Ser covarde, é...

Ser covarde, é...

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Sarney e os Hipócritas do Senado

Sarney e os Hipócritas do Senado escrito por Guina em 30/07/2009.

Todos dias assistimos atônitos aos inúmeros problemas vividos pelo atual presidente do Senado, o José Sarney. Cada dia que passa pipocam mais e mais "rolos" envolvendo seu nome ou alguém da sua família. E no meio desse barulho todo, eis que também vemos a cara-de-pau de outros senadores posando de "maoralistas da pátria" com a clara intenção de se aproveitarem politicamente dos problemas de Sarney para tentar iludir a opinião pública. Ora, que os problemas envolvendo José Sarney são vergonhosos, creio que todo o país concorda. Mas o que dizer daqueles que o estão atacando? Será que possuem mesmo moral para isso?
Vejam abaixo (com os links), alguns exemplos dos senadores que estão "descendo o pau" no Sarney:

Irmã de assessor de Arthur Virgílio foi nomeada por ato secreto
Arthur Virgílio confirma ter recebido empréstimo de Agaciel Maia
Heráclito Fortes paga até hora extra para filha de FHC trabalhar em casa
Tasso Jereissati paga avião fretado com dinheiro do Senado

Bem, esses são só alguns exemplos de como a hipocrisia barata reina no Congresso Nacional, pois os "digníssimos" senadores acima são os mesmos que aparecem a todo instante no rádio e na TV para posarem de "moralistas" e atacarem o Sarney.
Com que moral eles fazem isso se cometem atos idênticos?

Quem eles acham que podem enganar? Será que o povo brasileiro é trouxa de imaginar que os mesmos que cometem irregularidades possuem condição de criticar os outros? Infelizmente, a realidade é uma só: ou se faz uma reforma profunda na estrutura política deste país ou de nada vai adiantar tirar o Sarney da presidência do Senado. A saída dele seria apenas um ato moral e ético para satisfazer momentâneamente a opinião pública. Nada além disso. Imaginar que um bando de Senadores, enrolados até o pescoço com os mesmo problemas que o Sarney possui, vá moralizar alguma coisa no Congresso é "conversa pra boi dormir". Chega de hipocrisia! Só uma profunda reforma política vai dar jeito em Brasília. O resto é "fumaça" feita por aproveitadores tão cheios de "rolos" quanto quem eles atacam.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Schumacher de volta, Lula lá na Paraiba, melhor dizendo aqui.

Schumacher substitui Massa e volta à F1 no GP da Europa em Valência
O site oficial da Ferrari anunciou que Michael Schumacher vai correr o GP da Europa no lugar de Felipe Massa. O alemão convocou a imprensa para uma entrevista coletiva.
Será uma oportunidade para sabermos porque a Ferrari caiu tanto ou se foram as outras equipes que evoluiram. Felipe Massa, pelo que aparenta é bem diferente de Rubens e Schumacher. Um, reclama muito e nada mostra. O outro faz muito e não dá mole para a equipe. A Ferrari tem errado muito, desde que Schumacher parou de correr e não é exagero dizer que Massa não foi campeão no ano de 2008, por pura negligencia dela. Vamos ver no que dá, eu confesso, sou fã de carteirinha dos dois Felipe e Shumacher e torço para que os mesmos tenham sucesso nas pistas.

