliam o governo como ótimo ou bom ficou em 51% ante os 48% registrados em setembro, quando o último levantamento foi realizado. Foi o patamar mais elevado do ano, mas ficou abaixo daquele verificado em dezembro de 2006 (57%).
A avaliação negativa, ou seja, a fatia que acha o governo ruim ou péssimo, cedeu 1 ponto percentual, indo de 18% em setembro para 17% em dezembro. Com isso, a diferença entre a avaliação positiva e a negativa passou a ser de 34 pontos ante os 30 pontos verificados no levantamento anterior.
O índice dos que consideraram a gestão regular apresentou leve alteração na comparação com o estudo antecedente, indo de 32% para 31%.
De acordo com a CNI, a avaliação positiva da administração Luiz Inácio Lula da Silva cresceu na maioria dos segmentos, permanecendo no mesmo patamar anterior apenas em três faixas - no grupo feminino, na faixa de escolaridade de 5ª a 8ª série e nos municípios com mais de 100 mil habitantes.
A pesquisa foi realizada entre os dias 30 de novembro e 5 de dezembro, com 2.002 entrevistas em 141 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

No dia internacional contra a corrupção, o TRE cassa Cássio mais uma vez

No dia internacional contra a corrupção, o TRE cassa Cássio PSDB e o seu vice DEM mais uma vez.
Não funcionaram os meios de pressão do governador Cássio Cunha Lima sobre o persidente do TRE, Jorge Ribeiro da Nóbrega. Seguindo a linha de coerência com o seu passado, o juiz, que tinha o voto de minerva, estabeleceu o placar de 4x3 decidindo pela cassação de Cássio.
Com o voto de desempate proferido pelo desembargador-presidente Jorge Ribeiro da Nóbrega, por 4 a 3 o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) decidiu na tarde desta segunda-feira (10), pela segunda vez, julgar procedente representação do Ministério Público Eleitoral (MPE) para cassar o diploma do governador Cássio Cunha Lima (PSDB).
A decisão, referente ao processo do Caso A União, penaliza também o vice-governador José Lacerda Neto (Dem) com a cassação do diploma. Acrescenta multa de R$ 100 mil para o governador e o segundo representado, o superintendente de A União, Itamar Cândido, bem como declara a inelegibilidade dos dois por 3 anos.
No seu voto, o desembargador acolheu as razões do Ministério Público Eleitoral para a cassação do mandato do governador, nos termos da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) nº 251, ajuizada em 30 de setembro de 2006 contra Cássio e o superintendente do jornal A União, Itamar Cândido.
Jorge Ribeiro da Nóbrega argumentou que tanto a Constituição Federal como a Lei que regula as eleições amarram a publicidade institucional ao princípio da impessoalidade, que deve reger os atos da administração pública, em especial durante o processo eleitoral. Mas, ao contrário do que mandam a Constituição e a legislação infra-constitucional, ressaltou, o que se viu foram sucessivas edições de A União, de janeiro a julho de 2006, exaltando a figura de Cássio Cunha Lima.
Concluiu, em razão dos fatos e das provas carreadas para os autos, que o jornal foi inequivocamente utilizado para promover o governador em pleno ano eleitoral. Isso, vindo de um jornal sustentado por recursos públicos, é gravíssimo, no entendimento do desembargador. Além daquelas edições, o presidente do TRE lembrou que A União publicou edições extras entre o primeiro e segundo turno da eleição de 2006 para favorecer o governador, inclusive uma anunciando na capa: "Cássio sai na frente".
Referiu-se ainda à edição extra no dia da eleição em segundo turno, quando o jornal do Estado publicou pesquisa de intenção de votos amplamente favorável ao governador, edição largamente distribuída feito panfleto ou santinho de campanha nas seções eleitorais.
Segundo o desembargador, ficaram caracterizados o abuso do poder e a conduta vedada por parte do representado e, citando o jurista Celso Bandeira de Mello, lembrou que os agentes administrativos não são donos da coisa pública, mas gestores dos interesses da sociedade.
Na abertura da sessão, o corregedor regional eleitoral e relator do processo, juiz Carlos Eduardo Lisboa, pediu para complementar o voto e lembrou que se no caso da Fundação de Ação Comunitária (Fac) o TRE reconheceu a potencialidade da conduta do governador para desequilibrar as condições de disputa na eleição, não deveria ser diferente quanto à distribuição do jornal A União no ano eleitoral.
“A eleição é uma só”, afirmou Carlos Eduardo. Nessa linha, argumentou, somando-se os fatos apurados no processo da Fac (Aije nº 215) àqueles encontrados na Aije sobre A União, aumenta exponencialmente a potencialidade lesiva da conduta investigada para desequilibrar a concorrência pelo cargo de governador em favor de Cássio.
Rubens Nóbrega www.jampanews.com