sábado, 26 de maio de 2012

F1 - Schumacher trava a pole em Mônaco. Volta por cima ou....

Schumacher é pole, mas punição dá 1º lugar no grid a Webber em Mônaco. Massa larga em 7º


Schumacher trava a pole em Mônaco. Será a volta por cima ou confirmação da tendência de fazer a cada corrida, um vencedor e um pole diferentes?
Michael Schumacher conquistou a pole do GP de Mônaco, neste sábado (26). Entretanto, o alemão, que foi punido pelos comissários da F1 com a perda de cinco posições no grid, vai largar só em sexto. Mark Webber herdou a ponta em Monte Carlo. Felipe Massa larga em sétimo e Bruno Senna parte em 13º
FERNANDO SILVA.

Justamente quando conseguiu a pole, Schumacher não levou (Foto: Red Bull/Getty Images)

A sessão classificatória do GP de Mônaco apenas indicou o grande equilíbrio que a F1 vive nesta temporada. Em momento algum despontou um favorito claro à conquista da pole, neste sábado (26), nas ruas do Principado. Felipe Massa pintou como candidato, principalmente pelo bom rendimento no Q2. Mas tudo mudou no terceiro segmento do treino. Em sessão absolutamente equilibrada, imprevisível e, por isso mesmo, emocionante, Michael Schumacher cravou a pole-position do GP de Mônaco. O piloto da Mercedes cravou 1min14s301. Entretanto, o heptacampeão ganhou, mas não levou a pole. Isso porque o veterano, de 43 anos, foi punido pelos comissários da F1 com a perda de cinco posições no grid da corrida do Principado por conta da batida em Bruno Senna na última etapa do Mundial, na Espanha. Dessa forma, Mark Webber, segundo colocado, que em momento algum esboçou ter chance de lutar pela ponta, herdou a posição de honra no grid e largará na frente em Mônaco.
Nico Rosberg, companheiro de equipe de Schumacher, tratou de colocar a Mercedes na primeira fila, ainda que na segunda colocação. O jovem alemão ocupou a ponta na maior parte do Q3, mas já com o cronômetro zerado, perdeu a chance de marcar sua segunda pole graças a Michael e, principalmente, Webber, que o superou antes do heptacampeão.
Lewis Hamilton, da McLaren, abre a segunda fila do grid e terá Romain Grosjean ao seu lado em Mônaco. O franco-suíço despontou como o grande favorito à pole, principalmente pelo seu rendimento ao longo de todo o fim de semana, mas não conseguiu obter o melhor rendimento dos pneus supermacios nas ruas do Principado. Fernando Alonso deu mais uma amostra da reação da Ferrari e colocou a F2012 em quinto lugar, abrindo a terceira fila do grid, tendo ao seu lado o primeiro grande rival na F1, exatamente Schumacher.
Felipe Massa conquistou seu melhor grid na temporada 2012. Pela primeira vez neste Mundial, o brasileiro conseguiu avançar ao Q3. Antes, no segundo segmento da sessão, Felipe registrou o melhor tempo, fato que o credenciou para lutar até mesmo pela pole. Entretanto, Massa marcou 1min15s049 e ficou só em sexto, mas perdeu uma posição por conta da punição de Schumacher.
Kimi Räikkönen garantiu o sétimo tempo, mas em momento algum o finlandês foi mais rápido que seu companheiro de equipe na Lotus, Grosjean. O nórdico vai largar ao lado de Sebastian Vettel, outro que foi discretíssimo em Mônaco. Acostumado a lutar pela pole há pouco tempo atrás, dessa vez o bicampeão sofreu para entrar no rol dos dez primeiros. Sebastian avançou uma posição já que o nono colocado, Pastor Maldonado, também foi punido pela direção de prova com a perda de dez posições no grid. Fato que possibilitou, também, a ida de Nico Hülkenberg ao grupo dos dez primeiros. Bruno Senna parte da 13ª posição.
Praticamente todos os pilotos deixaram os boxes tão logo a luz verde foi acionada para autorizar a liberação da pista em Monte Carlo. O grande problema da primeira parte da classificação foi o tráfego: 24 carros dividindo a pista mais apertada do calendário, dificultando ainda mais a já difícil missão dos pilotos no Principado.
Com cinco minutos de sessão no Q1, Alonso estabeleceu a melhor volta, com 1min17s128, tempo bastante alto em comparação com a marca de Nico Rosberg pela manhã, no terceiro treino livre: 1min15s159. Mas a tomada de tempos foi interrompida com bandeira vermelha por conta da batida de Sergio ‘Chapolin’ Pérez no S da Piscina.
O mexicano, que vinha em bom ritmo ao longo do fim de semana, teve um problema na suspensão dianteira esquerda do seu C31, o que acabou causando a batida no guard-rail. Pérez e vai largar no fim do grid — já que não chegou a abrir volta cronometrada —, comprometendo desde já a possibilidade de conquistar um bom resultado no domingo.
Não foi definitivamente o sábado esperado para os latino-americanos da F1, visto que Pastor Maldonado perdeu dez posições no grid de largada por bater justamente em Pérez no terceiro treino livre, pela manhã.
A sessão foi retomada pouco mais de seis minutos depois da batida de ‘Checo’ e boa parte dos pilotos na pista. E as marcas seguiam despencando em Monte Carlo. O tempo de Alonso foi superado logo no reinício da sessão. Nenhum piloto, ainda, havia optado pelos pneus supermacios no treino. Schumacher cravou 1min15s873 e subiu momentaneamente para a liderança, seguido pelo companheiro de Mercedes, Nico Rosberg. Massa vinha bem e era o terceiro, seguido por Maldonado. Por sua vez, Alonso era o oitavo, e Senna, o 13º.
Primeiro a deixar os boxes com pneus supermacios, Hülkenberg subiu fácil para a primeira colocação ao anotar 1min15s418. Grosjean, com macios, foi exatamente 0s3 mais lento que o alemão da Force India e subiu para segundo. Senna, também com os compostos mais rápidos do fim de semana, conseguiu boa volta — 1min15s923 — e subiu de 13º para quinto da sessão, à frente de Massa, faltando dois minutos para o fim do Q1.
No fim do treino, Vettel finalmente conseguiu efetuar uma boa volta e saltou de 16º para quarto lugar, graças também aos compostos supermacios. Dessa forma, o rol dos dez primeiros foi composto por Hülkenberg em primeiro e seguido por Kobayashi, Grosjean, Vettel, Schumacher, Räikkönen, Rosberg, Senna, Massa e Webber. Button foi muito mal e fez só o 16º tempo, escapando da eliminação no Q1 por apenas 0s1.
Ficaram de fora do Q2, além de Pérez, os mesmos de sempre: Heikki Kovalainen e Vitaly Petrov, da Caterham, Timo Glock, da Marussia, e Pedro de la Rosa, da HRT, Charles Pic, também representante da equipe russa, e Narain Karthikeyan, companheiro do veterano catalão na nanica escuderia de Madri.
Massa reage e vai ao Q3 pela primeira vez em 2012
Ao contrário do início do Q1, nesta segunda fase da classificação todos deixaram os boxes usando os compostos supermacios. O primeiro a estabelecer volta rápida foi Jean-Éric Vergne, com a Toro Rosso: 1min16s885. Entretanto, foi Rosberg, mais rápido do terceiro treino livre, o responsável por destruir a marca do francês e subir para a liderança com o melhor tempo do fim de semana até então, 1min15s022.
Massa seguia em bom ritmo e conseguia andar em ritmo um pouco melhor que o de Alonso. O brasileiro era o quarto colocado quando faltavam nove minutos para o fim do Q2, só atrás de Rosberg, Webber e Hamilton e imediatamente à frente de Fernando.
Na tentativa de fazer um tempo melhor e se garantir no Q3, Vergne, que faz uma homenagem ao compatriota Jean Alesi em seu capacete, bateu no guard-rail na saída do túnel e danificou a asa dianteira do seu STR7. Vettel, da coirmã Red Bull, também não se encontrou em Monte Carlo. O melhor que o bicampeão do mundo pôde fazer com o composto supermacio foi o nono tempo, com 1min15s851. Mas ainda faltavam cinco minutos para o término do Q2.
A Lotus foi a equipe que não conseguiu nem de longe um bom rendimento, sobretudo com os pneus supermacios. Outrora considerados favoritos, Grosjean e Räikkönen tentavam, sem muito sucesso, entrar no grupo pilotos que vão para o Q3. Em contrapartida, Massa estava muito bem no Principado. O brasileiro da Ferrari foi o primeiro a andar abaixo de 1min15s ao registrar sua volta em 1min14s911. Outro destaque era Maldonado, com 1min15s026.
Na 'bacia das almas', as duas Lotus conseguiram avançar ao Q3, com Grosjean em oitavo e Räikkönen em décimo. Entre os aurinegros, o bicampeão Vettel. O restante do top-10 foi composto por Massa, o mais rápido, Rosberg, Maldonado, Webber, Schumacher, Alonso e Hamilton. A diferença entre o tempo de Massa para o de Kimi, décimo, foi de menos de 0s4, o que denota o equilíbrio como a tônica da F1 atual.
Pior para Jenson Button, que em momento algum conseguiu andar bem em Mônaco e fez companhia a Hülkenberg, Kobayashi, Di Resta, Ricciardo e Vergne. Senna andou 0s7 mais lento em relação ao seu companheiro de Williams, Maldonado, e não passou da 14ª colocação, dividindo a sétima fila do grid com o piloto da McLaren.
Schumacher ganha pole, mas não leva; Webber surpreende e larga na frente Rosberg foi o primeiro a cronometrar volta em Mônaco no Q3. Em sua primeira tentativa, o germânico anotou 1min18s852, marca muito ruim, já que, na sequência, Maldonado subiu para primeiro ao registrar 1min15s245. Nem Hamilton pôde com o tempo do venezuelano e ficou 0s55 acima do piloto da Williams.
Aí veio Grosjean e estabeleceu a melhor volta do fim de semana. De maneira incrível, o franco-suíço levou a Lotus à ponta com 1min14s639. Parecia um tempo imbatível, mas Rosberg tratou de provar o contrário ao cravar 1min14s572 e recolocar a Mercedes na pole em Monte Carlo. Alonso, Massa, Vettel e Räikkönen ainda não haviam feito voltas rápidas no Q3. Expectativa no Principado.
Em sua primeira tentativa de volta rápida, Felipe fez só o oitavo tempo ao marcar 1min15s379, bem acima do tempo registrado no Q2. Alonso foi um pouco melhor que seu companheiro de equipe e colocou a Ferrari em quinto, mas muito acima do tempo de Rosberg, 0s4 mais lento. Webber, com uma Red Bull que em momento algum se mostrou capaz de lutar pela pole, surpreendeu e tomou a pole de Rosberg. Mas Schumacher tratou de recolocar a Mercedes na ponta com o excepcional tempo de 1min14s301.
No entanto, por conta da punição imposta pelos comissários da F1 graças à batida em Bruno Senna no GP da Espanha, Schumacher ganha, mas não leva a pole. Webber herda a posição de honra do grid e sai em primeiro no GP de Mônaco, no domingo, de maneira surpreendente.

Nenhum comentário: