sábado, 13 de dezembro de 2008

Depois do SIFU, LULA CHAMA DE IMBECIL QUEM "TORCE PARA CRISE CHEGAR AO BRASIL"


Li no Nlog Democracia e Politica que Leu no UOL o seguinte texto produzido para a Folha Online:

“O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira que muitos comentaristas e articulistas de economia torcem contra o seu governo e usam a crise financeira internacional para atingi-lo. Para Lula, "tem gente que torce" para que a crise chegue ao país e "derrote" o seu governo. "O imbecil não sabe que se a crise vier o derrotado não será o governo, será o País, que está experimentando o maior índice de crescimento da sua história", afirmou Lula em discurso durante uma inauguração de obra em Belo Horizonte, ao lado do governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB). Lula lembrou que as crises econômicas que ocorreram no mundo aconteciam em países pobres --como Brasil, Rússia, Malásia, México e Argentina. "Mas esta crise que nós estamos vivenciando nasceu no coração da economia mais rica do planeta. É uma crise que os Estados Unidos estão exportando para o mundo". Segundo o presidente, a crise americana já chegou na União Européia, Japão, China e Índia, e pode atingir também o Brasil. "É preciso saber a que tamanho que ela pode chegar e nós poderemos definir o tamanho que esta crise pode chegar ao Brasil". No discurso, Lula assegurou que nenhuma obra do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal, será paralisada. Ele afirmou que está pedindo para que governadores e prefeitos também não interrompam investimentos em infra-estrutura. EUA Em Belo Horizonte, Lula comparou o seu governo com as promessas de campanha feitas pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama. Segundo o presidente brasileiro, Obama afirmou que vai gerar 2 milhões de empregos e investir em obras de infra-estrutura. "Na verdade, acho que ele vai fazer um PAC, acho que ele vai fazer um PAC lá", disse Lula. "É que ele está prometendo criar 2 milhões de empregos até 2011. Somente este ano no Brasil, de janeiro a outubro, nós criamos 2,2 milhões de empregos com carteira profissional assinada".

Nenhum comentário: