domingo, 28 de maio de 2017

ROBERTO CAVALCANTI SABE DAS COISAS

ROBERTO CAVALCANTI SABE DAS COISAS
Por Flávio Lúcio Vieira*
Do Site Eliezer Gomes

O desespero da turma do andar de cima com a possibilidade cada mais inevitável de Lula voltar à Presidência é grande. O artigo que Roberto Cavalcanti assina hoje no jornal Correio da Paraíba é, antes de tudo, uma louvação à Justiça partidária, uma homenagem ao justiçamento político, quase um apelo desesperado para que Sérgio Moro cumpra logo o desígnio no papel para o qual foi escalado.

Como nesse caso o trabalho de Moro não será suficiente para que, sozinho, entre no panteão dos heróis da Casa-Grande, a turma de juízes do TRF-4, de Porto Alegre, assim que chegar sua vez, será transformada na última esperança daqueles que compõem os 1% mais ricos do país: confirmar a pena já antecipada pelas linhas de Roberto Cavalcanti, como se o processo hoje em andamento da Vara morista de Curitiba fosse apenas uma formalidade. E é mesmo, como já sabemos todos, e o dono da maior empresa de comunicação do estado faz questão de explicitar isso sem se preocupar sequer com o disfarce.

A farsa que é o julgamento de Lula é de tal maneira assumida como tal que Sério Moro fica parecendo mais o verdugo que cumpre as ordens do tribunal que verdadeiramente decide, o que se revelou quando o “coração generoso” de Sérgio Moro, segundo os termos de um procurador de Curitiba, simplesmente isentou Cláudia Cruz, a primeira-dama da corrupção brasileira, de qualquer culpa no cartório – a mulher que gastou, em apenas três dias em Paris, 60 mil reais, quase duas vezes o salário de deputado do marido, Eduardo Cunha. Infelizmente, esse lado de Moro Roberto Cavalcanti esqueceu de mencionar e é fácil saber por que.

Não é o caso de Lula. Para Roberto Cavalcanti Lula já está condenado porque, ao que parece, essa é sua vontade. E estamos conversados.

“Quem conhece o martelo dos desembargadores João Pedro Gebran Neto, Victor Luiz dos Santos Laus e Leandro Paulsen sabe que está diante da turma mais severa de todas as gerações que já integraram o TRF4”, escreve em um dos trechos o ghostwriter de Roberto Cavalcanti, para logo depois começar a antecipar o caminho inexorável que seguirá um julgamento de cartas marcadas: “Sabe, também, que eles estão fazendo história – pela celeridade dos julgamentos, pela capacidade de ouvir as partes e pelos novos modelos que estão aplicando, entre os quais se destaca a admissão de prisões cautelares mais dilatadas.” “Fazer história”, nesse caso, é colocar Lula na cadeia. Quanto aos tais “novos modelos” a que faz referência Cavalcanti é a nova jurisprudência morista, que inclui tortyra psicológica, e uma outra Constituição que o juiz curitibano escreveu só pra ele.

Cavalcanti continua em direção ao gran finale: “Trocando em miúdos, eles (o TRF-4) têm não apenas confirmado as penalidades impostas por Moro. Têm, em muitos casos, amplificado as punições. Implacáveis. Severo como o juízo deve ser – independente de quem esteja batendo a sua porta” – principalmente se for petista.

O novo modelo que Sérgio Moro criou é mais ou menos assim quando tem à sua frente um grande empresário: roube, roube muito, depois entregue uns petistas – até a Odebrecht se recusar a entrar nesse jogo, tucano não vinha ao caso! – faça uma delação para ser vazada para a imprensa e vá curtir a grana roubada em paz. Desse jeito os poderosos não apenas dormem em paz, mas aplaudem de pé! Viva a NOSSA justiça!

E para fechar com chave-de-ouro a desnecessária conclusão: “E são essas ‘Bics’ superpoderosas que podem decretar – a jato – uma das prisões mais aguardadas da República: a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.” O “a jato” significa antes da eleição de 2018.

Antes, era adágio popular afirmar que não se podia antecipar nem o sexo dos bebês nas barrigas das mães nem o que tinha na cabeça dos juízes. Antecipar o sexo dos bebês ficou fácil depois dos exames de ultrassom. No caso da antecipação das sentenças dos juízes agora basta consultar Roberto Cavalcanti.

Saber o que pensa um juiz é com ele mesmo!

*PHD, Cientista Político e Professor da UFPB

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Candidatura Lula já é irreversível

Eduardo Guimaraes
Do Blog da Cidadania.


Após semanas de conversas e avaliações, o Blog já pode opinar com maior segurança de que a candidatura Lula já se tornou irreversível, caso ele continue vivo e com boa saúde. Nas últimas semanas, surgiram mais e mais sinais disso. E os motivos, basicamente, são três:

   1º – Não haverá tempo para condenar o ex-presidente em segunda instância e não iria colar medida cautelar que o prendesse, proposta sob argumentação de que estaria continuando a cometer crimes ou tentando atrapalhar investigações.

   2º – A esquerda não tem alternativa viável de candidatura sem Lula; a única possibilidade de algum outro candidato de esquerda se viabilizar seria se Lula fosse impedido de disputar a eleição e, aproveitando a comoção popular que se formaria, indicasse alguém para representá-lo.

   3º O empobrecimento dos brasileiros nos próximos anos será brutal. Cada vez mais a lembrança da era Lula fará os brasileiros quererem que governe de novo o país.

Há pouco mais de um mês, manifesto de artistas, intelectuais, jornalistas e juristas pedindo a candidatura de Lula congregou mais de 50 mil pessoas.

Semana retrasada, a Folha de São Paulo divulgou que o crescimento de Lula no último Datafolha fez um grupo de governadores lançar carta pública em apoio à candidatura do petista à Presidência.

Mas o grande sinal de que a candidatura Lula vai se materializando é a aproximação de um dos mais conhecidos oportunistas deste país, alguém que se notabilizou pela capacidade de ficar sempre do lado vencedor.

Líder da Força Sindical, o deputado federal Paulinho da Força já prepara o desembarque de seu partido, o Solidariedade, até aqui aliado do governo de Michel Temer. A insatisfação com as reformas trabalhista e previdenciária —e sobretudo a proposta de acabar com o imposto sindical— são a principal desculpa de Paulinho.

Na verdade, segundo a coluna Poder em Jogo, do jornal O Globo, Paulinho já assume publicamente que voltará a conversar com Lula sobre apoio na próxima eleição presidencial. Questionado sobre as eleições de 2018, Paulinho afirmou: “Estou sendo pressionado (por correligionários) a voltar a conversar com Lula.”

Até os inimigos declarados de Lula já pregam que Moro o “deixe” disputar a eleição, como se coubesse a Moro essa escolha. Não cabe. Ele pode, no máximo, forçar a mão e condenar o ex-presidente sem provas, mas não sabe se a condenação seria mantida.

Prova disso é a pregação de ultra tucanos como Reinaldo Azevedo e João Doria. Ambos começaram com uma história de que Lula precisa ser derrotado nas urnas.

Não é amor à democracia. Eles sabem que Moro dificilmente vai conseguir fazer a segunda instância condenar Lula a tempo, mas mesmo se conseguir sabe que a pressão contra uma condenação sem provas vai se tornar avassaladora.

A razão é muito simples. Não vão conseguir impedir o Lula de ser candidato. Os seguidos indiciamentos tentam provocar efeitos eleitorais, mas, do ponto de vista prático, mesmo que sejam levados à frente só serão julgados definitivamente bem depois da eleição presidencial do ano que vem.

É nesse ponto que entra em campo uma figura que precisa ser ouvida, ao menos para reforçar a crença na candidatura Lula: Ciro Gomes.

Ex-ministro e ex-governador do Ceará, que foi professor de Direito Constitucional, em entrevista à BBC avalia que não há “nenhuma chance” de o ex-presidente Lula ser condenado em segunda instância a tempo de se tornar inelegível e deixar a disputa à presidência em 2018; “E nem seria justo que acontecesse”, afirma, em entrevista à BBC Brasil; sobre o depoimento de Lula ao juiz Sergio Moro, Ciro acredita que o ex-presidente arrastou o juiz para a política; “O Lula trouxe o Moro para o campo dele, onde ele reina.

E que ninguém diga que isso é conversa de aliado porque, como mostra a íntegra da entrevista, Ciro não é favorável à candidatura Lula; a seu ver, “na hora em que for candidato ele racha o país em bases odientas, rancorosas, violentas, como nós estamos assistindo aos lulistas e antilulistas. E o país não tem ambiente para discutir seu futuro”.

Sim, a candidatura Lula fará isso, mas qualquer outra candidatura de esquerda viável faria a mesma coisa porque o poder, hoje, está nas mãos de uma direita peçonhenta e que não vai aceitar largar o osso, até porque a agenda dos grandes empresários ainda não foi totalmente implantada no país e, sem ela, eles não vão aceitar as regras do jogo, preferindo a instabilidade política e econômica a aceitarem justiça social.

Ciro está errado. Se por acaso Lula não fosse candidato, ele precisaria de seu apoio. E se recebesse o apoio de Lula iria comprar junto o ódio ao ex-presidente, como ocorreu com Dilma.

Claro que Lava Jato e Globo tentarão evitar que Lula dispute porque sabem que suas chances eleitorais são imensas, mas seu crescimento nas pesquisas já chama atenção do mundo e no segundo semestre a ONU aceitará a queixa dele de que é vítima de lawfare.

A condenação que Moro dissimula, mas já decidiu adotar contra Lula, ocorrerá quase ao mesmo tempo em que as atenções do mundo se voltarão ao Brasil devido a uma bomba: as Nações Unidas vão abrir processo contra o Brasil por perseguição política ao ex-presidente.

A decisão da Justiça brasileira em segunda instância sobre Lula será tomada “sub judice” do escrutínio internacional da situação política interna do Brasil. A cada dia que passa o mundo se preocupa mais com a rápida deterioração da nossa democracia.

Isso é que alguns fascistas e golpistas incrustados na mídia, nos partidos, no Ministério Público e no Judiciário não querem entender. Foram longe demais. Estão voando perigosamente perto de um escrutínio solar do mundo civilizado. Suas asas vão derreter.

A questão não é se Lula vai concorrer e/ou se irá se eleger, a questão é como fazer para que tenha governabilidade. Setor pensante da sociedade precisa descobrir como fazer para eleger parlamentares suficientes para dar governabilidade ao terceiro mandato de Lula.

28 de abril, o dia em que o Brasil foi ocupado.

A Greve Geral de 28 de abril pode ser vista como um embrião para união dos trabalhadores contra a perda de direitos.

“Na escravidão o trabalhador era vendido. Na terceirização, é alugado”

Referência na sociologia do trabalho, Ricardo Antunes diz ver a administração Temer como um governo terceirizado. "Foi imposto para devastar a legislação social"

Até o fim deste mês o plenário da Câmara dos Deputados deve votar a terceira das três partes do pacote que representa a maior perda de direitos da história para o trabalhador brasileiro, a reforma da Previdência. Se aprovada, ela seguirá para o Senado, onde já tramita a reforma trabalhista. A lei da terceirização já foi sancionada pelo presidente Michel Temer.

Para o sociólogo Ricardo Antunes, professor livre-docente da Unicamp e um dos principais nomes no País sobre os debates do mundo do trabalho, esse movimento contra os trabalhadores já era esperado. Em 1995, no livro Adeus ao Trabalho? (Cortez Editora), Antunes elaborou o conceito que chamou de “escravidão do século XXI” – um mundo do trabalho baseado na precarização e no esgarçamento das relações de trabalho como as conhecíamos até então.

Hoje, 22 anos depois do livro, essa figura sai do mundo acadêmico e é realidade nas ruas e nas empresas. Mais que isso: um ano após Michel Temer assumir a presidência, está prestes a se tornar legalidade. “A tragédia é que esse quadro se consolidou”, lamenta.

Antunes acredita, entretanto, que é justamente essa situação limite em que se encontra a classe trabalhadora que vai gerar a unidade necessária para a reação. A Greve Geral de 28 de abril, inclusive, é interpretada por ele como ponto de inflexão do movimento de luta dos trabalhadores. “A classe trabalhadora começa a perceber que a terceirização é para arrebentá-la”, diz.

Nesta entrevista a CartaCapital, Antunes comentou ainda o quanto o passado escravocrata brasileiro pesa nos interesses que levam à perda de direitos e sobre a necessidade do trabalhador se reconhecer como tal e se sentir representado pelos sindicatos. “A conflagração do nosso tempo é a conflagração entre a totalidade do trabalho social versus a totalidade do capital”.

E o enigma do século XXI? “O trabalho que estrutura o capital desestrutura a humanidade. E o trabalho que estrutura a humanidade é incompatível com o trabalho que o capital quer nos impor”.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Depoimento em Curitiba: Coletânea de frases de Lula que você não verá na mídia

ACABOU O LEXOTAN NA REGIÃO AGRÍCOLA
Leandro Fortes em 10/5/2017

Lula soltou a língua no depoimento em Curitiba.

Gente, fora da bolha protetora da mídia, o juiz Moro é fraquíssimo, titubeante, incapaz de formular questões diretas e objetivas.

Não tem talento algum para o papel que lhe impuseram.

Nem tem uma única prova contra Lula.

A Justiça brasileira, com todos os seus problemas, não merecia esse vexame sem fim.


FRASES DE LULA NO DEPOIMENTO:

MORO: Senhor ex-presidente, preciso lhe advertir que talvez sejam feitas perguntas difíceis para você.
LULA: Não existe pergunta difícil pra quem fala a verdade.


MORO: Esse documento em que a perícia da PF constatou ter sido feita uma rasura, o senhor sabe quem o rasurou?
LULA: A Polícia Federal não descobriu quem foi? Não? Então, quando descobrir, o senhor me fala, eu também quero saber.


MORO: O senhor não sabia dos desvios da Petrobras?
LULA: Ninguém sabia dos desvios da Petrobr
LULA: Tem sim. Foi o senhor quem soltou o Youssef. O senhor deve saber mais que eu [referindo-se ao escândalo do Banestado].
LULA: O Dallagnol não tá aqui. Eu queria o Dallagnol aqui pra me explicar aquele PowerPoint.


MORO: Saíram denúncias na Folha de S. Paulo e no jornal O Globo de que…
LULA: Doutor, não me julgue por notícias, mas por provas.
LULA: Esse julgamento é feito pela e para a imprensa.

MORO: O julgamento será feito sobre as provas. A questão da imprensa está relacionada a liberdade de imprensa e não tem ligação com o julgamento.
LULA: Talvez o senhor tenha entrado nessa sem perceber, mas seu julgamento está sim ligado a imprensa e os vazamentos.
Entrou nessa quando grampeou a conversa da presidente e vazou, conversas na minha casa e vazou, quando mandou um batalhão me buscar em casa, sem me convidar antes, e a imprensa sabia. Tem coisas nesse processo que a imprensa fica sabendo primeiro que os meus advogados. Como pode isso? E, prepare-se, porque estes que me atacam, se perceberem que não há mesmo provas contra mim e que eu não serei preso, irão atacar o senhor com muito mais força.


MORO: Senhor ex-presidente, você não sabia que Renato Duque roubava a Petrobras?
LULA: Doutor, o filho quando tira nota vermelha, ele não chega em casa e fala: “Pai, tirei nota vermelha”.
MORO: Os meus filhos falam.
LULA: Doutor Moro, o Renato Duque não é seu filho.


LULA: Doutor Moro, o senhor já deve ter ido com sua esposa numa loja de sapatos e ela fez o vendedor baixar 30 ou 40 caixas de sapatos, experimentou vários e no final, vocês foram embora e não compraram nenhum. Sua esposa é dona de algum sapato, só porque olhou e provou os sapatos? Cadê uma única prova de que eu sou dono de algum tríplex? Apresente provas doutor Moro?


MORO: O senhor solicitou à OAS que fosse instalado um elevador no tríplex?
LULA: O senhor está vendo essa escada caracol nessa foto? Essa escada tem dezesseis degraus e é do apartamento em que eu moro há 18 anos em São Bernardo. Dezoito anos a Dona Marisa, que tinha problema nas cartilagens do joelho passou subindo e descendo essa escada. O senhor acha que eu iria pedir um elevador no apartamento que eu não comprei, ao invés de pedir um elevador no apartamento em que eu moro, para que a Dona Marisa não precisasse mais subir essa escada?


LULA: O vazamento das conversas da minha mulher e dela com meus filhos foi o senhor quem autorizou.


MORO: Tem um documento aqui que fala do tríplex…
LULA: Tá assinado por quem?
MORO: Hmm… A assinatura tá em branco…
LULA: Então, o senhor pode guardar por gentileza!


FRASES DE LULA NO COMÍCIO APÓS O DEPOIMENTO

“Se não fossem vocês, eu não suportaria o que eles estão fazendo comigo”.

“O Jornal Nacional, em 12 meses, publicou 18 horas de matérias para me massacrar. Quero dizer que estou vivo”.

“Esperava que, depois de tanto massacre, eles tivessem o documento que eu comprei, reformei o apartamento, com escritura registrada em cartório. Mas nada, nada. Perguntaram se eu conheço o Vaccari [Neto, ex-tesoureiro do PT], o [Paulo] Okamotto [presidente do Instituto Lula]. Lógico que eu conheço e não tenho vergonha dessas pessoas. Não quero ser julgado por interpretações, mas por provas”.

“Eu só posso dizer uma coisa. Em meu nome, em nome do meu partido, em nome dos movimentos sociais que estão aqui, em nome dos partidos solidários, do movimento sindical: se um dia eu tiver que mentir, eu prefiro que um ônibus me atropele em qualquer rua deste país. Eu jamais poderia mentir para pessoas como vocês que acreditam e me seguem há tanto tempo”.

“Minha mãe viveu e morreu analfabeta. Ela dizia que conhecemos quando as pessoas estão dizendo a verdade, não pela boca, mas pelos olhos. Por isso, queria que as pessoas vissem os olhos de quem está perguntando e quem está respondendo”.

“Minha relação com vocês é de companheiros de projeto de país e construção de sociedade civilizada”.

“Quero dizer que estou vivo e estou me preparando para voltar a ser candidato à Presidência deste país. Nunca tive tanta vontade de voltar a ser presidente como agora”.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Lula deixa Moro acuado

O ex Presidente Lula depõe, hoje, quarta feira em Curitiba. É grande a expectativa acerca desse depoimento, pois espera-se alguma prova apresentada pela lava jato, porque até agora, tudo passou só por delações de bandidos condenados para diminuírem tempo de condenação ou até se livrarem da cadeia.

Ninguém mais além do juiz Sérgio Moro tem a perder com o depoimento do ex-presidente Lula. O petista chega a Curitiba em alta, apoiado por sua militância aguerrida que, apesar dos inúmeros problemas do PT e das alianças do passado, entendem a importância de se defender um mito político diante da seletividade da corte paranaense.

Lula ainda tem ao seu lado as pesquisas de intenção de voto. Após quase três anos apanhando diariamente e investigado até o último fio de cabelo, ele se manteve firme. E sua resistência cresceu na medida em que o governo golpista avançou sobre os direitos dos trabalhadores. Nesse sentido, o povo percebe que o único capaz de reconduzir o país ao crescimento econômico e social é justamente aquele que Moro persegue implacavelmente.

No corner tucano

Já Moro vai enfrentar Lula em um momento de baixa. Há meses ele vem sendo desgastado pela defesa do ex-presidente. Não adianta fugir, já colou a pecha de juiz seletivo e que protege os tucanos. Seja ao não acusar os emplumados, como fez Fachin ao levantar o sigilo das investigações, seja aparecendo risonho em fotos comprometedoras. Nem mais a velha mídia esconde isso ao ilustrá-lo de amarelo e azul, tradicionais cores do PSDB.

