Ser covarde, é...

Ser covarde, é...

sábado, 8 de novembro de 2014

Faça sua Consulta do CPF e Pague com o PagSeguro.


NOVIDADE!


Pague agora também pelo PagSeguro, e parcele sua compra com Cartão de Crédito. O PagSeguro é a certeza da sua compra protegida, pois se você não receber o que foi solicitado, terá seu dinheiro de volta. PagSeguro, sua compra protegida.

01)Consulta Pendências CPF Serasa - R$ 15,00


A consulta de pendências está disponível para empresas e utiliza o sistema PEFIN criado pela Serasa Experian. Esta consulta retorna, por meio do CPF ou CNPJ, sobre a quantidade de pendências informadas por usuários do sistema (lojas e bancos).

Você agora tem 2 formas de fazer o pagamento. Fazendo depósito direto na conta indicada (descrita na imagem da Caixa Econômica logo abaixo) ou fazendo o pagamento pelo PagSeguro. Clique no logo do PagSeguro se você deseja fazer o pagamento por ele.

ATENÇÃO!


Instruções para envio de aviso de Pagamento e envio de Informações do CPF a ser consultado.
Apos o pagamento em dinheiro ou na Caixa ou no Terminal Eletrônico, (Não aceito comprovante de ENVELOPE), ou ainda pelo PagSeguro, favor(CLICAR AQUI) para preencher o formulário de Contato, com as seguintes informações: Nome completo e o número do CPF, Endereço de E-mail, data e Hora da efetivação do Pagamento, que em instantes você receberá no E-mail enviado o resultado do CPF consultado.
Informações pelo Telefone 83 8849 2755.

02)Consulta Completa CPF Serasa R$ 35,00


A consulta completa está disponível para empresas e utiliza o mais atual sistema da Serasa Experian para acesso instantâneo, por meio do CPF, ao maior banco de dados do gênero no Brasil, que reúne, com exclusiva cobertura nacional, informações sobre a quantidade de:

Protestos
Cheques sem fundos
Pendências e restrições financeiras
Dívidas vencidas
Ações judiciais (Executivas, de Busca e Apreensão e de Execução Fiscal da Justiça Federal)
Participação em empresa falida
Registro de consultas
Além das informações citadas, o sistema também informa, se disponível:

Grafias do nome
Grafias semelhantes com outro CPF
Participações societárias
Telefones e endereços alternativos.

Você agora tem 2 formas de fazer o pagamento. Fazendo depósito direto na conta indicada (descrita na imagem da Caixa Econômica logo abaixo) ou fazendo o pagamento pelo PagSeguro.
Clique no logo do PagSeguro se você deseja fazer o pagamento por ele.

ATENÇÃO!


Instruções para envio de aviso de Pagamento e envio de Informações do CPF a ser consultado.
Apos o pagamento em dinheiro ou na Caixa ou no Terminal Eletrônico, (Não aceito comprovante de ENVELOPE), ou ainda pelo PagSeguro, favor(CLICAR AQUI) para preencher o formulário de Contato, com as seguintes informações: Nome completo e o número do CPF, Endereço de E-mail, data e Hora da efetivação do Pagamento, que em instantes você receberá no E-mail enviado o resultado do CPF consultado.
Informações pelo Telefone 83 8849 2755.

Preços válidos até o dia 28/05/2015

Só serão atendidos os pedidos no mesmo dia, se forem feitos atá às 21:00 Horas.

