sábado, 22 de dezembro de 2007

No Natal dos catadores, Lula promete manter investimento social

No Natal dos catadores, Lula promete manter investimento social 


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva garantiu que o fim da CPMF não trará "um centavo de corte na política social do governo e do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento)". Lula falava a imprensa neste sábado (22), ao participar, pela quinta vez em seu governo, da cerimônia de Natal dos moradores de rua e catadores de materiais recicláveis de São Paulo, coordenada pelo padre Júlio Lancellotti.

Lula abraça o amigo padre Júlio Lancellotti "Vamos ver o que vai ser criado de novo para compatibilizar os R$ 40 bilhões que vão faltar no orçamento. Não vamos dizer o que vai haver porque só discutiremos em janeiro", disse o presidente, cercado pelos jornalistas após o evento. “Isso vai se dar com conversa, com política de convencimento", agregou. "Obviamente vamos fazer ajustes no orçamento, e dentro do ajuste vamos fazer contenção de despesas, mas essa decisão não tem que ser tomada rapidamente. Precisamos sentar e conversar. Estou tranqüilo que nós vamos encontrar uma solução. Vamos decidir a partir de janeiro”, disse Lula. "Não fui eu que criei a CPMF. A sociedade, sobretudo a parte mais pobre da população, é que precisava da CPMF. As pessoas que votaram (os senadores) sabiam disso", afirmou ainda o presidente. Prédios públicos aos sem-teto A cerimônia ocorreu pelo segundo ano na Casa da Oração do Povo da Rua, organizada pelos Movimentos dos Catadores de Materiais Recicláveis e da População de Rua, pela Organização de Auxílio Fraterno e pela Rede Rua. O lugar, mantido pela Pastoral do Povo da Rua na região central de São Paulo, já foi visitado pelo presidente em 2004. Lula falou de improviso, por pouco menos de meia hora, elogiando a organização dos catadores em cooperativa. “Eu nunca fui catador de papel, mas já catei muita coisa pra vender na rua. Não tinha pedaço de ferro, pedaço de cobre, ou bacia de alumínio que eu não catasse para vender. Era um jeito de eu conseguir um dinheirinho para o cinema”, recordou, sob aplausos e risos. Lula anunciou que o governo pretende retomar o programa que destina prédios públicos da União às pessoas de baixa renda. A Medida Provisória (MP) editada anteriormente para a finalidade foi reprovada pelo Congresso, mas Lula prometeu reromar a iniciativa no início de 2008. "Não tem sentido o governo ter prédios no centro de São Paulo e não dar para as pessoas morarem", afirmou o presidente. Elogio ao padre Júlio O discurso incluiu também um elogio ao padre Lancellotti, coordenador das atividades da Casa de Oração do Povo da Rua. "A nossa amizade foi construída ao longo de muitos anos de trabalho e solidariedade. Ele é um dos grandes companheiros que eu consegui acumular ao longo dos meus 62 anos de vida", afirmou Lula. O padre, perguntado sobre por que o presidente freqüenta o Natal dos catadores, contestou que é "porque é amigo deles e comprometido com os pobres". Neste ano, Júlio Lancellotti foi vítima de um caso de extorsão. Em agosto, o padre denunciou à polícia que estava sendo extorquido com falsas acusações de corrupção de menores e ameaçado de agressão, caso não entregasse o valor exigido pelos criminosos. A Polícia Civil de São Paulo concluiu que o padre foi vítima de extorsão e indiciou quatro pessoas acusadas pelo crime. Da redação, com agências

Nenhum comentário: