Ser covarde, é...

Ser covarde, é...

quarta-feira, 30 de abril de 2008

'Como o presidente sempre diz, 'nunca antes neste País...'

 

Os Amigos do Presidente Lula

Pela primeira vez o Brasil recebe o "investment grade" de uma grande agência de classificação. Com a decisão da Standard & Poor's, o país poderá receber recursos de grandes fundos internacionais que só têm autorização para investir em mercados que já conquistaram a chancela de bom pagador...Emprego, renda, consumo, entre outros, vêm batendo recordes consecutivos e explicam popularidade de Lula . A oposição está quieta, e o povo diz:"Quermos Lula de novo"

 
O governo Lula atingiu nos três primeiros meses de 2008 a melhor avaliação positiva desde o início do primeiro mandato, em 2003. O motivo, segundo analistas, seria a seqüência de indicadores socioeconômicos positivos divulgados nos últimos meses. De fato, índices como emprego, renda, consumo, entre outros, vêm batendo recordes consecutivos, numa série de "nunca antes na história desse País" que não parece ter data para terminar. Confira alguns desses recordes:

EMPREGO

A economia brasileira abriu 204,9 mil novos empregos com carteira assinada em fevereiro, um resultado 38,5% superior ao saldo de fevereiro de 2007. Segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. O resultado do mês passado é o novo recorde da série histórica, iniciada em 1992, para os meses de fevereiro. No primeiro bimestre do ano, estão acumuladas 347,9 mil novas vagas, um saldo 37% maior que o verificado no mesmo período do ano passado. As melhores marcas de geração de empregos formais, tanto em fevereiro quanto no bimestre, eram de 2006. Com as novas vagas abertas em fevereiro, o estoque de empregos formais da economia cresceu 0,7%, para 29,3 milhões de postos. O Caged é um registro feito pelo Ministério do Trabalho com base nas informações mensais sobre contratações e demissões repassadas por todas as empresas que seguem as regras da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Todos os setores da economia tiveram resultados positivos em fevereiro, com destaque para os serviços, que criaram 74,4 mil vagas. A indústria, que abriu 46,8 mil, ficou em segundo lugar, seguida da construção civil, com 27,5 mil empregos. Entre os serviços, o segmento ligado ao ensino. O reinício do período letivo permitiu a criação de 31,5 mil empregos. São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul apresentaram os melhores desempenhos.

RENDA

Em 2007, 96% das 715 negociações salariais acompanhadas pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) asseguraram, no mínimo, a incorporação das perdas desde a data-base anterior. É o quarto ano consecutivo em que em mais de 70% das negociações analisadas houve reposição segundo a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Entre 2006 e 2007, a inflação média acumulada foi inferior de 3,9%. Das 715 negociações, apenas em 29 não houve reposição da inflação.

COMÉRCIO

Janeiro de 2008 foi o melhor para o comércio varejista em sete anos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As vendas do varejo aumentaram 1,8% ante dezembro e 11,8% ante igual mês do ano passado, a maior variação para o primeiro mês do ano desde o início da série da pesquisa, em 2001. Todas as atividades pesquisadas mostraram crescimento nas vendas ante igual mês de 2007. O maior impacto no resultado total foi dado por hiper e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo. O grupo tem forte peso na pesquisa e teve expansão de 8,4% nessa base de comparação. A segunda principal influência veio de móveis e eletrodomésticos, que prosseguem mostrando fôlego surpreendente, com crescimento de 16%, uma forte aceleração sobre a alta de 12% de dezembro ante igual mês de 2007. Essas duas atividades responderam por 6,7 ponto porcentual, ou 57% do aumento total de 11,8% do varejo.

CONSUMIDOR

Impulsionado pelo bom momento da economia e aumento na intenção de compras para os próximos meses, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) disparou em março, com alta de 3,5% ante fevereiro. Em janeiro, havia caído 0,4%. Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), responsável pelo estudo, a confiança do consumidor em março foi a maior da série histórica, iniciada em setembro de 2005.

ELEVADOR SOCIAL

Pesquisa O Observador Brasil 2008, feita pela financeira francesa Cetelem com o instituto de pesquisas Ipsos Public Affairs, revela que a classe C já é a maioria da população. No ano passado, 46% dos brasileiros pertenciam a essa camada social, ante 36% e 34% em 2006 e 2005, respectivamente. Ela também foi a única que aumentou de tamanho no último ano. De 2006 para 2007, quase 20 milhões de pessoas ingressaram nesse estrato social, um número cinco vezes maior que no período anterior. A classe C reúne hoje 86,2 milhões de brasileiros com renda média familiar de R$ 1.062. A maior parte do contingente que engordou a classe C vem da base da pirâmide populacional, as classes D e E, perto de 12 milhões de pessoas. Outros 4,7 milhões vieram das camadas A/B, que perderam poder aquisitivo. O restante é proveniente do crescimento vegetativo da população. Outro dado positivo da pesquisa foi o aumento da renda disponível das classes C e D/E nos dois últimos anos. Em 2005, faltavam R$ 17 para o consumidor da classe D/E pagar as contas no fim do mês. No ano passado, sobraram R$ 22. Na classe C também houve ganho de renda. Em 2007, sobraram R$ 147, ante uma folga de R$ 122 em 2005. Já para a classe A/B a fôlego diminuiu de R$ 632 em 2005 para R$ 506 em 2007. A renda disponível é a que sobra após os gastos obrigatórios. A enquete mostra que o ritmo acelerado de consumo deve continuar este ano. Celular, computador, itens de decoração e a casa própria tiveram os maiores acréscimos na intenção de compra.

CRÉDITO

A despeito da preocupação do governo, o crédito continua em expansão. Em fevereiro, aumentou 1,1% ante janeiro e atingiu R$ 957,5 bilhões, equivalente a 34,9% do Produto Interno Bruto (PIB), maior marca desde maio de 1995. O Banco Central (BC) estima que chegue a 40% do PIB até o fim do ano.

INADIMPLÊNCIA

Outro motivo para a avaliação positiva é que a inadimplência continua baixa. Em fevereiro, 4,3% dos empréstimos apresentavam atraso superior a 90 dias. O porcentual é ligeiramente menor que o de janeiro, de 4,4%. No caso das pessoas físicas, a taxa de fevereiro manteve-se nos mesmos 7,1% de janeiro e ficou abaixo dos 7,3% de fevereiro de 2007.

DÓLAR BAIXO, BRASILEIROS VIAJAM MAIS

Os brasileiros gastaram como nunca em viagens internacionais nos últimos 12 meses. As despesas com viagens internacionais somaram US$ 8,925 bilhões, enquanto os gastos de estrangeiros no País foram de US$ 5,245 bilhões. Os dados se referem ao período entre março de 2007 e fevereiro de 2008 e são os maiores registrados para um período de 12 meses desde o início da série do Banco Central (BC), em 1947. Nem na época do "populismo cambial", quando o dólar custava menos de R$ 1, a gastança internacional foi tão elevada. Dois fatores impulsionam as viagens ao exterior: o dólar barato e o aumento da renda do brasileiro.

PAÍS AGORA É CREDOR INTERNACIONAL

O Brasil fortaleceu sua condição de credor internacional, mesmo com a piora no quadro econômico internacional. Segundo dados divulgados pelo Banco Central (BC), o volume de reservas cambiais e outros ativos superava o da dívida externa em US$ 18,807 bilhões em fevereiro. Na prática, é como se o Brasil fosse credor do mundo nesse valor. Em janeiro, a posição credora era de US$ 6,983 bilhões. Os números de janeiro e fevereiro são preliminares. Em dezembro de 2007, o último dado fechado, a posição credora líquida estava em US$ 10,846 bilhões.

INDÚSTRIA

O faturamento da indústria de transformação - que reflete as vendas reais - cresceu 10,5% em janeiro ante o mesmo mês de 2007. É a maior taxa de expansão na comparação com o mesmo período mensal do ano anterior desde agosto de 2004. O conjunto dos indicadores industriais de janeiro, divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), também é o melhor para meses de janeiro nos últimos três anos. As montadoras vão investir US$ 4,9 bilhões no Brasil este ano, o maior montante já gasto pelo setor em um único ano. A maior parte será aplicada no aumento da capacidade produtiva, que passará dos atuais 3,5 milhões de veículos para 3,85 milhões. Em 2009, a capacidade anual chegará a 4 milhões de unidades, um acréscimo de 500 mil veículos em dois anos. Juntando empresas de autopeças, o investimento chegará a US$ 20 bilhões até 2010. O triênio anterior que teve maior aporte dos dois segmentos foi de 1996 a 1998, quando foram inauguradas 13 novas fábricas, entre marcas que passaram a produzir localmente e filiais das empresas já instaladas no País. Naquele período, foram investidos US$ 11,7 bilhões. O anúncio da soma dos investimentos e da nova capacidade produtiva ocorre num momento em que o setor registra sucessivos recordes de vendas e há filas de espera de até três meses para alguns automóveis e de nove meses para caminhões.

GILMAR MENDES (PRESIDENTE DO STF) CONTINUA O MESMO

 

Democracia & Política

Antes de tudo, uma pequena lembrança, com a ajuda da “Wikipédia, a enciclopédia livre”.

Gilmar Ferreira Mendes (Diamantino, 30 de dezembro de 1955) é um jurista brasileiro. Foi nomeado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso como Ministro do Supremo Tribunal Federal, com posse em 20 de junho de 2002. Em 2008 tornou-se presidente da Suprema Corte brasileira. 

Segundo a imprensa da época, ele tornou-se famoso por “engavetar”, por arquivar processos que causassem algum desconforto para o governo PSDB/PFL/FHC.

Em janeiro de 2000, foi nomeado por FHC para ser o Advogado-Geral da União. Sua atuação no cargo o credenciou para a indicação, por FHC, a ministro do Supremo Tribunal Federal, em junho de 2002. Foi empossado presidente do STF para o biênio 2008-2010 em 23 de abril de 2008.

Por coincidência, em coerência com a sua fama então divulgada pela imprensa, hoje, apenas cinco dias após a sua assunção como presidente do STF, já são publicados novos “engavetamentos” convenientes ao PSDB/DEM-PFL.

Vejamos o que publicou a Folha de São Paulo de hoje (29):

“PRESIDENTE DO STF ARQUIVA DUAS AÇÕES CONTRA MINISTROS DE FHC”

“O novo presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Gilmar Mendes, arquivou duas ações de improbidade administrativa contra os ex-ministros do governo Fernando Henrique, Pedro Malan (Fazenda), José Serra (Planejamento) e Pedro Parente (Casa Civil).

As ações haviam sido protocoladas pelo Ministério Público Federal na Justiça Federal do DF, que questionava o repasse de cerca de R$ 3 bilhões pelo PROER (Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional) para assistência financeira ao Banco Econômico S.A e ao Banco Bamerindus.

Em uma delas, que já havia sido julgada pela Justiça Federal, os ex-ministros foram condenados a devolver os recursos repassados. Em 2002, recorreram ao STF, alegando que não podiam ser julgados por aquela instância. O caso foi distribuído a Mendes.

A decisão de Mendes foi tomada no último dia 22 de abril, um dia antes de sua posse na presidência do STF. Sua interpretação baseou-se em julgamento do ano passado do tribunal, que decidiu que autoridades públicas, como ministros de Estado e presidente da República, não podem ser alvo de processos por improbidade administrativa. Podem ser processados por crime de responsabilidade ou crime comum.

Na ocasião, o plenário do STF arquivou ação contra o ex-ministro Ronaldo Sardenberg (Ciência e Tecnologia), do governo FHC. Ele fora condenado pela Justiça Federal à suspensão dos direitos políticos por oito anos por uso de avião oficial para viagens de passeio.”

terça-feira, 29 de abril de 2008

A tentação do terceiro mandato


Blog Entrelinhas

O que vai abaixo é o artigo do autor do Blog Entrelinhas para o Correio da Cidadania. Em primeira mão para os leitores do blog.

A pesquisa CNT-Sensus divulgada na segunda-feira apresentou uma única grande novidade: mais da metade dos brasileiros são favoráveis a uma mudança constitucional para permitir ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva a disputa por mais um mandato. Como era de se esperar, a enquete já começou a provocar calafrios na oposição e chiliques nos colunistas conservadores. 

O assunto é interessante e merece ser analisado fora do calor das paixões políticas. Infelizmente, a pergunta do instituto Sensus não foi bem formulada e não há como saber se os entrevistados opinaram em relação a apenas mais uma reeleição, para Lula especificamente, ou se seriam favoráveis ao fim da regra que limita o número de vezes que um político posso concorrer ao mesmo cargo executivo. Este detalhe é importante e deveria ser objeto de análise na próxima enquete. 

A jovem democracia brasileira tem dado sucessivas demonstrações de que está amadurecendo rapidamente. De 1989, quando a população reconquistou o direito de votar para presidente da República, para cá, os avanços são evidentes. É bom lembrar que logo o primeiro presidente eleito pelo voto direto – Fernando Collor de Mello – foi afastado do cargo sem trauma ou sugestões golpistas. Apesar das muitas críticas, a urna eletrônica tem se mostrado um instrumento eficiente para inibir e impedir fraudes mais grosseiras que ocorriam especialmente no interior do país. 

É evidente que ainda há muitas distorções na legislação, especialmente em relação ao financiamento das campanhas, que torna as candidaturas desiguais e permite uma influência nefasta do poder econômico. A tese do financiamento público das campanhas vem ganhando força e pode ser aprovada em breve no Congresso, o que deverá colaborar para a depuração do sistema, embora seja correto reconhecer que a medida não tem força suficiente para acabar de vez com as variadas formas de "caixa 2" e corrupção. 

Outro problema da democracia brasileira é na verdade um paradoxo. Por jovem, a cada eleição novas regras são introduzidas, muitas delas com o objetivo de deputar o sistema eleitoral, outras puramente casuísticas. Alguns exemplos ajudam a entender a questão, que no fundo é complexa: em 1989, era permitido às emissoras de televisão editar livremente os debates entre os candidatos, procedimento hoje impensável. E foi justamente o comportamento desleal e manipulador da TV Globo no debate entre Collor e Lula que provocou nos departamentos jurídicos dos partidos políticos a exigência de regras claras, em geral assinadas por todos os envolvidos, de modo a coibir a manipulação das imagens. 

Outro caso: até a eleição de 1994, o governante em cargo executivo não podia concorrer à reeleição. Como Fernando Henrique Cardoso havia conseguido conciliar as elites em torno do projeto neoliberal, de execução complicada, e gozava de boa popularidade em função da estabilidade da economia no período pré-desvalorização cambial, casuisticamente o Congresso aprovou o instituto da reeleição, que seria permitida para um mandato apenas. Na eleição de 1998, FHC se reelegeu com facilidade, no primeiro turno, e meses depois o sonho da moeda forte e preços baixos foi sepultado pelas sucessivas crises externas.

Ainda mais interessante foi o que ocorreu com a regra da verticalização das alianças eleitorais. Em 2002, supunha-se que este modelo poderia favorecer o então candidato do PSDB, José Serra, e enfraquecer o hoje presidente Lula. O tiro saiu pela culatra e Serra sofreu um desgaste enorme, sendo inclusive acusado de patrocinar um casuísmo, de tentar vencer "no tapetão", como se diz na gíria futebolística. Quatro anos depois, em 2006, nove entre dez analistas apostavam que a regra poderia favorecer a reeleição de Lula. Pois não é que o Supremo Tribunal Federal derrubou e reformou a regra, favorecendo portanto as chances do opositor de Lula, ex-governador Geraldo Alckmin?

Em tese, é desejável que a legislação eleitoral não mude de eleição para eleição, de modo que os partidos políticos possam se preparar adquadamente para os confrontos e os eleitores se acostumem com as regras do jogo. Em alguns casos, porém, não custa ouvir o que o maior interessado em toda essa história – o povão, que elege e paga os impostos que sustentam a nossa democracia – seja consultado. Foi assim no plebiscito para definir o regime de governo do Brasil – venceu a república presidencialista, derrotando os partidários da monarquia e do parlamentarismo. Poderia ser assim também no caso do instituto da reeleição. Por que não permitir aos detentores de cargos executivos que concorram a mais de dois mandatos, como aliás já ocorre no legislativo? Qual o argumento real e racional contra esta possibilidade? Por que não deixar para a sabedoria do povo a escolha de seus governantes? 

Hoje, infelizmente, a questão está mal colocada porque gira em torno da figura do presidente Lula, isto é, da hipótese de permitir ou não a ele que continue governando o Brasil. O debate da tese da reeleição ilimitada, que é bastante relevante, acaba ficando em segundo plano. Países como Alemanha, França, Itália, Portugal, Eslováquia, Chipre, Estônia, Eslovênia, Grécia e Letônia adotam a reeleição ilimitada e nunca se ouviu alguém dizer que seus presidentes são ditadores ou que o regime político em vigor seja autoritário. Ao contrário, o que se assiste é a alternância dos partidos no poder, sempre com base no voto popular, na sabedoria dos povos. O argumento de que o Brasil é diferente por ser mais pobre, com um povo menos escolarizado não pára em pé: segundo esta visão, os analfabetos, por exemplo, não deveriam ter direito ao voto. Ora, ou se acredita no sufrágio universal ou então o melhor a fazer é voltar no tempo e reintroduzir as eleições indiretas, deixar para os "sábios" a decisão de escolher os governantes. 

O presidente Lula é no fundo um homem bastante conservador na política, um negociador nato. Dificilmente ele vai levantar a bandeira da reeleição ilimitada ou patrocinar a idéia de se mudar a Constituição para permitir apenas mais um mandato a ele próprio, ainda mais depois dos péssimos resultados obtidos por Hugo Chávez na Venezuela na campanha que tinha este mesmo objetivo. Ao contrário, no momento quem trabalha na surdina para mudar a legislação eleitoral e acabar com o instituto da reeleição são os tucanos José Serra e Aécio Neves, para os quais o mandato de cinco anos, sem direito do titular se reeleger é positivo por "organizar a fila" das candidaturas presidenciais – como se pode perceber, a visão tucana da política sempre acaba privilegiando a tal fila dos "eleitos" e não os direitos dos eleitores. 

PSDB à parte e voltando a Lula, o mais provável é que o presidente tente maximizar a sua força política mantendo no ar a possibilidade do tal terceiro mandato, sem porém se comprometar com a bandeira. É uma jogada inteligente e legítima, até para consolidar um potencial de transferência de voto em 2010. Na política, como de resto ocorre em tudo na vida, existem fatores imponderáveis. Neste caso, o imponderável é o povo. Segundo a CNT/Sensus, 50% dos eleitores querem Lula mais quatro anos já a partir de 2010, contra 70% que aprovam o seu governo. O que fazer se a taxa pró-reeleição começar a se aproximar da taxa de aprovação do presidente? A tentação vai ser grande, talvez maior do que o PT possa suportar.

SE NÃO PODE COM O INIMIGO.....

segunda-feira, 28 de abril de 2008

A estrela sobe, para desespero da mídia tucana-pefelenta

Avaliação do governo Lula tem o maior índice desde 2003
28/04 - 10:54 - Carollina Andrade - Último Segundo/Santafé Idéias

Para desespero da Mídia Tucana-pefelenta, O Presidente Lula tem a sua melhor avaliação desde 2003, tem aprovação para um terceiro mandato e venceria já no primeiro turno. Chora mídia sem vergonha!
BRASÍLIA - A Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgou, nesta segunda-feira, os resultados da 92ª Pesquisa CNT/Sensus que apresentou a melhor avaliação do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva desde a sua posse, em janeiro de 2003. Hoje, 57,5% da população avalia o governo como positivo, enquanto 11,3% classifica o desempenho como negativo. Em fevereiro de 2008, a avaliação positiva do governo Lula situava-se em 52,7% e a avaliação negativa em 13,7%. O indicativo referente ao desempenho pessoal do presidente também registrou seu maior aumento. Em abril de 2008, a avaliação positiva ficou em 69,3% e a desaprovação regitrou 26,1%. Em fevereiro de 2008, a aprovação do desempenho pessoal de Lula situava-se 66,8% e a desaprovação 28,6%. De acordo com o presidente de CNT, Clésio Andrade, o aumento da consolidação da popularidade do presidente Lula se deve aos seguintes fatores: “crescimento econômico com geração de emprego, aos programas sociais, e mais especificamente ao Bolsa Família, a boa movimentação e discurso político do presidente, e a inauguração das obras sintetizadas do PAC que deram uma sensação de eficiência do governo”. Em relação a tendência do eleitorado brasileiro para eleições de 2010, a pesquisa demonstra que em uma votação espontânea para o primeiro turno, o presidente Lula obteve 29,4% dos votos, seguido por José Serra com 5,0%; Aécio Neves, com 2,9%; Geraldo Alckmin, com 2,4%; Heloisa Helena, com 2,7%; e Ciro Gomes, com 1,5%. Na pesquisa, 54,1% não tem candidato ainda. Para um eventual segundo turno, na primeira opção está José Serra com 53,2%, seguido por Dilma Rousseff, com 13,6%. O presidente Lula não aparece nas pesquisas de segundo turno. Sobre uma eventual alteração na constituição para permitir uma nova candidatura de Lula, já em 2010, 50,4% afirmam ser a favor e 45% são contra. Diante de uma eventual oportunidade de reeleição para o terceiro mandato, 51,1% da população votaria em Lula, 35,7% em José Serra e 13,3% declarou ainda não ter candidato. O Instituto Sensus, contratado pela CNT, ouviu 2 mil pessoas entre 21 e 25 de abril, em 24 Estados brasileiros. A margem de erro do levantamento é de 3 pontos percentuais para mais e para menos. Leia mais sobre: CNT/Sensus - sucessão

Brasil é 'solução óbvia' para crise de alimentos, diz 'FT'

Agência Estado

 
O Brasil é uma “solução óbvia” para o problema da alta do preço dos alimentos que ameaça o mundo, avalia o "Financial Times". Conforme o jornal inglês, no entanto, o potencial do País nessa área tem sido largamente ignorado.
“O mundo desenvolvido parece propositadamente míope em relação às oportunidades que o Brasil apresenta.” O "FT" afirma que o País tem grandes reservas de terras cultiváveis desocupadas, a maioria delas hoje servindo como pasto, e que podem facilmente se transformar em áreas de produção de grãos e outros alimentos. “O problema é que a maior parte da produção agrícola brasileira continua enfrentando tarifas proibitivas e outras barreiras colocadas pelos mercados desenvolvidos na Europa e nos Estados Unidos.” Segundo o jornal, se a produtividade da pecuária for elevada de 0,8 gado por hectare para 1,2, cerca de 80 milhões de hectares de terras seriam liberados para o plantio de alimentos. “Mas isso irritaria os fazendeiros americanos e europeus.” Em entrevista ao jornal, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou que a resposta correta à crise dos alimentos, além de dar prioridade ao combate à fome, é atacar a raiz do problema: os subsídios dos países ricos, que enfraquecem a produção das nações em desenvolvimento. “A fome mundial não é resultado de falta de oferta, mas principalmente do baixo nível de renda dos países pobres”, afirmou o ministro. O "FT" avalia que o Brasil possui sua parcela de culpa nessa discussão, pois tem feito pouco para combater a “histeria contra a suposta ameaça do etanol à floresta amazônica”, por exemplo. “Uma ameaça que, se existe, está mais relacionada à ilegalidade na região da Amazônia do que aos imperativos econômicos da produção de etanol.”

BrOi parte 4: Paulo Henrique Amorim entrou para o PIG?


Os Amigos do Presidente Lula

Leia também as partes 1, 2 e 3.

Outra estupidez é dizer que o BNDES está "dando" dinheiro para os acionistas da Telemar (Oi) comprar a Brasil Telecom.

O BNDES está comprando ações da Telemar (aumentando o capital, e com esse aumento de capital a Telemar adiquirirá a parcela de ações - o patrimônio - do Citibanck, do Opportunity, e do Grupo GP). Esta reestruturação, irá aumentar o patrimônio da BNDERpar. As açõs da BrOi irão se valorizar, e o BNDES terá lucro e receberá dividendos, já que trata-se de uma empresa sólida, com mercado garantido e lucrativa.

Se a PHA Comunicações oferecer as garantias que a Oi oferece ao BNDES, basta dirigir-se à sede do Banco, que terá acesso aos mesmos recursos.

O BNDES financia o crescimento econômico e social. O crescimento econômico a financiar na área de telecomunicações é com as empresas que existem e foram privatizadas: Oi/Telemar, Telefónica, etc.

Lula não tem culpa da bandalheira que foi feita na privataria de 1998 e não dá para consertar com uma canetada.

Se o BNDES não financiar a infra-estrutura nacional, o Brasil pára. Fica atrasado em Internet, em produção cultural por TV, em satélites, etc.

O BNDES emprestou em 2007 R$ 2 bilhões (valor próximo ao empregado na BrOi) para a Telefônica expandir e fazer sua TV por assinatura (será preciso alterar o plano de outorgas para isso, assim como para a BrOi). Onde estava o PHA nesta época, que não criticou? Na Espanha?

O BNDES emprestou R$ 1,5 para Vivo. O PHA estava em Portugal nesta época?

A Vale (do Rio Doce) tem empréstimos do BNDES de R$ 7,1 bilhões até 2012. Porque o Paulo Henrique Amorim não critica? É porque o Dantas não é sócio da Vale?

O BNDES financia equipamentos para a TV Digital usados pela rede Record, onde Paulo Henrique Amorim trabalha.

O BNDES como banco de fomento num país capitalista (sim, o Brasil é capitalista, e Lula não tinha como alterar isso nos anos que já governou, nem tem como alterar isso nos próximos 3 anos) financia empresas que tem garantias como estas que estão aí, mesmo multinacionais como VW, Ford, etc.

Financiando estas empresas, que tem bom crédito e garantias de pagamento, o BNDES move a economia, gera empregos, aumenta exportações, e o BNDES teve lucro recorde o ano passado. Isso significa que os empréstimos estão sendo pagos, e que as empresas financiadas não estão falindo. Significa austeridade técnica na concessão de empréstimos e investimentos.

Com esse crescimento, o BNDES financia prefeituras (vamos votar bem este ano, para não haver mais desvios depois que os empréstimos saem), saneamento básico, cooperativas, microempresas, que não teriam condições de ter crédito em um banco comercial. É o "S" de social do BNDES.

Esse sistema de produção que está aí repleto de Telemar / BrOi nem de longe é o ideal. Mas Lula governa o Brasil de hoje, e é este que está ai. Para melhorar é como subir uma escada degrau por degrau. Não adianta ficar parado sonhando com o topo, porque não se pode atingir com um único salto.

Amanhã tem a parte 5 e 6: sobre as razões, vantagens e desvantagens na mudança da lei, no plano geral de outorgas. E sobre o acordo de acionistas da PREVI (fundo de pensão) com o Citibank, em 2005, que já previa este negócio para o fim de 2007.

domingo, 27 de abril de 2008

Lula vê ofensa do STF


COVARDIA. Os ministros do STF sabendo que o Presidente Lula não podia falar na solenidade de posse do seu novo Presidente, se aproveitaram para desferir insultos ao seu Governo apoiado por 89% da população.
Politica da Paraiba O Presidente Luiz Inácio Lula da Silva se sentiu ofendido pelos discursos do novo presidente do STF, Gilmar Mendes, e do ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello, pronunciados na quarta-feira (23/05) durante solenidade em Brasília. Segundo auxiliares, Lula julgou desrespeitoso o tom dos discursos, já que ele não pôde se manifestar devido ao rito da posse do novo presidente do Supremo. Mais: Lula considerou indelicados os discursos porque também foram feitos na presença de outros ex-presidentes --sobretudo porque Fernando Henrique Cardoso, seu antecessor, estava no ato. Lula e FHC trocam farpas freqüentemente. Lula se queixou das críticas de Mendes ao excesso de MPs (medidas provisórias) e aos movimentos sociais. Em comentário com ministros, o presidente disse que, quando ele faz algum reparo sobre os outros poderes, a imprensa o critica fortemente. No entanto, a mídia não teria achado deselegante Mendes atacar o excesso de MPs editadas pelo Executivo. O presidente não gostou do comentário feito por Mendes de que esse excesso de MPs paralisa o Congresso e "embaraça o processo democrático". Um auxiliar do presidente lembrou que Mendes foi advogado-geral da União no governo FHC. Na gestão do tucano, MPs também eram editadas rotineiramente. Mendes assumiu uma cadeira no STF em 2002, indicado justamente por FHC. Outro ponto que desagradou ao presidente foi uma citação de Mendes à ação dos movimentos sociais, como o MST. O presidente do STF cobrou "firmeza por parte das autoridades constituídas". Lula vestiu a carapuça. Disse a auxiliares que não seria algoz dos movimentos sociais e que dialogaria com eles, mesmo considerando que ocorrem exageros. Lula, por exemplo, já pediu aos dirigentes do MST que evitem invadir instalações de empresas. Mas não tem obtido sucesso. O presidente teve de ser convencido por auxiliares a não rebater as críticas, mas esses mesmos assessores avaliam que o temperamento de Lula pode levá-lo a dar o troco em breve, quando discursar publicamente. No discurso de Celso de Mello, Lula também viu, segundo relato de auxiliares, "indiretas" sobre respeito à democracia e à divisão dos Três Poderes. Recentemente, o petista se queixou das manifestações de outro ministro do STF, Marco Aurélio de Mello, alegando que ele se aliava à oposição.

Raikkonen vence fácil. E Kovalainen bate feio

FRANCISCO LUZ
de Novo Hamburgo



O GP da Espanha seguiu à risca a tradição e viu uma monótona procissão que consagrou a vitória de Kimi Raikkonen neste domingo (27). O finlandês, dono da pole-position, não foi ameaçado em nenhum momento e fez barba, cabelo e bigode em Barcelona, pois também marcou a melhor volta. A monotonia só foi quebrada com o forte acidente de Heikki Kovalainen, que passa bem.

E, como tende a acontecer, as posições foram definidas já na largada. Fernando Alonso, que saiu do segundo lugar — e que escapou da pista na volta de apresentação —, foi batido por Felipe Massa antes da curva 1. Lewis Hamilton também largou bem e ultrapassou Robert Kubica, ficando atrás do espanhol.

Bem mais atrás no pelotão, Sebastian Vettel viu sua maré de azar continuar e foi abalroado por Adrian Sutil. O piloto da Force India tentou uma ultrapassagem sobre Sébastien Bourdais, mas foi afobado e acabou escapando da pista. Quando voltou, acertou o pobre alemão da Toro Rosso, que viu a corrida terminar na primeira volta pela terceira vez no ano.

Com isso, o safety-car entrou na pista até que os dois carros fossem recolhidos. Na relargada, as posições se mantiveram e o verdadeiro "trenzinho" fazia a festa da geração de imagens da corrida, mostrando todos os carros em seqüência.

Quem acabou com a bela cena foi Nelsinho Piquet. Décimo colocado no grid, o brasileiro mantinha a posição quando escapou da pista na quarta volta, retornando no 18º posto. Pouco depois, Piquet foi tentar ultrapassar Bourdais, mas os dois se tocaram na chicane. Fim de prova para o filho do tricampeão Nelson e para o francês, que ainda recolheu o carro aos boxes.

Antes da décima volta, mais um abandono — desta vez para Anthony Davidson, que sofreu uma pane mecânica no combalido Super Aguri. Com isso, cinco pilotos já haviam deixado o GP espanhol.

A monotonia prosseguia, sem nenhuma disputa por posições dentro da pista. A primeira troca de lugares aconteceu quando Alonso fez sua parada nos boxes, na 15ª volta. O bicampeão colocou bastante gasolina e retornou no 12º lugar, pouco atrás de Rubens Barrichello. Algumas voltas mais tarde, todo mundo realizou seus pit-stops, mas não houve alterações.

Quer dizer, quase todo mundo. Enquanto era líder, no 22º giro, Heikki Kovalainen passou por cima da zebra na curva 8 e, ao chegar na Campsa, viu seu pneu dianteiro esquerdo estourar. O finlandês passou reto pela caixa de brita e bateu forte na barreira de pneus, ficando preso por alguns minutos debaixo da proteção do muro e causando o acidente mais grave até agora em 2008.


Susto: Heikki ficou preso debaixo da proteção e foi removido de helicóptero para o hospital


A batida motivou uma nova entrada do safety-car, que percorreu o traçado de Montmeló por cinco voltas. Enquanto as imagens não mostravam Kovalainen — que, informou a FIA, está bem e não sofreu nenhuma lesão grave —, Nick Heidfeld foi obrigado a entrar nos boxes quando os mesmos estavam fechados. O alemão teve, mais tarde, de cumprir uma punição de dez segundos. Barrichello e Giancarlo Fisichella se engalfinharam na saída dos respectivos pit-stops, e o brasileiro levou a pior, quebrando a asa.

Na 32ª passagem, o grande público presente em Montmeló viu o motor de Fernando Alonso estourar. O asturiano encostou o carro, deu adeus à corrida e foi cumprimentar a torcida, que o aplaudiu bastante. Pouco depois, Rubens Barrichello e Nico Rosberg abandonaram, o representante da Williams com uma pane mecânica.

A partir daí, quase nada se alterou até o final da prova. Todos pararam novamente para reabastecimento e troca de pneus, e ninguém perdeu posições nos boxes. A última parte da corrida serviu, ao menos, para mostrar duas ínfimas disputas de pista.

Nick Heidfeld precisou de oito voltas para ultrapassar Giancarlo Fisichella — e o fez de maneira categórica —, enquanto David Coulthard conseguiu deixar Takuma Sato, heróico com a Super Aguri, para trás.

Assim, Kimi Raikkonen venceu sua segunda corrida na temporada. Felipe Massa ficou com o segundo posto, seguido de perto por Lewis Hamilton e Robert Kubica. Mark Webber, discreto mas eficiente, ficou em quinto, enquanto Jenson Button marcou os dois primeiros pontos da Honda com o sexto lugar. Kazuki Nakajima e Jarno Trulli completaram os oito primeiros.

O finlandês, aliás, aproveitou e assumiu a ponta na tabela de classificação, e a dobradinha vermelha serviu para catapultar a Ferrari ao primeiro posto no Mundial de Construtores. A F-1 volta aos trabalhos no próximo dia 11, em Istambul, para o GP da Turquia.

sábado, 26 de abril de 2008

Revista aponta Rômulo Gouveia-PSDB/PB entre investigados pelo STF


A revista Congresso em Foco fez um levantamento e aponta que um em cada quatro deputados pré-candidatos a prefeito responde a algum tipo de investigação no Supremo Tribunal Federal (STF). Dentre eles o deputado paraibano licenciado Rômulo Gouveia (PSDB). O levantamento feito pelo Congresso em Foco (clique aqui para ver a lista) traz 12 ex-prefeitos e um ex-vice-prefeito entre os deputados que tentam voltar às prefeituras ainda com julgamento pendente no Supremo.

As acusações envolvem pelo menos 12 tipos penais. Outros dois casos têm sua natureza preservada pelo Supremo. As denúncias de crime contra a administração pública, como peculato e corrupção passiva, são as que mais se repetem: 13 vezes.

Na seqüência, aparecem os crimes de responsabilidade (11), cuja condenação pode resultar na perda do mandato do parlamentar, contra a fé pública, praticados por funcionários públicos e os eleitorais, como compra de votos. Também há acusação de crime contra o planejamento familiar e até de furto qualificado e estelionato (saiba mais sobre esses tipos penais).

Juntos, esses parlamentares terão de se explicar em 51 processos, sendo 32 inquéritos e 19 ações penais. Isso porque, nesses últimos casos, o tribunal já encontrou elementos para transformar sete acusados em réus. São eles: Jackson Barreto (PMDB-SE), Leandro Sampaio (PPS-RJ), Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), Lindomar Garçon (PV-RO), Sérgio Moraes (PTB-RS), Paulo Maluf (PP-SP) e Wladimir Costa (PMDB-PA).

O PMDB é o partido com o maior número de deputados sob investigação no STF. Dos 16 peemedebistas pré-candidatos, sete respondem a inquéritos ou ações penais. Entre as bancadas estaduais, a do Rio de Janeiro é a que tem o maior número de deputados investigados. Dos 13 que pretendem disputar uma cadeira nas prefeituras do estado, quatro ainda devem esclarecimentos à Justiça.

Além de um passeio pelo Código Penal, a lista também proporciona uma visita pelas cinco regiões do país. Há representantes de 20 dos 26 estados brasileiros. Além da liderança de peemedebistas e fluminenses, também chama a atenção a presença de tucanos e paulistas nesse ranking peculiar.

O PSDB tem quatro deputados sob investigação entre os seus dez pré-candidatos, e são três os representantes de São Paulo com pendências no STF, de um total de 11 interessados em ocupar o gabinete de prefeito no próximo ano.


Da Redação com Congresso em Foco 

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Usando a Régua

A Bunda Canalha

PT nacional veta aliança com tucanos em BH; Pimentel insiste


A Comissão Executiva Nacional do PT decidiu nesta quinta-feira (24) que "não autorizará, em nenhuma hipótese, o PT a participar de qualquer coligação da qual faça parte o PSDB" em Belo Horizonte. O prefeito de Belo Horizonte e principal defensor petista da aliança com os tucanos, Fernando Pimentel (PT), reagiu dizendo que. "como militante do partido", usará "todos os recursos disponíveis" para modificar o que julga uma "decisão politicamente equivocada, e estatutariamente não embasada".


"A Comissão Executiva Nacional decide: comunicar ao Diretório Municipal de Belo Horizonte e ao Encontro Municipal para definição de tática eleitoral, que não autorizará, em nenhuma hipótese, o PT a participar de qualquer coligação da qual faça parte o PSDB naquela capital", conclui a nota aprovada. 


Dirigente de Minas quer "aliança informal"


A reunião, na sede do PT em Brasília, teve como único ponto de pauta a questão de Belo Horizonte. Foi aprovada com 13 votos favoráveis e dois contrários (de Romênio Pereira e Jorge Coelho). Os presidentes do Diretório Estadual do PT-Minas Gerais, Reginaldo Lopes, e do Municipal de Belo Horizonte, Aluisio Marques, participaram como convidados.  


Em nome de Minas, Reginaldo Lopes defendeu na reunião o adiamento da definição e seixou-a defendendo uma saída conciliatória – uma aliança informal entre PT, PSB e PSDB na capital mineira. “Não vejo problema em o PSDB apoiar uma aliança entre o PT e o PSB informalmente”, comentou. A coligação entre os três partidos foi aprovada em março, com grande maioria, por um encontro do PT-Belo Horizonte.


A decisão da Executiva foi apresentada à imprensa pelo deputado José Eduardo Cardozo (SP), secretário-geral do partido, que argumentou com a necessidade de preservar o projeto nacional petista. "Essa eleição em Belo Horizonte tem efeito para a disputa de 2010. Avaliamos que uma coligação formal provocaria uma repercussão, por isso orientamos para não ter a aliança com o PSDB", disse Cardozo.


A divergência sobre Belo Horizonte é a mais grave que afeta o PT nas eleições municipais. Tem desdobramentos na sucessão presidencial de 2010 porque fortalece o governador mineiro e presidenciável tucano Aécio Neves.


Aécio e Pimentel articulam a aliança desde meados do ano passado. Os dois concordaram que o candidato a prefeito não deveria ser nem tucano e nem petista e chegaram ao nome do empresário Márcio Lacerda, secretário de Desenvolvimento Econômico do governo Aécio e filiado ao PSB. A proposta obteve a bênção do deputado Ciro Gomes (CE), expoente nacional do PSB, mas além de dividir o PT gerou reações negativas no PMDB mineiro, do ministro Hélio Costa (Comunicações), e no PRB do vice-presidente José Alencar.

O governador mineiro recebeu a notícia com "surpresa" mas também com "tranqüilidade", disse o deputado federal Júlio Delgado (PSB), após se reunir com Aécio no Palácio da Liberdade. Delgado considerou a decisão uma "retaliação" e uma "deselegância" do PT nacional em relação ao PSB, adiantando que este permanecerá ao lado de Aécio e o PT ficará "isolado" em Belo Horizonte. "A nossa opção é clara, vamos ficar no projeto do governador Aécio", afirmou. O PSB local tem uma antiga afinidade com Aécio Neves, que já em 2004 apoiou um nome desta sigla para a prefeitura da capital, o hoje deputado estadual João Leite, derrotado por Pimentel.

A íntegra dos documentos


Veja a íntegra da Resolução – Política de alianças BH, aprovada pela Executiva Nacional petista:


"1) O 3º Congresso Nacional do PT, realizado em 2007, e posterior resolução do Diretório Nacional sobre Tática Eleitoral, consideram o PSB, o PCdoB e o PDT como aliados prioritários nas eleições de 2008. Portanto, a posição do Encontro Municipal de Belo Horizonte, ao definir apoio a um candidato a prefeito do PSB está adequada à diretriz nacional definida pelas instâncias partidárias. 


2) A Resolução do DN sobre tática eleitoral estabeleceu, ainda, que as alianças com o PSDB e com o DEM (ex PFL), em cidades com mais de 200.000 habitantes, Capitais dos Estados e cidades que transmitem horário eleitoral de TV só poderiam se dar como exceção e mediante autorização da CEN. 


3) O significado do simbolismo de uma aliança PT/PSDB em Belo Horizonte extrapola a dimensão política de um simples acordo municipal. Revela uma aliança explicitada e documento aprovado pelo Encontro Municipal com o Governador do Estado de Minas e potencial candidato a Presidente da República, Aécio Neves. Por isto, contraria a posição definida pelo Diretório Nacional para a política de alianças e desrespeita a avaliação política do próprio Diretório Regional de Minas firmada na sua Resolução nº 002/08, segundo a qual: 


“O Governo Aécio não se coaduna com o que o PT quer para Minas Gerais e muito menos para o Brasil. Reafirmamos nossa oposição programática ao governo estadual, conforme Resolução do 3º Congresso Estadual, em razão de ações como: mínimos investimentos na área social, ausência de participação popular, falta de transparência no gasto público e sua concepção de estado mínimo.”   


4) O DN e o Diretório Estadual de Minas Gerais consideram o governo Aécio Neves uma administração comprometida com políticas frontalmente distintas daquelas que compõem nosso ideário e o nosso programa de governo. 


5) A Comissão Executiva Nacional decide: 
Comunicar ao Diretório Municipal de Belo Horizonte e ao Encontro Municipal para definição de tática eleitoral, que não autorizará, em nenhuma hipótese, o PT a participar de qualquer coligação da qual faça parte o PSDB naquela capital."


 Veja também a íntegra da nota do prefeito Fernando Pimentel:


“A respeito da resolução da Executiva Nacional do PT sobre a eleição em Belo Horizonte, o prefeito Fernando Pimentel considera a decisão politicamente equivocada, e estatutariamente não embasada. Atribui a resolução ao profundo desconhecimento da direção nacional do partido em relação à realidade da cidade de Belo Horizonte e do Estado de Minas Gerais. Como militante do partido, o prefeito Fernando Pimentel usará todos os recursos disponíveis para modificá-la, fazendo prevalecer a decisão soberana dos delegados eleitos pelo voto direto da base do partido em Belo Horizonte.” 


Da redação, com agências

quinta-feira, 24 de abril de 2008

AUMENTO DOS MILITARES - DERROTA DA OPOSIÇÃO

 
Mais uma derrota da oposição.

Democracia & Política

O desejado por ela, quando extingüiu a CPMF (ato que somente beneficiou os grandes movimentadores de dinheiro, legais e ilegais), era inviabilizar quase tudo no governo Lula, inclusive o aumento dos militares que já estava equacionado para ser a partir de setembro 2007. A oposição queria criar um clima de forte insatisfação social para assim abrir caminho para o retorno do PSDB e DEM-PFL ao poder.

Felizmente, o governo federal conseguiu encontrar uma solução, hoje anunciada. 

Há menos de uma hora atrás (20h43), a Agência Estado, em texto de Fábio Graner publicado no UOL Últimas Notícias, publicou o seguinte:

"Jobim: militares terão reajuste médio de 47,19%" 

"Brasília - O ministro da Defesa, Nelson Jobim, informou hoje que o reajuste médio dos militares, de 47,19%, terá um impacto de R$ 12,3 bilhões na folha de pagamentos de ativos e inativos até 2011. A folha de pagamentos subirá de R$ 27,6 bilhões no ano passado para R$ 31,8 bilhões em 2008, R$ 35 bilhões em 2009, R$ 38,4 bilhões em 2010 e R$ 39,9 bilhões em 2011. 

Jobim explicou que o reajuste ocorrerá de forma escalonada e será diferenciado conforme as patentes. 

Segundo ele, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva irá ainda decidir se o aumento dos militares será dado por medida provisória ou projeto de lei em regime de urgência.

Pelo anúncio, feito em entrevista coletiva no Ministério da Defesa, os recrutas, que hoje recebem em média R$ 235,20, terão um aumento de 137,8%, passando para uma média de R$ 471,00 imediatamente, retroativa a janeiro último. Em fevereiro de 2009, a remuneração média dessa categoria chegará a R$ 514,90 e, em janeiro de 2010, a R$ 559,38. 

O menor reajuste ocorrerá para os generais oficiais de quatro estrelas, de 35,31% até julho de 2010. Dessa forma, os generais de quatro estrelas, posto mais alto da hierarquia do Exército, terão remuneração média passando de R$ 13,9 mil para R$ 15 mil este ano, chegando a R$ 18,8 mil em julho de 2010.

O ministro da Defesa explicou que haverá grupos de reajuste. 

O primeiro, de soldados e recrutas, com aumento médio de 91,21%; o segundo, de cadetes e alunos, com reajuste médio de 66,43%; o terceiro, de oficiais intermediários e subalternos, com 47,78%; o quarto, de praças (subtenente, primeiro-sargento, taifeiro-mor, entre outros), com 41,72%; o quinto, oficiais superiores, com 40,91%, e o dos oficiais generais, com 36,31%, em média.

Para o primeiro e segundo grupos, de soldados, recrutas e alunos, o reajuste será retroativo a janeiro passado, com novas elevações em fevereiro de 2009 e janeiro de 2010, sempre acima da variação do salário mínimo. 

As demais categorias, por sua vez, terão reajustes este ano divididos em três parcelas (a primeira imediata, retroativa a janeiro. A segunda em julho e a terceira em outubro e, em 2009 e em 2010, em julho)."

terça-feira, 22 de abril de 2008

Sonho virando realidade - OLHA O QUE DEU VOTAR NO LULA


O Brasil de Lula 

O Brasil é 'superpotência, agora com petróleo', diz Economist. 

Editorial da revista diz que comparar crescimentos do Brasil e China é 'enganoso'. 

A revista semanal britânica The Economist afirmou em artigo publicado nesta quinta-feira(18) que o Brasil é uma "superpotência econômica" e que possivelmente o país pode virar uma potência de petróleo. 

No editorial intitulado Uma superpotência econômica, e agora com petróleo também, a revista afirma que "há motivos para se acreditar que a potência econômica da América do Sul de 190 milhões de habitantes está começando a fazer a diferença no mundo". 

A revista diz que a comparação do crescimento do Brasil com a forte expansão chinesa é "enganosa", já que a China é um país mais pobre. "É muito mais difícil para um país de média renda, como o Brasil, crescer neste ritmo", diz a revista. 
Além do editorial, o Brasil também é destaque em outros dois artigos da edição desta semana da revista. 

No texto Os prazeres do tédio, a revista diz que o Brasil cuidou dos três maiores problemas que causaram a crise dos anos 1980: inflação, dívida e democracia. 

Já no artigo intitulado Mais recompensa, a revista diz que as informações de que o Brasil teria descoberto mais petróleo devem gerar grande alegria no governo. 

domingo, 20 de abril de 2008

Aprenda 400 palavras em Inglês em 1 minuto.

Como aprender a escrever 400 palavras em Inglês em apenas um minuto.

Ideal Dicas Se voce pensa que estou brincando, experimente ler toda esta matéria e depois me conte. Comece logo a estudar Inglês que, diferentemente do que você pensa, é extremamente fácil de aprender. Bastando apenas seguir as regrinhas elementares. Mas, antes de tudo, quero explicar que as regras abaixo apresentam uma ou mais exceções, o que demonstra duas coisas: primeiro que tais exceções só servem precisamente para confirmar as regras segundo que é bem preferível, errar numa ou outra ocasião e aprender 400! palavras em inglês num minuto, do que ficar preocupado com a rara exceção... e não aprender nada.

REGRA 1

Para todas as palavras em português que terminam em DADE (como a palavra cidade) retire o DADE e coloque em seu lugar TY e assim CIDADE passou a ser CITY. Vejamos agora um pouco das cento e tantas palavras que você aprendeu nestes primeiros vinte segundos de leitura deste artigo: CIDADE = CITY VELOCIDADE = VELOCITY SIMPLICIDADE = SIMPLICITY NATURALIDADE = NATURALITY CAPACIDADE = CAPACITY

REGRA 2

Para todas as palavras em português que terminem em ÇÃO (como a palavra NAÇÃO) tire fora o ÇÃO e coloque em seu lugar TION e assim a palavra NAÇÃO passou a ser NATION. Vejamos agora algumas das centenas de palavras em que a imensa maioria delas se aplica e essa regra: SIMPLIFICAÇÃO = SIMPLIFICATION NAÇÃO = NATION OBSERVAÇÃO = OBSERVATION NATURALIZAÇÃO = NATURALIZATION SENSAÇÃO = SENSATION

REGRA 3

Para os advérbios terminados em MENTE (como a palavra NATURALMENTE), tire o MENTE e em seu lugar coloque LLY ( e assim a palavra passou a ser NATURALLY. Quando o radical em português termina em L, como a palavra TOTALMENTE, acrescente apenas LY). Veja agora abaixo alumas delas: NATURALMENTE = NATURALLY GENETICAMENTE = GENETICALLY ORALMENTE = ORALLY

REGRA 4

Para as palavras terminadas em ÊNCIA (como no caso de ESSÊNCIA), tire o ÊNCIA e em seu lugar coloque ENCE. Eis algumas delas abaixo: ESSÊNCIA = ESSENCE REVERÊNCIA = REVERENCE FREQÜÊNCIA = FREQUENCE ELOQÜÊNCIA = ELOQUENCE

REGRA 5

E para terminar esta dica, ficando ainda mais com água na boca, aprenda a última e a mais fácil delas. Para as palavras terminadas em AL (como a palavra GENERAL) não mude nada, escreva exatamente como está em português e ela sai a mesma coisa em inglês. Veja alguns exemplos: NATURAL = NATURAL TOTAL = TOTAL GENERAL = GENERAL FATAL = FATAL SENSUAL = SENSUAL Conforme você acaba de ver, não foi preciso gastar mais de um minuto para aprender 400 palavras em inglês. Se Alguém souber de mais alguma dica destas, favor postar aqui!
------------------------------------------------
Complemento escrito por: junior Titulo: excessão de regra A palavra CORAÇÃO se encaixaria na regra onde, todas as palavras terminadas em ÇÃO, o mesmo seria substituido por TION, sendo que CORAÇÃO é HEART em inglês.
------------------------------------------------
Complemento escrito por: Ju Titulo: Exceção: Palavra "idade" Na palavra "idade" há uma exceção, pois em inglês se traduz "age"
------------------------------------------------
Complemento escrito por: Eduardo Titulo: PALAVRAS TERMINADAS EM "ÁRIO" Palavras terminadas em "ário", como vocabulário, dicionário, retire o ário e substitua por ary. Exemplo: - Dicionário = Dicionary; Calendário = Calendary e etc.
------------------------------------------------
Complemento escrito por: Rejane Lima Titulo: Titulo: Exceção: Palavra “rapidamente” e “repentinamente” A palavra rapidamente e repentinamente se encaixaria na regra onde, todos os advérbios terminados em MENTE seriam substituídos por LLY e quando o radical termina em L acrescenta-se LY sendo que em inglês se traduz respectivamente em: QUICKLY e SUDDENLY Rejane Lima

Sexo - o que já rolou e o que rola pelo mundo por causa dele

Gandhi dormia nu ao lado de mulheres para pôr à prova a sua capacidade de abstinência.

Em sua noite de núpcias com Josefina de Beauharnais, o general francês Napoleão Bonaparte (1769-1821) foi mordido pelo cãozinho de estimação dela, Fortuné. Julgando que sua dona estava sendo "atacada", o cachorrinho pulou na cama e abocanhou a perna esquerda do general.

A spice girl Victoria Adams confidenciou que seu namorado, o famoso jogador de futebol David Beckhman, gostava de vestir suas calcinhas. Pesquisa mostrou que 1 em cada 7 ingleses tem esse costume. A maioria, no entanto, disse que não teria coragem de usar calcinhas ao sair de casa. Motivo: medo de sofrer um acidente e terem seu segredo descoberto.

Em 1996, o tenor Luciano Pavarotti separou-se de sua mulher, Adua, depois de 35 anos de casamento. Ele resolveu assumir o romance com sua secretária, Nicoletta Mantovani, que tinha 26 anos na época.

Quando ainda não estava na moda homens famosos posarem nus para revistas no Brasil, o cantor Nélson Gonçalves fez uma declaração surpreendente à revista Playboy em 1998: "Contam por aí que tenho o membro muito grande. E tenho mesmo. São 22 centímetros de comprimento. E é grosso: dá 19 centímetros de circunferência".

A atriz norte-americana Pamela Anderson revelou em uma entrevista que foi estuprada quando adolescente e só se lembrou do ocorrido décadas depois. "Eu bloquiei mentalmente o trauma", disse ela.

O membro da Academia de Letras de Itajaí, João Carlos Ramos Filho, distribuiu 5000 camisinhas com poemas gravados nas embalagens, durante o carnaval na cidade catarinense.

Em 2000 um cidadão inglês foi condenado por fazer sexo grupal com outros homens. De acordo com a lei vigente na época, Homens só poderiam fazer sexo com outros homens contanto que a relação não envolvesse mais que dois parceiros. Foi nesta mesma lei que o escritor Oscar Wild foi enquadrado e preso em 1895.

Em julho de 2004, a revista European Journal of Neurology divulgou que a causa verdadeira da morte do líder comunista russo Vladimir Lênin foi sífilis, doença infecciosa transmitida sobretudo por contato sexual. Na época de sua morte, em 1924, havia sido divulgado que ele havia morrido por causa de problemas respiratórios.

Uma romena de 66 anos deu a luz a uma criança em 16 de janeiro de 2005 e, com isso, se tornou a mãe mais velha do mundo. A professora universitária Adriana Iliescu se submeteu a tratamentos de fertilidade por nove anos antes de engravidar.

Um casal causou um dos mais graves incêndios de Paris (França) em anos. No dia 19 de abril de 2005, após uma discussão feia com o namorado, uma mulher saiu do restaurante de um hotel jogando pilhas de roupa no chão com raiva. Só que algumas delas caíram sobre velas e deram início ao fogo. O incidente deixou 23 mortos e 50 feridos.

A Sociedade de Cardiologia do Rio de Janeiro constatou que em uma relação sexual na qual se demore 7 minutos para se chegar ao orgasmo, gasta-se energia equivalente a uma caminhada de 700 metros feita em 10 minutos. Além disso, o coração de pessoas entre 20 e 35 anos atingem 130 batimentos por minuto no pico do prazer (em repouso, os batimentos giram em torno de 90 bpm).

A tribo indiana dos Xenxu acredita que as mulheres que tiverem contato sexual à noite e conceberem, terão filhos cegos.

Em 2001 o governo da Turquia distribuiu camisinhas musicais para incentivar a população à se proteger. A ação integrou uma campanha sobre a prevenção da AIDS no país.

O ex-presidente do Quênia, Daniel Moi, chegou a sugerir que a população ficasse 2 anos sem sexo. Segundo ele, essa medida iria diminuir drasticamente a progressão da AIDS, já que a doença é uma epidemia nacional e os quenianos não tem o costume de usar camisinha.

As prostitutas de Nápoles, no sul da Itália, tinham um truque para atrair clientes: passavam, atrás da orelha, um pouco da umidade da vagina.

Quando não queria receber Luís XV em sua cama, a mais conhecida de suas amantes - Madame Dubarry - se maquiava bastante. O rei não suportava dormir com mulheres pintadas.

A mais antiga representação do ato sexual que já foi encontrada está em pinturas da Idade da Pedra (aproximadamente 4 mil anos a.C). Trata-se de um homem deitado de costas e uma mulher por cima.

No arquipélago de Samoa, na Polinésia, as mães costumavam masturbar seus filhos para que eles ficassem com o pênis do tamanho ideal.

Bem dotados? Não. Os gregos achavam que os pênis grandes eram feios e vulgares. Também acreditavam que um pênis menor era mais fértil, pois o esperma percorria um caminho mais curto até chegar ao corpo da mulher.

Santo Agostinho, conhecido por ter sido um defensor ferrenho da castidade, caiu na gandaia até os 34 anos. Depois disso abdicou dos prazeres da carne e se empenhou na missão de convencer o resto do mundo a fazer o mesmo.

Para os antigos romanos o sexo oral era um ato extremamente infame.

Um crítico francês chamado Charles Augustin Saint-Beuve, que viveu no século XIX, batizou os livros pornográficos de “obras para se ler com uma mão só”.

Entre os séculos XV e XVIII as prostitutas da Inglaterra usavam perucas púbicas coloridas, chamadas de merkins para excitar seus clientes.

Quando a insaciável Catarina, A Grande morreu, em 1796, correu por toda a Rússia o boato de que o coração da louca soberana não teria suportado o esforço de tentar manter relações sexuais com um cavalo.

O escritor irlandês James Joyce tinha tara por calcinhas com rendas e babados.

Na cidade alemã de Aachen, quando um homem foi procurar uma prostituta para se divertir, encontrou a esposa trabalhando. E começaram a brigar. Ela brava porque o marido estava procurando sexo com outra, e ele por causa do tipo de trabalho extra da mulher. Para apartar a discussão, que ia acabar em agressão, a polícia foi chamada, mas logo o casal foi liberado.

Você está interessado em comprar testículos humanos? Se estiver, por 20 mil dólares o americano Jerald De Rosset vende os dele. O homem decidiu vender essa parte do corpo porque quer assumir-se transexual, mas não tem dinheiro para arcar com os custos da cirurgia de mudança de sexo. Ele se define como uma mulher aprisionada no corpo de um homem e sem dinheiro.

Nick Oliveri, baixista do grupo Queens of the Stone Age, quase foi preso no Brasil. Em janeiro de 2001, ele se apresentou nu no show da banda, realizado no Rio de Janeiro. Seu órgão genital ficou escondidinho atrás do baixo.

Assédio sexual no Brasil é crime. A lei, sancionada em 2001 pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, prevê pena de 1 a 2 anos de prisão para quem, em condição hierárquica superior, constranger alguém com o objetivo de obter vantagem ou favorecimento sexual.

Uma professora da Califórnia, nos Estados Unidos, foi despedida de uma escola de 2º grau por ter tirado a blusa na sala de aula. Dana Gibson, de 43 anos, alegou que mostrou sua roupa íntima depois que um dos alunos reclamou que as aulas de espanhol eram entediantes. Ela lecionava no colégio católico Sain Joseph, no condado de Santa Bárbara. Outra professora americana, de 24 anos, está sendo processada por abuso de menores e por contribuir com a delinqüência juvenil. Ela foi acusada de ter mantido relações sexuais com oito alunos de dezembro de 2000 a março de 2001, período em que trabalhou como professora substituta numa escola da cidade de Union Bridge.

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Caso Isabella

Virou uma discussão nacional, onde é impossível não se envolver emocionalmente. Onipresente nos meios de comunicação há mais de duas semanas. Não há como tomar conhecimento e não se perguntar: Por quê? Quem?... Fui substituindo as perguntas, e entre as novas passou a surgir... “Por que o caso Isabella comove tanto o país?
 

Por Toni C.



Isabella: emoção, coisas e gente Comecei a notar que, por mais que se provoque na sociedade os sentimentos mais individualistas, o  ser humano tem guardado dentro de si sentimentos de solidariedade e companheirismo. Quem não se colocou no lugar da menina? Quem não se colocou nos lugar dos pais, dos irmãos, da mãe?


Quem não se sentiu pelo menos por uma fração de segundo como se Isabella Oliveira Nardoni fosse a sua própria filha? Como se perdesse um ente querido...


Talvez tenha sido isso que Cristo ensinou quando disse “amai o próximo como a ti mesmo”. Ou o que Che expressou na celebre frase: “Se você treme de indignação perante uma injustiça no mundo, então somos companheiros”.


Isabella, com cinco anos de idade, unificou uma nação de 180 milhões de pessoas num único sentimento. A comoção nacional é justa, legítima e reveladora.


Outra pergunta que fiz foi: Será que o mesmo aconteceria caso Alexandre Nardoni fosse um pedreiro desempregado, morasse numa favela e não no 6º andar do Edifício London? E se a queda da menina fosse numa valeta do esgoto a céu aberto que passasse em frente do barraco da família?


Cento e onze mortos no massacre do Carandirú a mando do governo paulista, não causaram tamanha comoção. E o país que tem cidades como o Rio de Janeiro, onde morrem mais jovens vítimas de armas de fogo do que em guerras como a de Israel e Palestina (pesquisa do Iser 2001). 


A comoção é louvável. Mas por que não houve a mesma reação diante da Chacina da Candelária, quando policiais atiraram em mais de 70 menores? Por que crianças mortas de inanição comovem menos que adolescentes morrendo de anorexia? Por que quem rouba um pote de margarina vai preso e quem toca fogo em índio e mendigo fica impune?


Uma das testemunhas, um advogado morador do prédio em frente, apareceu na televisão dizendo: “A menina não representava perigo a ninguém”. Então é por isso? Quando morre um pretinho desafortunado ninguém se comove porque ele pode representar perigo quando crescer? E o mal se corta pela raiz?!


Tudo demonstra que, por trás da nobre comoção, está embutido um mesquinho sentimento de classe. 


Os casos do menino João Hélio, arrastado preso ao cinto do carro, ou da estudante Liana Friedenbach, morta pelo namorado, foram usados como estandarte para reivindicar a redução da maioridade penal, ou pedir a pena de morte. No caso Isabella, as classes menos favorecidas não saem às ruas para pedir o fim da cela especial para quem tem curso superior, ou a extinção do foro privilegiado. Afinal a lei não deve ser aplicada da mesma maneira a todas as pessoas?


Vivemos num país onde o pobre foi ensinado a se classificar como classe média baixa. Parece que essa classe média se diferencia da outra por não ter o hábito de tirar proveito da desgraça alheia.


A imprensa, que mede sua audiência com pesquisas, não cansa de bombardear o caso, mesmo sem nenhuma nova informação. Se precipitou em acusar o pai e repete versões que já se sabe serem inverdades.


A polícia informa que até sexta-feira deve sair o laudo conclusivo. O telejornal da maior emissora deTV do Brasil, ne quarta pela manhã, deixou escapar que torce para que o caso se estenda ao máximo – assim como sua liderança de audiência, hoje ameaçada.  Apela para o argumento macabro de que sexta feira Isabella completaria seis anos. “Não seria de bom tom no dia de seu aniversário divulgar o laudo final (sic)", comenta a apresentador. Impedida de exprimir emoções, ela diz uma única frase, “Que caso triste!”, e emenda com a próxima notícia, sobre uma festa de premiação do cinema. Entram imagens de gente sorrindo; entre os grandes campeões da noite  está o filme Tropa de Elite, é claro.


Discordo em gênero, número e grau de quem simploriamente classifica esse filme de fascista. Fascista é a sociedade em que vivemos. O filme é só um retrato dela. 
O ator Wagner Moura, que interpreta o personagem Capitão Nascimento no filme, dá uma breve declaração, dizendo-se satisfeito por ser reconhecido não só pelo povo mas também por profissionais da área. 


Será que com tanto artista, imprensa, enfim, com toda elite, ninguém cotucou o Wagner e cochichou em seu ouvido: “Wagner, entra numa cabine telefônica, vira o Capitão Nascimento, pega sua Tropa e sobe pelo elevador. Atira no primeiro que aparecer, pega uma segunda pessoa pelos cabelos e coloca a cara dele no buraco do tiro. Depois bate na cara dele gritando. ‘Confessa, quem matou Isabella, você viu, confessa!’ Até o cara contar”?


Quantos filhos não perguntarão nos próximos dias: “Papai, você tem coragem de me jogar do prédio?” Quantos não se perguntaram o que aquela criança fez para merecer isso? Quantas mães com filhos de outro casamento não proibirão que seus filhos passem um fim de semana com seu ex-marido? Será que alguém mais lucrou com isso além da imprensa e das empresas que vendem grades para janela?


Não sei. Só sei que eu também não sou as coisas. Eu me revolto.

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Justiça recebe denúncia contra Cícero em processo da Confraria

A Justiça Federal recebeu a denúncia do Ministério Público Federal na ação civil pública de improbidade administrativa (2007.82.00.007298-2) contra o ex-prefeito de João Pessoa Cícero Lucena, PSDB-PB. A decisão foi publicada no Diário da Justiça desta quinta-feira (17), com a observação de que “o recebimento da petição inicial não representa qualquer juízo prévio de culpabilidade”.

Além do recebimento da petição inicial, a Justiça deferiu o ingresso da União e do município de João Pessoa no processo, na qualidade de litisconsortes ativos.

Na ação estão relacionados como réus Cícero Lucena, Everaldo Sarmento, Evandro de Almeida Fernandes, Rúbria Beniz Gouveia Beltrão, Francisco Carlos Oliveira Cavalheiro, Giovanni Gondim Petrucci, Sanccol – Saneamento, Construção e Comércio Ltda, Bruno Lins Dourado Rodrigues e Construtora Norberto Odebrecht.
/
Em julho de 2007, o Ministério Público Federal na Paraíba (MPF) propôs nove ações de improbidade administrativa contra pessoas físicas e jurídicas envolvidas em irregularidades na execução de convênios e contratos de repasse investigados pela Operação Confraria.

O MPF denuncia que na gestão do ex-prefeito Cícero Lucena (PSDB) foi montado um esquema que possibilitou o aproveitamento ilegal de licitações ocorridas no início da década de 90, direcionando a execução de obras para empresas previamente escolhidas, quando deveriam ter sido, tais obras, objeto de licitações próprias.

As fraudes em licitações estavam relacionadas à execução de convênios e contratos de repasse para implantação de saneamento, obras de urbanização e serviços de infra-estrutura em vários bairros da capital.

Lana caprina

quarta-feira, 16 de abril de 2008

TUCANOS PREOCUPADOS – JUSTIÇA DE MÔNACO AUTORIZA EXTRADIÇÃO DE CACCIOLA


Democracia & Política


Lembro-me muito bem de uma entrevista do repórter Fábio Pannunzio, da TV Bandeirantes, com o ex-banqueiro Salvatore Cacciola já foragido na Itália. 

Foi há uns quatro anos. Foi bombástica. Cacciola claramente denunciou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o ex-ministro Malan pelo envolvimento doloso no crime de vazamento antecipado de notícia sigilosa, na longa entrevista transmitida no horário nobre do noticiário noturno daquela TV paulista. 

Segundo Cacciola disse claramente para as câmeras, FHC e Malan teriam antecipado, reservada e exclusivamente para ele, a decisão governamental de desvalorizar a moeda no dia seguinte. Aquilo deu um prejuízo superior a um bilhão para o Banco Central e o correspondente ganho para o banco de Cacciola.

Cacciola estava na Itália porque tem cidadania também italiana e, ao ser preso no Brasil, para lá fugiu com a ajuda do Ministro Marco Aurélio Mello. 

O que me impressionou muitíssimo mais do que a confissão e a clara denúncia frente às câmeras da TV Band foi o dia seguinte. A TV Bandeirante e todos os jornais e demais redes de televisão esconderam completamente aquelas revelações. Nunca mais tocaram no fato daquela clara e grave denúncia. Até hoje.

Agora pela manhã, li a notícia abaixo vinda de Mônaco pela Agência France Presse e aqui publicada pela Folha Online.

Certamente, os tucanopefelentos e a grande mídia devem estar muito preocupados. 

Transcrevo:

“Justiça de Mônaco dá parecer favorável à extradição de Cacciola” 

“A Justiça de Mônaco divulgou nesta terça-feira (15) um parecer favorável à extradição ao Brasil do banqueiro Salvatore Cacciola, informou o advogado do réu, Franck Michel, à France Presse. 

Preso em Mônaco desde 15 de setembro do ano passado, o ex-dono do banco Marka é procurado por desvio de fundos e gestão fraudulenta. 

A decisão de extradição, para ser definitiva, precisa ser validada pelo príncipe Albert 2, que governa o Estado mediterrâneo. 

Se isto acontecer, Michel pedirá um "adiamento da aplicação" da medida, para levar o caso ao Supremo Tribunal de Mônaco, que decide a respeito de litígios administrativos e constitucionais, informa o jornal "Mônaco-Matin". 

Tradicionalmente, o príncipe nunca concedeu uma decisão contrária à do Tribunal de Apelações de Mônaco em processos de extradição. 

Em 2005, o banqueiro foi condenado no Brasil em um julgamento à revelia a 13 anos de prisão por crimes financeiros. 

Foragido do Brasil desde 2000, Cacciola foi preso pela Interpol em Mônaco. Desde então, o governo federal vem tentando a extradição dele para o Brasil.”

terça-feira, 15 de abril de 2008

TSE nega pedido do DEM para investigar presidente Lula

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou o pedido feito pelo Democratas (DEM) para que fosse aberta uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral contra o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva por suposto abuso de autoridade, com o lançamento do programa do governo federal “Territórios da Cidadania”.


Em sua decisão, o ministro Ari Pargendler ponderou que o exame das causas que poderiam levar a uma investigação, como pretendia o DEM, deve ser feito no contexto da própria petição inicial daquele partido, que se reporta a dois ambientes eleitorais, o de 5 de outubro próximo (eleições municipais) e o pleito de 2010 (eleições presidenciais). De acordo com Ari Pargendler, no primeiro caso, a competência para julgar a procedência de uma AIJE é do juiz eleitoral. Já no segundo caso – das eleições majoritárias e proporcionais de 2010 – “parece dezarrazoado reconhecer os atos relatados na petição inicial como propaganda eleitoral antecipada.” No pedido, o DEM acusa Lula de utilizar o programa para fins eleitorais e diz que esse fato “é tão evidente que o investigado sobe no palanque para verdadeiros comícios eleitorais, sob o pretexto do lançamento do referido programa”. Para o DEM, o presidente da República abusa de sua autoridade por dar extravagante e indevida publicidade ao lançamento e execução de programas sociais. De acordo com o pedido, esses “verdadeiros comícios” são utilizados para expor e enaltecer aliados – muitos deles pré-candidatos – bem como para lançar a candidatura da sucessão presidencial em 2010. Ao analisar os objetivos do programa “Territórios da Cidadania”, o relator entendeu que a norma apontada pelo DEM como de que “no ano em que se realizar eleição, a administração pública está proibida de distribuir gratuitamente bens, valores ou benefícios”, não foi violada pelo presidente Lula, pois “nada no Programa Territórios da Cidadania autoriza a conclusão de que ele proporcionará a distribuição bens, valores ou benefícios por parte da administração pública”. Ao concluir sua decisão, o ministro lembrou que se a execução do programa se desviar das finalidades previstas, “a Corregedoria-Geral Eleitoral poderá ser acionada para tolher o que, em concreto, tenha contrariado a legislação eleitoral”.
Fonte: TSE

Lula tem uma Inteligência Privilegiada

Delfim Netto


Revista Poder

Às vésperas de completar 80 anos, Antônio Delfim Netto continua trabalhando intensamente naquilo em que se especializou nos últimos 40: influenciar a política econômica nacional e, de quebra, alguns presidentes da República. Como ministro, trabalhou para três, todos da ditadura militar, ou do “regime autoritário”, como prefere dizer. A saber, Costa e Silva, Emílio Médici e João Figueiredo. Extra-oficialmente é difícil precisar quantos requisitaram seus conselhos. A lista é longa e inclui o atual ocupante do Palácio do Planalto. No começo de março, pouco antes de o governo lançar um minipacote para conter a valorização do real, Delfim esteve com Luiz Inácio Lula da Silva e um grupo de economistas. Ele disfarça. Diz que falaram do Corinthians.
De Lula, é só “inteligência privilegiada”, “salvador do capitalismo brasileiro”, “Darwin andando”. São alguns dos epítetos que lançou sobre o atual presidente. Já em relação ao antecessor, que conhece há meio século, Delfim exercita sua capacidade ofídica. “O tempo que (Fernando Henrique Cardoso) poderia ter aproveitado para fazer o desenvolvimento, ele aproveitou para se reeleger. E o que é pior: pra nada. Porque o segundo mandato foi mais lamentável que o primeiro.” Paradoxos marcam a oitava década de vida de Delfim. O corpo em formato de pêra, as mãos bem cuidadas, o cabelo retinto, o bom humor e o estrabismo são os mesmos. Mas o ex-belzebu da esquerda é agora conselheiro de um presidente petista, dá longa entrevista para o blog do Zé Dirceu e chega a elogiar Karl Marx em artigos. Defende, com ênfase, os programas de transferência de renda do governo Lula e afirma que os direitos dos trabalhadores e a defesa do meio ambiente são definitivos. Por essas e outras, diz que o “viés de esquerda”, hoje em dia, virou sinal de trânsito. Depois de não obter a reeleição para deputado federal, em 2006, poderia se esperar que Delfim, então com 78 anos, rumasse para a aposentadoria. Com um patrimônio declarado de R$ 2,1 milhões (principalmente em imóveis) e o direito a pensões obtido por passar décadas no serviço público, ele poderia confortavelmente se dedicar a ler mais livros de sua lendária biblioteca. Porém, a julgar pelo movimento de carros e pessoas no casarão que sua consultoria, a Idéias, ocupa no bairro do Pacaembu, o trabalho parece ter aumentado e não diminuído. Ao longo de um mês, Delfim profere pelo menos quatro palestras (a um preço apurado de R$ 10 mil cada), escreve uma porção de artigos, leciona algumas aulas e participa de várias reuniões com clientes e dos muitos conselhos para os quais foi nomeado ao longo da vida. Somam-se, ainda, as dezenas, se não centenas, de telefonemas. O economista está no topo da agenda de muitos colunistas, entre as chamadas “fontes jornalísticas” para os quais se deve ligar todo dia para trocar informações. Sim, trocar: quem dá mais recebe mais; quem não sabe nada, leva no máximo uma frase de efeito. À revista PODER, Delfim falou por 52 minutos, no dia 18 de março, sobre o crescimento da economia brasileira e o impacto da crise nos Estados Unidos, sobre a eleição e os presidenciáveis para 2010, comparou governos e presidentes e até contou o que faz (e o que não) com seu dinheiro. Para facilitar a compreensão, a entrevista foi editada. LULA Ele tem uma inteligência absolutamente privilegiada. Eu acho que o Lula salvou o capitalismo brasileiro. Os economistas têm um vício terrível, de ignorar a distribuição de renda. O capitalismo é uma competição, uma guerra. O que você exige de mínimo para uma corrida ser honesta? Que todos tenham duas pernas. Construir um mecanismo que aumente a igualdade de oportunidades (programas de transferência de renda, como o Bolsa-Família) é fundamental para dar moralidade ao capitalismo. Se você não combinar esse sistema com o sufrágio universal, com a urna, termina muito mal. O Lula conseguiu um fato elementar: aumentar a igualdade de oportunidades. É preciso que todos tenham a mesma oportunidade, senão vamos criar dois países. Isso não é garantia de resultado: é garantia de honestidade do ponto de partida. O homem é ele e suas circunstâncias, como dizia o nosso companheiro (Ortega y Gasset). A idéia de que (os programas sociais) é assistencialismo é verdade. Só que é um assistencialismo que está montando uma porta de saída. É um assistencialismo que condiciona a educação, e agora, quando estende para as pessoas de 15 a 17 anos, está tentando colocar essa gente no mercado de trabalho. Há uma mudança de concepção. Essa é que é a contribuição do Lula. O Lula é um sobrevivente. O Lula é o Darwin andando. É um processo da seleção natural mesmo, e com uma vantagem: nunca leu Karl Marx. Não adianta estar com ilusão: quando você entrega tudo para o economista, faz uma política economicista, sem levar em conta esses aspectos (as desigualdades), vem a urna e corrige. Nem (Hugo) Chávez, nem (Evo) Morales, nem (Rafael) Correa são acidentes. São tentativas de correções. O problema é que o sufrágio universal não garante correções na direção certa. Quanto ao sucesso econômico, Lula foi muito honesto. A última frase dele é realmente sensacional: “Eu, mais uma mãozinha de Deus…”. E é nessa ordem mesmo. FHC e a POLÍTICA ECONÔMICA O país estava falido em 2002. Fernando Henrique entregou o país com a inflação rodando a 30% (ao ano), com as exportações crescendo a 4,5% (ao ano), com a dívida externa crescendo a 6,5% (ao ano), e US$ 17 bilhões de reservas. Tanto que para o Fernando iria ser “Lula, o Breve”: em seis meses ia ter inflação em 100%, ele ia ter de voltar ao Fundo Monetário, e o Fernando ia ser chamado de volta para salvar o Brasil. O que aconteceu de 2002 para 2003? Durante oito anos de Fernando, a exportação cresceu 4,5%, no primeiro ano Lula, cresceu 22%. Houve uma explosão no mundo, houve o aparecimento da China, da Índia… Essa é que é a “mãozinha de Deus”. E hoje você está em uma situação de bonança que é quase inacreditável. Você está com reservas de US$ 193 bilhões, está com as exportações crescendo de 17% a 18% (ao ano), felizmente as importações estão crescendo a 45%, de tal forma que esse superávit comercial vai diminuir mesmo. O que melhorou, na verdade, foi isso, o resto não mudou nada. Nem sequer a política cambial é melhor do que a anterior. Foram três coisas: 1) Primeiro, foi essa atitude de reconhecer que existe um negócio que nós temos de mudar; ainda que não vá poder dar, com a velocidade que se quer, a igualdade de oportunidades, as pessoas têm de ter a consciência de que está caminhando nessa direção, que é pra aceitar a política econômica. (No governo Fernando Henrique) não tinha sequer a concepção, era um negócio de atender pobre, pobre que o próprio governo estava construindo com uma política econômica devastadora; 2) Segundo, foi a “mãozinha de Deus”; 3) Terceiro, foi o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento); o PAC colocou outra vez na mesa o problema do desenvolvimento. Fazia praticamente 20 anos que ninguém falava em desenvolvimento; o PAC aumentou o investimento público. Não é apenas o governo federal: o Aécio (Neves) está fazendo a mesma coisa, o (José) Serra está fazendo a mesma coisa. As pessoas não estão entendendo que está havendo um aumento do investimento público em infra-estrutura, e o efeito multiplicador do investimento público é muito importante. O Fernando gastou um tempo imenso na reeleição (para aprovar a emenda constitucional) e com métodos heterodoxos. O tempo que ele poderia ter aproveitado para fazer o desenvolvimento, ele aproveitou para se reeleger. E o que é pior: pra nada. Porque o segundo mandato foi mais lamentável que o primeiro. Ele fez algumas coisas que foram importantes. A contribuição, talvez, mais importante foi a ordem nas finanças estaduais – é claro que ninguém passa oito anos sem fazer alguma coisa, seria um escândalo maior do que foi. 2010 e o CRESCIMENTO DA ECONOMIA Desde os anos 40 estudos empíricos mostram o seguinte: o fator mais importante na eleição é o fator econômico. O presidente (Lula) terá uma importância muito grande na eleição. Se ele vai eleger (o sucessor), não sei. Mas ele vai ter uma importância muito grande se o Brasil continuar crescendo 5% a 6% ao ano, como tudo indica que vai continuar. Quais são os dois fatores que podem abortar o crescimento? É a crise energética e a crise em contas correntes. Os dois fatores, na minha opinião, estão mais ou menos resolvidos. Mesmo com a crise americana, você tem US$ 193 bilhões de reservas, e isso permite quatro anos de besteiras, que é o tempo pra comer isso, ou permite quatro anos de uma política melhor do que a atual. (Quanto à) crise energética, a mãozinha de Deus deu mais uma ajudada (voltou a chover), o que prova que a nacionalidade dele é correta. Em menos de 12 meses, ele provou três vezes a sua preferência: com (os campos de petróleo de) Tupi, Júpiter e água. Em 2009, eu acho que você não terá mais surpresas porque o governo levou um susto dos diabos. Você poderia ter um problema de gás, porque a Petrobras é a única empresa em estado quântico, ela pode vender a mesma molécula para dois sujeitos, garantindo que vai entregar (em referência ao gás combustível prometido aos taxistas). Mas hoje os tais navios de gás liquefeito estarão no Brasil antes do fim do ano, 2009 eu acho que está superado. Co-geração vai ter um papel importantíssimo, o governo acordou, está deixando o pessoal do bagaço (de cana) entrar direto na linha, você tem aí guardados 3 mil a 4 mil megawatts que podem ser utilizados. OS PRESIDENCIÁVEIS Você tem o Ciro (Gomes), você tem o Serra, você tem o Aécio, você tem a Dilma (Rousseff), você tem o Patrus Ananias. Dilma é, na minha opinião, a mais eficiente ministra do governo. Ela mostrou que tem uma capacidade administrativa muito grande. E mostrou mais: se livrou do viés que teve no passado. Era um viés antiprivatista, e com uma certa razão. Há uma assimetria de informação, o sujeito que vai disputar uma concorrência sabe muito mais do que o governo sobre a concorrência, e o que é pior, ele não conta para o governo; e segundo, você não tinha mecanismos de proteger o consumidor. A concorrência dos sete trechos das estradas federais fez cair a ficha: existem mecanismos de leilão desenvolvidos pelos economistas que tornam possível reduzir essa assimetria de informação, obrigam o sujeito a contar o que ele sabe e ainda protegem o consumidor. Esta é a grande revolução do governo, é a grande mudança do governo Lula do segundo mandato. Está trazendo os investimentos privados. Não estão acontecendo na velocidade que a gente gostaria porque não há projeto. O Patrus é o outro lado, do aumento da igualdade de oportunidades. O governo dispõe de dois vetores, mas muito menos visíveis que os dois vetores da oposição. Aécio e Serra estão fazendo uma administração de muito boa qualidade, os dois estão procurando enfrentar os problemas. Mas São Paulo tem muito mais problemas. Esse problema do trânsito de São Paulo, por exemplo, é uma tragédia e vai desabar em cima do governo, queira ou não queira, não tem como fugir dele. O Serra está fazendo um bom governo. O Aécio está fazendo um bom governo. Agora, o PSDB é uma coisa insondável. O Ciro corre por fora. O Ciro tem um recall. Tem algumas idéias com um certo charme, tem algumas outras com menos charme, mas eu acho que ele está posto. O Ciro não é um azarão, o Ciro é uma coisa estranha, de vez em quando ele tropeça nele mesmo. Se não tropeçar nele mesmo, a coisa do Ciro é muito mais séria do que parece. Ele tem uma mensagem que fala à sociedade. A Dilma nunca foi submetida a uma eleição. O Jânio (Quadros) me dizia: “Delfim, ganha a eleição quem foi mais ouvido”. Pega o Mitterand: uma vez, duas vezes, três vezes, na quarta vez se elege. É por acumulação. O tal recall é uma somatória de recalls (de várias eleições). Aqui você tem dois que têm um recall enorme, o Serra e o Aécio estão colocados aí há oito, 12 anos. Foram submetidos a duas, três eleições. Essa acumulação persiste. Eu acho que eles têm essa vantagem. No governo, o Patrus tem um recall local, não tem um recall nacional. Ele leva certamente uma desvantagem nesse processo. Mas tem uma vantagem, que é o carro com o motor funcionando que poderá movê-lo. O BRASIL NO MUNDO Eu acho que o Brasil tem todas as condições de continuar crescendo entre 5% e 6% ao ano, porque os fatores que abortam o crescimento não vão aparecer. O Brasil poderá ter muitas surpresas, mas eu acho que o Lula está prevenindo a maior de todas as surpresas, que é a eventual queda dos preços dos produtos agrícolas e minerais que são exportados. Esse programa exportador industrial que está sendo montado pelo Miguel Jorge (ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) se destina a começar a construir de novo um setor exportador industrial enérgico. A hipótese da OMC (Organização Mundial do Comércio) é a mais indecente de todas: “Para o Brasil, a agricultura e o minério, para a Índia, os serviços, e para a China, a indústria”. Banana pra eles! Nós vamos ter, daqui a 25 anos, de 240 a 250 milhões de habitantes, teremos de dar emprego para 140 milhões de brasileiros entre 15 e 65 anos, ninguém vai fazer isso com exportação agrícola e mineral. Nós somos vítimas de um complexo malthusiano. O progresso tecnológico nesses dois setores economiza mão-de-obra e economiza terra. A hipótese da OMC (Organização Mundial do Comércio) é a mais indecente de todas: “Para o Brasil, a agricultura e o minério, para a Índia, os serviços, e para a China, a indústria”. Banana pra eles! Nós vamos ter, daqui a 25 anos, de 240 a 250 milhões de habitantes, teremos de dar emprego para 140 milhões de brasileiros entre 15 e 65 anos, ninguém vai fazer isso com exportação agrícola e mineral. Nós somos vítimas de um complexo malthusiano. O progresso tecnológico nesses dois setores economiza mão-de-obra e economiza terra. DIREITOS ADQUIRIDOS Hoje, duas coisas são conquistas: a defesa do meio ambiente pode até ser exagerada, mas é um negócio definitivo. Eu, quando era moleque nas ruas do Cambuci, matava passarinho e comia o passarinho. Hoje, qualquer criança, se você contar isso, tem de ir para um psiquiatra. E a segunda é que não tem mais jeito de você retirar direito dos trabalhadores. Você tem de permitir que eles negociem os seus direitos, sob a proteção da lei. O Brasil conseguiu isso com o velho jeitinho. Tudo no Brasil é negociável. Você vai para a Justiça do Trabalho e negocia tudo. É por isso que o Brasil tem um sistema muito mais flexível do que parece. REAL X DÓLAR Perguntaram para ele (Warren Buffett): “Como você ganhou US$ 100 milhões com o real?” E ele: “É que tem uns idiotas lá embaixo (no Brasil)”. Esse é um problema que vem desde o primeiro mandato do Fernando Henrique, que teve de fazer 22% de juro real durante quatro anos para manter o real valorizado. Qual a razão de pagar essa taxa de juros? “Ah, se não pagar esses juros os bancos brasileiros não financiam (a dívida pública)”. Vão aplicar onde? Vão ter de aplicar no setor privado a taxas ainda mais baixas. Tudo isso é uma das maiores mistificações em nome da ciência econômica já construídas. APLICANDO DINHEIRO Eu nunca comprei uma ação. Eu não tenho nenhuma atração por ações. Eu reconheço que, no longo prazo, a bolsa é a melhor aplicação. Você tem uns 100 anos de experiência bem registrada mostrando que a bolsa dá uns 3% real acima dos outros investimentos no longo prazo. Quem aplica em bolsa tem de estudar, tem de prestar atenção. Quem não tem tempo pra isso é melhor comprar um “fundinho” (cotas de fundo de investimento). LEITURAS Entender o mundo de hoje, pra mim, é procurar entender como ele funciona economicamente. Não creio que haja algum livro-chave hoje em dia para isso. Dos livros do passado, eu diria que está tudo em Adam Smith, desde que você leia os dois: Teoria dos Sentimentos Morais e A Riqueza das Nações. Está tudo lá. No Adam Smith o agente era um agente moral. Ele inventou um observador que era uma coisa interna do sujeito, ele tinha uma moralidade implícita, como se fosse um imperativo categórico. O observador invisível estava dentro de você. A nossa crise é produto da imoralidade de funcionamento do sistema. O sistema financeiro nasceu para servir a economia real, mas ele se apropriou da economia real. Qual é a única regra moral do sistema financeiro? O maior lucro possível, no menor tempo possível, para obter o maior bônus possível e correr para aplicar em papéis do Tesouro americano.

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Perseguida, SEGUIDA.

PESQUISA ELEITORAL
Uma pesquisa encomendada pelo senador Sérgio Guerra, (presidente nacional do PSDB), divulgada ontem,(sem o número) mostrou que a Ministra Dilma Rousseff, subiu em prestígio e popularidade, depois que a oposição a envolveu no vazamento do “dossiê”. Na pesquisa divulgada em 26 de março, tanto no IBOPE, quanto no CNT/Sensus, Dilma Rousseff, tinha 1% das intenções de voto. Na pesquisa encomendada pelo PSDB, a Ministra Dilma tem agora, 7% das intenções de voto. Vejam bem, essa informação foi me passada por um tucano. Pode até ser que esse número seja bem maior que o informado. Ainda segundo esse tucano, a pesquisa, chegou em primeiro lugar, nas mãos do governador José Serra(PSDB-SP), e o PSDB, diante da constatação de que a ministra mais cresce quanto mais apanha, procura reorientar sua tropa. Os tucanos descobriram também que;O governo Lula é ótimo/bom para 75% daqueles que declararam voto na ministra Dilma Rousseff (PT), sendo regular para 19% e ruim para 6%. Desabafo País http://www.osamigosdopresidentelula.blogspot.com/ Jussara Interessante essa pesquisa. Faltam 2 anos e meio para a eleição presidencial, a ministra Dilma tem dito que não é candidata, ela está junto com o presidente Lula divulgando as obras do PAC, não está em campanha eleitoral. A oposição a mídia estão massacrando a ministra antecipadamente, ela pode vir a ser candidata a sucessão de Lula no futuro, ela tem potencial para ser presidente do Brasil. Isso está tirando o sono da oposição, e irritando a mídia. Com essa exposição diária que a oposição e mídia estão fazendo da ministra, ela já ganhou uma notável popularidade, subiu nas pesquisas. Imagina se ela for mesmo a candidata de escolha do presidente Lula, e em 2010 iniciar a campanha, não vai ter para ninguém. Dilma se elege presidente do Brasil, com ajuda até da oposição

sábado, 12 de abril de 2008

O VERDE DA BLOGOSFERA VIOLENTOU O ESGOTO DO PIG

 
Igor Romanov

Lendo um post do Eduardo Guimarães, em seu necessário e impagável blog Cidadania.com (para acessar o blog do Eduardo clic aqui), ocorreu-me a idéia de escrever este post. Lá em seu blog, Eduardo revela os ataques que a blogosfera vem sofrendo dos veículos e de agentes midiáticos vinculados ao PIG (Partido da Imprensa Golpista). O último deles veio desferido por um assessor da vereadora paulistana Soninha (uma que era do PT e se bandeou para o PPS), um rapaz equivocado que se esconde sob o sugestivo pseudônimo de Gravataí Merengue (seja lá o diabo que isso signifique). Mas por que os ataques virulentos à Blogosfera? O que os move nessa diabólica e mefistotélica cruzada do Mal contra o Bem? Descartando teorias conspiratórias e teses diversas, vou logo ao cerne da questão: A Blogosfera retirou do PIG o poder que o PIG tinha de: eleger governos, de derrubar governos, de construir e demolir mitos políticos, de manipular desavergonhadamente a notícia e torcê-la em seu benefício; e de, ao fazer tudo isso, colocar seus agentes nos postos-chaves dos governos, em todas as instâncias, plugando suas ventosas no dorso magro do Estado e sugando, para si e seus agentes, os recursos que deveriam ser aplicados em benefício de todos. Em suma, a Blogosfera está retirando o ar do PIG (o processo é gradual)! Eis aí caros leitores, exposto de forma sucinta e castiça, os reais motivos pelos quais o PIG ataca a Blogosfera! E que, por tabela, são os mesmos motivos pelos quais ataca violentamente o governo Lula. É que Lula, embora de forma inda tímida, promove a inclusão digital, ampliando o acesso dos brasileiros ao computador e à internet banda-larga! Por isso a oposição golpista instrumentaliza o PIG e por ele se deixa instrumentalizar, numa parceria nefasta para predarem o país e mantê-lo manietado em nome da defesa de privilégios de uma casta de calhordas que sangraram e sangram os recursos do país desde sempre. E nós, a Blogosfera, implodimos essa parceria! Já não mais manipulam impunemente a informação! Já não mais derrubam governos (Lula é um exemplo claro disso: quanto mais o atacam, mais alavanca sua popularidade)! A Blogosfera retirou o véu e a teia de enganos em que eles (oposição e PIG) mantinham a imensa massa de pobres deste país! Por isso, este blog cumprimenta e parabeniza toda a Blogosfera de resistência! Cada um de nós, com seu blog, está ajudando a construir um país mais livre e mais justo!