Todos os direitos reservados a Helio de Almeida Oliveira - 2014 - Tel 83 8849 2755.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Há 4 anos Gilmar prende os quintos dos Servidores Federais

Pedido de vista adia julgamento dos quintos no STF
Com um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, o Supremo Tribunal Federal adiou o julgamento da ação que contesta o pagamento de incorporação e substituição de quintos aos servidores públicos federais dos Três Poderes nesta quarta, 09/05. Após o voto do ministro Eros Grau, relator do caso, pela rejeição do pedido, Gilmar Mendes pediu vista antes que qualquer dos ministros pudesse votar.
A assessoria jurídica da ANAJUSTRA esteve presente na audiência, representada por seu advogado Ibaneis Rocha Barros Junior, apresentando sustentação oral.
Entenda o Mandado de Segurança
A corte julga Mandado de Segurança em que a União contesta dívida de incorporação e/ou substituição de quintos aos servidores que ocuparam cargos de comissão e função comissionada entre 1998 e 2001.
O pivô do conflito trata-se de acórdão de 2005 do Tribunal de Contas da União que autorizou os pagamentos referentes ao título mencionado. Para o governo, a decisão foi inconstitucional e ilegal por atropelar leis que extinguiram o direito.
Sob relatoria do ministro Eros Grau, o processo já teve seguimento negado em 2006, em decisão monocrática. O ministro afirmou que a concessão da Segurança não implicaria anulação dos pagamentos já feitos pela União, e que cabia à administração “acolher ou não o entendimento firmado pela Corte de Contas”.
Entretanto, após contestação da AGU, o Ministro Eros Graus reconsiderou e admitiu que o caso fosse levado a julgamento pelo Colendo Plenário.
Embora apenas Eros Graus tenha votado, confirmando o que já havia dito há quatro anos, três dos ministros presentes demonstraram acompanhar o entendimento. “Não há carga mandamental na decisão do TCU que permita impetração de Mandado de Segurança”, disse Carlos Ayres Britto. “A União não é obrigada a pagar e, não o fazendo, os prejudicados podem recorrer ao Judiciário”, afirmou o Presidente da Corte, Cezar Peluso. “A pá-de-cal está no próprio pedido, que requer que o Supremo obrigue o TCU a acolher representação do Ministério Público”, completou o Ministro Marco Aurélio.
A posição do governo já encontrou resistência da própria Procuradoria-Geral da República, que em 2008 deu parecer opinando pela rejeição da ação.
A ANAJUSTRA, por intermédio da sua assessoria jurídica, também se opõe a pretensão da União, sendo a primeira entidade de âmbito nacional a criar e defender o direito referente à incorporação e/ou substituição de quintos, previsto na Medida Provisória 2225-45/2001.
A associação e sua assessoria jurídica encontram-se atentas à defesa do direito devido aos seus associados aguardando o retorno do Mandado de Segurança mencionado para continuidade do julgamento.
Com informações do Conjur
O curioso, é que no dia 29/10/2014, entrou em pauta o RE 638115, que trata da ação dos quintos e décimos a que os Servidores Federais têm direito, mas simplesmente no final do dia 29/10/2014, o RE sumiu da pauta e sumiu qualquer notícia se houve ou não o julgamento. Veja a descrição da pauta de julgamento escolhida para o dia 29/10/2014:

Recurso Extraordinário (RE) 638115 – Repercussão geral
Relator: ministro Gilmar Mendes
União x Francisco Ricardo Lopes Matias
Recurso extraordinário contra acórdão da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça que, à unanimidade, reafirmou entendimento no sentido de que é possível a incorporação de quintos, em relação ao exercício da função comissionada, no período de 08 de abril de 1998 (data do início da vigência da Lei 9.624/98) até 05 de setembro de 2001 (data referente ao início da vigência da MP 2.225-45/01)”.
Sustenta a União, em síntese, que inexiste direito adquirido a regime jurídico e que o acórdão recorrido violou os princípios da legalidade e da indisponibilidade do interesse público, entre outros argumentos.
O Tribunal reconheceu a existência de repercussão geral da questão constitucional suscitada.
Em discussão: saber se servidor público faz jus à incorporação de quintos decorrentes do exercício de função comissionada no período compreendido entre a edição da lei 9.624/1988 e a MP 2.225-48/2001.
PGR: pelo provimento do recurso
.