Lula na Paraiba.
O Presidente Lula esteve aqui na Paraiba, ontem 28, para inaugurar (oficialmente)o Instituto Federal de Educação Tecnológica em Campina e a duplicação da BR 230 (finalmente), trecho Campina Grande - João Pessoa. A vinda de Lula trouxe bons rendimentos para a base aliada e preocupação para a oposição. A oposição, capitaneada pelo pizzaiolo e chefe da confraria, segundo a Policia Federal, o senador Cícero Lucena do PSDB, deitou criticas a Lula, porque ele deu entrevista exclusiva ao sistema Correio. Acontece, que essa entrevista era um compromisso de Lula quando esteve aqui em 2002 e disse, que se ganhasse a eleição viria a Paraiba e concederia a entrevista. Cumpriu. O senador Cícero, disse que iria entrar com uma representação junto a API questionando a exclusividade, já que Lula era o presidente da nação, não era a copa do mundo, blá, blá, blá...
Recordar é sofrer duas vezes, ou é apenas lembrar de novo? Estou lembrando agora quando Lula esteve pela primeira vez aqui na Paraiba. Não lembro de nenhuma briga dos profissionais da imprensa para entrevistá-lo. Lula participou de uma reunião-entrevista na sede da API e os participantes ficaram sentados ao chão. Agora que o homem é presidente, sabe como é. Naquela época não tinha cadeira, hoje chove microfones e câmeras. Mas como a oposição é oposição, não perdeu a chance de desfilar bobagens e ignorancias. Um disse que Lula não tinha trazido nada, que a BR tinha sido duplicada pelo fhc. Aqui cabe um grande conserto a bem da verdade. É verdade que a obra foi inicida no governo de fhc, só que esqueceram de dizer, que o Governador era José Maranhão, e que o fhc só entrava com apenas 10% e o Estado da Paraiba com 90%. O Presidente Lula inverteu essa lógica e financiou 80%, fazendo a obra sair de alguns carros de mão para a sua concretização. Agora sim, reparamos definitivamente, a obra e a informação. Interessante, é que esqueceram de falar dos IFETs, pode um negócio desses? É porque como cria dos IFETs vêm os Campus que são muitos como o de Cabedelo, Picui, Princesa Izabel, Monteiro, etc, etc. É oposição, viu por que voces são chamados de pizzaiolos?

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Midia dá uma de joao sem braço.

Taxas Selic são as menores desde 1995 Por Douglas Yamagata A diminuição da Taxa Selic é uma cobrança constante do setor empresarial brasileiro. A Crise Mundial reforçou esta tese fazendo com que esta cobrança se acentuasse ainda mais. Pragmaticamente, a mídia a todo instante reforça de que a taxa de juros ainda é uma das mais altas do mundo, e que é preciso diminuir ainda mais. Nada mal para os banqueiros, que apesar da diminuição na Taxa Selic os bancos ainda continuam lucrando e muito. A oposição tucana continua batendo na diminuição da Taxa Selic, mas é necessário reforçar que as taxas são as menores desde de 1995. Ou seja, o governo FHC praticou juros exorbitantes, cuja taxa anual chegou a mais de 80%, bem diferente de agora que está abaixo de 10% anuais (abaixo dos dois dígitos). Do Blog do Douglas

Não sei se a mídia fala por ignorancia ou sacanagem. Não é difícil encontrar na mídia, manchetes onde acusa a nossa Taxa tributária como a maior do mundo. Quando a gente começa a ler o conteúdo??, percebe uma total confusão. É carga tributária sendo confudida com arrecadação, com taxa Selic, com juros bancários. É salada de confusão. O mais incrível disso tudo, é que no Governo Lula, todas as taxas herdadas da herança maldita do desgoverno fhc foram baixadas, mas a mídia dá uma de joão sem braço. O Brasil tem uma das menores taxas tributárias do mundo. Enquanto que a nossa taxa chega a 34% tem países onde ela ultrapassa 50%. OK, podemos identificar mal uso do dinheiro público isso é fato, mas a luta para que tenhamos emprego justo do dinheiro, não é tarefa apenas do governo. Nós somos parte importante e se nos omitimos, governo nenhum vai conseguir sucesso.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

A sociedade secreta


Esse Efraim, não tem jeito mesmo!
“O senador Efraim Morais mantém empresa com ex-funcionário acusado pelo Ministério Público de fraudar licitações no Senado.
Mino Pedrosa, Sérgio Pardellas e Hugo Marques / ISTOÉ.
O senador Efraim Morais (DEM-PB) subiu à tribuna na terça-feira 14 numa tentativa de se defender da denúncia publicada na última edição de ISTOÉ, segundo a qual ele seria um dos principais beneficiários de um esquema de desvio de dinheiro público e pagamento de propinas que funcionaria na primeira secretaria da Casa. Pouco esclarecedor, o discurso de Efraim em nenhum momento refutou a principal acusação de um dos cabeças da organização citada na reportagem: a de que ele teria recebido uma comissão de R$ 300 mil mensais da Ipanema Empresa de Serviços Gerais e Transportes Ltda. que, alvo de uma investigação do Ministério Público por superfaturamento, teve seu contrato encerrado no Senado no final de março. Visivelmente desconfortável, Efraim limitou-se a ler uma carta redigida por Aloysio Brito Vieira, apontado na reportagem como o "operador do DEM", em que ele nega fazer parte do esquema, embora admita responder a ação de improbidade administrativa por irregularidades cometidas durante sua gestão à frente da Comissão de Licitação da Casa. O senador paraibano também recorreu a platitudes ao dizer que, segundo o próprio Ministério Público, "a ação de improbidade administrativa em relação às fraudes constatadas nas contratações do Senado não inclui nenhum senador", como se as investigações, em curso, já tivessem sido concluídas. O senador sabe que não estão. Apesar de Efraim ter dito que possui o apoio do DEM, apenas um senador de seu partido, o líder Agripino Maia (RN), aceitou aparteá-lo. Mesmo assim, não para defendê-lo, mas apenas para elogiar a iniciativa, divulgada durante o seu pronunciamento, para que o MP e o TCU promovam auditoria sobre os contratos sob suspeição firmados pelo Senado de 2003 até hoje.O problema para Efraim é que, ao decidir solicitar nova auditoria nos contratos por ele subscritos durante sua gestão à frente da primeira secretaria do Senado, ele pode ter jogado contra si mesmo. Segundo apurou ISTOÉ, envolvido com a quadrilha acusada de fraudar as licitações no Senado, Eduardo Bonifácio Ferreira, que, de acordo com a investigação do MP, detinha a chave do gabinete de Efraim e era quem recebia os pacotes de dinheiro proveniente da propina e entregava ao senador, passou uma procuração ao parlamentar em novembro de 2001, no Cartório do 4º Ofício de Notas de Brasília. No documento, Ferreira transfere 50% das cotas do capital da Chemonics do Brasil para Efraim. Só que, estranhamente, em 2002, quando se elegeu senador, Efraim não declarou a existência da Chemonics em seu patrimônio. Para a Polícia Federal, este tipo de procuração pode ser uma fórmula para simular negócios. O CNPJ da Chemonics do Brasil, que aparece na procuração, na verdade pertence à Syngular Consultoria, que não tem nome fantasia. Detalhe: as duas empresas funcionam no mesmo endereço, no Bloco A da Quadra 111 Norte, em Brasília. Lá, os porteiros disseram que jamais funcionou uma empresa chamada Chemonics. No prédio, Ferreira era conhecido como dono da Syngular e se apresentava como "advogado e consultor". O sócio de Efraim é craque em abrir empresas.”

Foto: Ségio Lina, Folha Imagem

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Guerra de números ou fatos incontestáveis?

Guerra de números ou fatos incontestáveis? Para quem insiste em afirmar que o PT e o Presidente Lula aumentaram a corrupção no Brasil, seguem dados estarrecedores do TSE que negam tal ilação: O DEM, ex PFL, o partido de Efraim Morais-PB, de Heráclito Fortes-PI, de Agripino Maia-RN e do ex prefeito do Rio Cezar Maia, com 69 cassações (20,4%).
PMDB, o partido de Renan-AL, de Sarney-MA, de Maranhão-PB, com 66 cassações (19,5%).
PSDB, o partido de Cássio-PB, de Tasso Jereissati-CE, e de Artur Virgilio-AM, Álvaro Dias PA, com 58 cassações (17,1%). PT, o partido do Presidente Lula, de Suplicy-DF, em 9ª posição, com 10 cassações (2,9%).
Antes do PT ainda tem PP, PTB, PDT, PR e o PPS do ilibado Roberto Freire-PE.
Portanto, DEM, PSDB e PPS, partidos que fazem oposição ao Presidente Lula e que criaram a CPI da Petrobrás, somam juntos 41,64%, bem acima do PT que tem apenas 2,9%. Esses senhores ainda reclamam de serem chamados de Pizzaiolos. “O Brasil vive hoje uma guerra política e uma disputa entre dois projetos de país. É isso que está em jogo neste momento, ou seja, se mudaremos ou não de projeto no ano que vem. É uma guerra na qual um dos lados decidiu apelar até para a sabotagem para retomar o controle do Estado. Um desses projetos considera que o Bolsa Família é “esmola”, que em um país com mais da metade da população negra ou descendente de negros estava correto essa população não ter nem um por cento de universitários, que numa crise como esta deve-se cortar gastos públicos em vez de investir dinheiro público para fazer a economia funcionar, que deveríamos continuar fazendo negócios exclusivamente com os EUA e com a Europa etc. E o outro projeto prevê exatamente o oposto. Nessa guerra política em curso, o projeto que o país rejeitou em 2002 e em 2006 usa seus jornais, tevês, rádios e alguns paus-mandados na internet para tentar pregar no presidente Lula, em seu partido e em seu governo a pecha de corruptos. Para esse fim, o projeto derrotado nas duas últimas eleições presidenciais cria, através dos seus meios de comunicação, crises políticas e escândalos forjados, alarma a população com epidemias inexistentes que seriam culpa do governo, acusa o projeto de país vigente de se aliar a políticos e a partidos acusados de corrupção enquanto esconde suas alianças com políticos acusados da mesma coisa, diz que tudo que acontece de bom no país é mérito dele pelo que fez no passado e tudo que está ruim é culpa do projeto a que se opõe, tem histórico em seu período de vigência de ter sido favorável a privatizações e a supressão de direitos trabalhistas etc. Do Blog Democracia & Politica.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Pizzaiolo, nós?... Apagão Elétrico

Bons pizzaiolos? Depois de Lula afirmar que no Congresso existem mais de 300 picaretas, agora fala que os senadores de oposição são bons pizzaiolos. A pizza é uma mania nacional, razão porque penso que Lula não acertou dessa vez. Um Senado em que senadores recebem propinas milionárias, onde existe um motel, onde senadores sonegam Imposto de Renda, onde se administra com atos secretos, onde a maioria sequer se preocupa em assinar o ponto, onde tem senador inscrito na Dívida Ativa, e por ai vai, dizer que esses senhores são "bons pizzaiolos", é uma agressão ao gosto nacional. O Presidente Lula, com 80% de apoio da população, bem que poderia ter dito o que realmente a maioria da população, (que assiste a tudo isso e nada pode falar), tem vontade de falar: FILHOS DA ....! Isso sim, depois disso, ele poderia ir para a galera, Comemorar.

Por essa fhc não esperava!O Valor Econômico noticiou auditoria do TCU (Tribunal de Contas da União) apurou o custo do apagão elétrico, produzido pelo governo tucano de FHC, para os brasileiros: R$ 45,2 bilhões! Esse foi o valor retirado diretamente do bolso dos brasileiros através do impacto nas tarifas e através do Tesouro Nacional. O valor é suficiente para a construção de 6 usinas hidrelétricas do porte de Jirau, uma das maiores em construção. Não foi incluído no cálculo as perdas indiretas como desacelaração do crescimento econômico (PIB), inibição de investimentos e de geração de empregos. O apagão ocorreu em 2001 e continuou afetando diretamente a atividade econômica até 2002. O noliberalismo do estado mínimo tucano saiu bem mais caro do que se houvesse, na época, planejamento e investimento estatal.

A Oposição de Pizzaiolos está reclamando do que? O Senado vai entrar em recesso, e entre centenas de discursos "defendendo a moralidade", as únicas AÇÕES concretas foram tomadas por ninguém menos do que o demonizado Presidente da Casa, José Sarney. A anulação dos mais de 600 atos secretos e devolução do dinheiro aos cofres do Senado, foi medida determinada por Sarney, mas os "paladinos da moralidade" demo-tucanos já querem fazer a PIZZA, derrubando a medida na justiça.
Nada de Arthur Virgílio (PSDB/AM) calcular e dizer qual é o valor que vai devolver aos cofres públicos do Senado. Joga com o tempo para deixar a PIZZA assar.
Tasso Jereissati (PSDB/CE) nem cogita em devolver R$ 500 mil de querosene gasto para seu jatinho às custas do Senado. Acabou em PIZZA.
Heráclito Fortes (DEMos/PI), não devolve o prejuízo causado ao erário, em torno de R$ 1 milhão, apenas com o emprego da filha fantasma de FHC. Já engoliu a PIZZA.
José Agripino Maia (DEMos/RN) e Flexa Ribeiro (PSDB/PA), ja transformou em PIZZA os pagamentos da Camargo Correa na operação Castelo de Areia com intermédio da FIESP. No Senado acabou em PIZZA, mas na Polícia Federal e Ministério Público ainda vai render.
Eduardo Azeredo (PSDB/MG), foi absolvido no Conselho de ética, mesmo depois de tornar-se réu pelo mensalão tucano. PIZZA.
Marconi Perillo (PSDB/GO), mesmo denunciado pelo Ministério Público, é eleito vice-presidente do Senado depois disso. E dá-lhe PIZZA.
Kátia Abreu (DEMos/TO), não declarou 3000 cabeças de gado ao TSE, além de várias denúncias na imprensa. E a PIZZA assando...
Pedro Simon (PMDB/RS), a gente fecha os olhos ouvindo os discursos dele, pensa que ele está falando da Yeda Crusius, quando abre os olhos não é. Nem toca no assunto Yeda Crusius a não ser para defendê-la. Esse é o maior PIZZAIOLO da política nacional.
MaraJarbas (Jarbas Vasconcelos, PMDB/PE) transformou em PIZZA sem resposta, sua bolsa-marajá de R$ 17.374,00 como procurador da Assembléia Legislativa, aposentado com apenas um ano de cargo. Também temperou a PIZZA com a sigla JV, um caixa 2 de MaraJarbas em 1993.
Cristovam Buarque faz a "promoção" leve 1 PIZZA pague 2: o contribuinte elege 1 Senador, e paga 2 gabinetes no próprio Distrito Federal.
Se perguntarem a 10 entre 10 pessoas, se preferem que uma equipe de auditores da Petrobras investigue o Senado, ou se preferem que Senadores investiguem a Petrobras, adivinhem qual a resposta unânime das 10 pessoas?
Mas os senadores demo-tucanos preferem fazer a CPI de lesa-pátria da PetrobraX, do que a CPI do próprio senado proposta por José Neri (PSOL/PA). Quer mais PIZZA do que isto?
Os pizzaiolos da oposição estão reclamando do quê?

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Tirinhas

* Reviravolta na chacina do Rangel. A chachina do Rangel toma novos rumos, depois que um dos sobreviventes ter dito ao seu tio, que Carlos José da Silva, o monstro do Rangel ao invés de ter assassinado 7 pessoas, só teria assassinado 1 pessoa, e que quem matou as 6 pessoas, foi a Edileuza de Oliveira Santos, a esposa do Carlos. Em se confirmando essa denúncia, podemos perguntar? Quem é, e quem não é monstro? Sim porque, a população paraibana aplaudiu as torturas que Carlos José sofreu dentro do presídio, pediu até que ele fosse jogado aos leões, para ser comido! Embora que o que ele e ela tenham feito seja hediondo, a tortura não se justifica e quem cometê-la tem que pagar com todos os rigores da Lei. Não é muito diferente quem apóia a tortura, de quem mata. Outro detalhe que a população tem que ter em mente, é que a Justiça é implacável contra pobres, e nos dias de hoje, basta uma ligação anônima para nós estarmos dentro de uma cela, e depois que as portas são fechadas, culpados e inocentes são iguais. Quem vai encarar? * No dia 09 de julho de 2009, o acusado Carlos José dos Santos, réu confesso assassinou com golpes de facão, 7 membros de uma familia, no Bairro do Rangel em João Pessoa-PB.

*O INCONCEBÍVEL LULA! FHC, o farol, sociólogo, doutor honoris causa na Sorbonne, entende de sociologia tanto quanto o governador de São Paulo pelo PSDB, José Serra,entende de economia. *Lula, que não entende de sociologia, levou 32 milhões de miseráveis e pobres a condição de consumidores. *Lula, que não entende de economia, pagou as contas do entreguista FHC,zerou a dívida com o FMI e ainda empresta algum ao FMI *Lula, que não entende de educação, pois a oposição e a mídia o classificam como analfabeto e burro, criou mais escolas e universidades que seus antecessores juntos e ainda criou o PRÓ-UNI onde filho de pobre vai à universidade *Lula, que não entende de finanças, nem de contas públicas elevou o salário mínimo de 64 para mais de 200 dólares e não quebrou a previdência como diziam FHC, Serra, Jereissati e os seus *Lula que não entende de psicologia, levantou o moral da nação e disse que o Brasil está melhor que o mundo mas o PIG (Partido da Imprensa Golpista)entende de tudo acha que não *Lula que não entende de engenharia, nem de mecânica, nem de nada, Lula que não entende de nada, reabilitou o pró-alcool, acreditou no biodiesel e levou o país a liderança mundial de combustíveis renováveis *Lula que não entende de política, mudou os paradigmas mundiais e colocou o Brasil na liderança dos países emergentes, passou a ser respeitado e enterrou o G-8 *Lula , que não entende de política externa nem de conciliação, pois foi sindicalista brucutu, mandou às favas a ALCA , olhou para os parceiros do sul e especialmente para o vizinhos da América Latina, onde exerce liderança absoluta sem ser imperialista, tem transito livre com Chaves, Fidel, Obama, Evo etc.bobo que é cedeu a tudo e a todos *Lula, que não entende de etiqueta, sentou ao lado da rainha e afrontou nossa fidalguia branca de lentes azuis. *Lula, que não entende de desenvolvimento, nunca ouviu falar de keynes,criou o PAC, antes mesmo que o mundo inteiro dissesse que é hora do Estado investir e hoje (o PAC) é um amortecedor da crise *Lula que não entende de crise, mandou abaixar o IPI e levou a indústria automobilística a bater recorde no trimestre *Lula que não entende de português nem de outra língua, tem fluência entre os líderes mundiais, é respeitado como uma das pessoas mais poderosas e influentes no mundo atual *Lula não entende nada de nada e mesmo assim é melhor que todos os outros FONTE: texto de Eugenio Fonseca Pimentel postado no blog “Por um novo Brasil”, de Jussara Seixas, em 14/07/2009.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Tirinhas

*Motel no Senado? Que história mais cabeluda é essa? Resta saber quem usava os serviços sexuais no Senado, se só o diretor afastado Agaciel, ou os distintos senadores. Sendo assim, não é nenhuma estupidez imaginar, que o romance astral entre o senador Renan e a sua companheira Mônica Veloso se dava nesse recinto exclusivo. Será?

*Tortura Nunca Mais! Vídeo espalhado na Internet, dá conta de uma sessão de tortura cometida por agentes penitenciários, contra José Carlos dos Santos, apelidado por "monstro do Rangel" quando ele entrava no presidio para aguardar julgamento. O Carlos José dos Santos foi preso depois de ter confessado que matou com golpes de facão, no bairro do Rangel em João Pessoa-PB, praticamente uma familia inteira (7 pessoas). O acusado está preso, e os crimes dele serão julgados, agora o que se espera do Estado, é que a pessoa tenha um julgamento justo. Praticar tortura, é uma forma de se nivelar ao assassino, além do que, a tortura no Brasil é considerado como crime hediondo, inafiançável. Lembramos da triste história do golpe militar de 64, onde centenas de brasileiros eram presos, torturados e assassinados pelos militares. Triste memória, por isso, Tortura Nunca Mais!

* E Efraim, senador DEM-PB? Metida em mais uma maracutaia, que rendia a ele por mes, nada mais nada menos, que R$ 300 mil reais (Revista Istoé). Usou a tribuna do senado para se defender, mas dizem que a emenda saiu pior que o soneto, pois ele usou dados antigos, de mais de um ano, com prazo de validade vencido. Que facilidade esse senhor tem para se meter em confusão, né? Mas nenhum dar prejuízo a ele, pelo contrário, nós cidadãos inocentes úteis, que nos ferramos.

domingo, 5 de julho de 2009

A direita Carolina


Do Site do amigo Rômulo Gondim



Como na famosa letra de Chico Buarque, a direita golpista não se deu conta de que "o tempo passou na janela e só ela não viu." Para desespero da direita Carolina e seus apoiadores habituais que acompanharam com alguma esperança a quartelada em Tegucigalpa.
Gilson Caroni Filho Classificar Manuel Zelaya como o novo cesarista latino-americano é incorrer em erro conceitual grosseiro. Buscar na influência da política externa venezuelana elementos que permitam compreender os acontecimentos em Honduras revela apenas a precariedade da análise, a falácia de uma metodologia preguiçosa e a má fé política de quem se aventura por esse caminho. Se há algo a ser correlacionado entre os dois países é um passado de institucionalização precária, de redistribuição regressiva da riqueza produzida e empobrecimento crescente das classes trabalhadoras. Se, encarnando aquilo que Gramsci definiu como cesarismo progressivo, Hugo Chávez golpeou fortemente as agremiações tradicionais (Ação Democrática e Copei) e as oligarquias que se refestelaram de petrodólares, sem reinvestir no país um centavo sequer, Melaya foi derrubado, numa quartelada, no dia em que realizaria uma consulta popular, convocando a população a se manifestar sobre uma reforma constitucional. Seria a ampliação do espaço público ameaça tão intensa que justifica a brutalidade da reação? O que une a oposição de direita em Tegucigalpa e Caracas não é o apreço pela legalidade, mas a veneração reacionária por um passado que não lhes poupou privilégios em detrimento de uma maioria excluída de qualquer direito. Enquanto a elite venezuelana, desde a nacionalização do petróleo nos anos 1970, fez do recurso básico a fonte de uma economia do desperdício, incrementando as importações para consumo de bens luxuosos, a hondurenha soube aproveitar ao máximo o fato de o país, por duas décadas, ter, como destaca Flávio Aguiar em seu artigo (Honduras: a lógica do golpe), se transformado em um centro irradiador de ações militares anti-esquerdistas no próprio país e nos vizinhos, como em El Salvador e na Nicarágua. O que se passava no país centro-americano era o embrião de uma política de transferência de renda para os mais pobres, que desagradou às elites conservadoras bem como as oligarquias partidárias, sedentas por continuar a usufruir o bem público como direito hereditário. O fato de Melaya ter confrontado o Congresso, o STF e o Ministério Público serve como justificativa para a ação militar? Há como endossar tese do presidente interino, o golpista Roberto Michelleti, de que se tratou de uma ação preventiva, um contragolpe? O isolamento internacional responde a essas questões. Como na famosa letra de Chico Buarque, a direita golpista não se deu conta de que "o tempo passou na janela e só ela não viu." A resolução unânime de repúdio ao golpe de Estado na Assembléia Geral da ONU, o ultimato da OEA e a condenação categórica da União Européia e dos Estados Unidos demonstram que há uma nova configuração geopolítica mundial sendo desenhada. Para desespero da direita Carolina e seus apoiadores habituais que acompanharam com alguma esperança a quartelada em Tegucigalpa. Já estamos distantes da época em que Robert Mcnamara, então Secretário de Defesa dos EUA elogiava ditadores latino-americanos dizendo que “eles são os nossos líderes. Não é necessário estender-me sobre a importância de ter em posições de liderança, homens que conhecem previamente como nós, americanos, pensamos e fazemos as coisas”. A política, como instrumento de reinvenção, operou uma acentuada mudança de cálculo. Dessa vez, o golpismo não percebeu que “lá fora, uma rosa nasceu, todo mundo sambou e uma estrela caiu”. Feliz conjunção da poética e da práxis que não aceita retrocessos. Gilson Caroni Filho é professor de Sociologia das Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), no Rio de Janeiro, colunista da Carta Maior e colaborador do Jornal do Brasil