Na linha da cintura

Recentemente, o juiz perdeu para Lula a disputa pelas 87 oitivas. O Tribunal Regional Federal (TRF-4) reformou a decisão e desobrigou o petista a participar de todos os depoimentos. Não só isso. Moro perdeu e se perdeu quando as delações de Duque e Léo Pinheiro não surtiram efeito negativo em Lula. Delações divulgadas logo após as pesquisas revelarem um Lula favoritaço. A armadilha requentada não colou. Armadilha que pode se repetir no depoimento do dia 10, quando o juiz Sérgio Moro poderá interpelar Lula sobre documentos da Petrobras aos quais seus advogados não tiveram conhecimento prévio.

#Clubistas

Agora, Moro tenta minimizar o impacto do depoimento de Lula como um torcedor tenta diminuir o título do time rival. Ele quer dar um caráter institucional do que era pra ser a espada cravada no peito da principal liderança popular do Brasil. É certo que seus aliados, MBL, juízes que não resistem a um print nas redes sociais e imprensa se esforçaram para dar contornos épicos ao juiz neste momento. No entanto, a baixa popularidade de Moro abafará sua tentativa de triunfo. Ele frustrará seus fãs na medida em que não poderá prender Lula no dia 10.

Carro aberto

Já o ex-presidente deve sair do depoimento diretamente para a Boca Maldita onde, junto à militância, fará discurso em defesa da democracia e dos trabalhadores e contra os golpistas e as reformas. Cada vez mais o presságio de Lula se concretiza: “Se me prenderem, viro herói; se me deixarem solto, viro presidente”.


Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

O Belchior que a crítica vulgar não viu

Canções do compositor cearense debateram, desde os anos 1970, a alienação, as relações mercantis e a própria indústria cultural. Mas alguns procuraram enquadrá-lo como apenas um rapaz romântico Belchior critica vulgar política sociologia
Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, cantor e compositor brasileiro (reprodução)

Por
Alberto Sartorelli, Outras Palavras

Que tal a civilização
Cristã e ocidental…
Deploro essa herança na língua
Que me deram eles, afinal.
– BELCHIOR, “Quinhentos anos de quê?”
(Bahiuno, 1993)

A imagem de Belchior vendida pela indústria cultural é a do artista brega, de voz fanha e bigodão – uma figura! Poucos prestam atenção nas letras. A forma simples de suas canções possibilitou sua assimilação pela indústria fonográfica, que criou-lhe uma imagem caricata e reproduziu suas músicas em massa, entre shows, premiações e programas de auditório, fazendo tábula rasa de seu conteúdo crítico. Belchior foi reduzido a um mero cantor romântico.
Em estética, o artista engajado politicamente deve escolher entre dois caminhos: o da forma artística de difícil assimilação – e remuneração! – para o público e para a indústria cultural; ou o da forma mais simples, de fácil assimilação do público e do show business. Ambas as opções estão fadadas ao silêncio político: uma não apela, a outra tem seu apelo anulado pela caricaturização. No fim, a indústria cultural impede que qualquer artista seja levado muito a sério, por seu ostracismo ou por sua redução a uma imagem vendável.
A especificidade de Belchior é a sua consciência perante esse processo todo. “Aluguei minha canção / pra pagar meu aluguel / e uma dona que me disse / que o dinheiro é um deus cruel / […] hoje eu não toco por música / hoje eu toco por dinheiro / na emoção democrática / de quem canta no chuveiro / faço arte pela arte / sem cansar minha beleza / assim quando eu vejo porcos / lanço logo as minhas pérolas” (TOCANDO POR MÚSICA, Melodrama, 1987).
Belchior demonstra uma compreensão total do processo de nivelamento – por baixo – da cultura por parte da indústria cultural, dificultando demasiado a ocorrência de composições com alto grau de complexidade – os artistas que se propõem a tal correm sempre o risco da miséria material e do esquecimento. Os próprios arranjos dos discos de Belchior são bem simples, com o teclado tendendo ao “engraçado”. Não é da mesma maneira em relação às letras, sempre de uma profundidade abissal e crítica ácida.
Belchior, antes de músico no sentido geral, é um compositor de canções. Cada autor encontra uma forma para se expressar: o ensaio filosófico, a pintura não-figurativa, a ópera, a canção. A canção foi a forma adequada que Belchior encontrou para transpassar seus pensamentos. É preciso ter em mente, ao pensarmos a obra de Belchior, um autor de vasta erudição, de poesia refinadíssima, conhecedor das línguas latinas e da literatura clássica, e um artista engajado politicamente de maneira radicalíssima. A partir da forma canção, Belchior oferece uma visão do Brasil e do mundo que pouquíssimos filósofos nascidos em nossas terras puderam vislumbrar. Como diz Nietzsche, o homem verdadeiramente de seu tempo sempre está à frente de seu tempo. É o caso de Belchior.
Uma das críticas mais ferrenhas do cancionista sobralino é contra a arte alegre, moda da época nos anos 1960-70. O filósofo Theodor Adorno, em sua Teoria Estética (1969) diz que a arte se utiliza de elementos da vida enquanto seus materiais; se a vida social é cindida pela divisão do trabalho, que separa o homem de sua produção e da natureza, e impede a felicidade enquanto reconhecimento recíproco entre sujeito e objeto, a arte que imita essa vida deve ser triste, como a própria vida. A arte alegre seria, então, ideológica, uma falsa verdade. A Bahia alegríssima de Caetano Veloso dos anos 1970 (a triste é de Gregório de Matos) não passa de logro, ilusão. “Veloso / o sol não é tao brilhante pra que vem / do norte / e vai viver na rua” (FOTOGRAFIA 3X4, Alucinação, 1976). Surpreendente o jogo de ambiguidade: “veloso” pode ser tanto um adjetivo do Sol, velando pelo migrante e suas dificuldades na metrópole, ou assumir outro sentido completamente oposto, identificado com o próprio Caetano enquanto imperativo moral – “Veloso (Caetano), veja!, para quem sofre, o sol não é tão brilhante quanto dizes”. Ou então esta outra: “Mas trago de cabeça uma canção do rádio / em que um antigo compositor baiano me dizia / tudo é divino / tudo é maravilhoso / […] mas sei que nada é divino / nada, nada é maravilhoso / nada, nada é sagrado / nada, nada é misterioso, não” (APENAS UM RAPAZ LATINO-AMERICANO, Alucinação, 1976).
Chamado de “antigo”, pois já havia deixado de ser vanguarda e caído no pop, encontramos mais uma crítica a Caetano e sua composição “Divino Maravilhoso” (1968), em parceria com Gilberto Gil e que foi imortalizada na voz de Gal Costa. Vale notar, sem dúvida, que a crítica de Belchior a Caetano provém de alguma admiração: em entrevista ao Pasquim em 1982, Belchior diz que Caetano Veloso é o melhor letrista da MPB, “o autor da modernidade musical no Brasil”. Todavia, é com enorme verve materialista que ele fortemente rebate a letra de Caetano – “nada é divino, maravilhoso, sagrado, misterioso!”
O materialismo é um dos fundamentos da música de Belchior. Seus grandes inimigos são os escapistas, os fugidios, aqueles que diante de crenças metafísicas falam de uma vida reconciliada, feliz. Musicalmente representada na Tropicália, essa ideia era disseminada pelos hippies, com a cabeça feita por alucinógenos e um mix de espiritualidade. A resposta do materialista é ácida [sic]. “Eu não estou interessado em nenhuma teoria / em nenhuma fantasia / nem no algo mais / nem em tinta pro meu rosto / oba oba, ou melodia / para acompanhar bocejos / sonhos matinais / eu não estou interessado em nenhuma teoria / nem nessas coisas do oriente / romances astrais / a minha alucinação é suportar o dia-a-dia / e meu delírio é a experiência / com coisas reais” (ALUCINAÇÃO, Alucinação, 1976). É como se Belchior dissesse que não é por estar num registro de experiência desconhecido que essa experiência é necessariamente divina; especular metafisicamente sobre isso não passa de teoria vazia. E que o importante não é o plano espiritual, mas este aqui, o da miséria e do sofrimento, a realidade empírica e social.
Aos 29 anos em 1976, quando do lançamento do álbum Alucinação, Belchior teve o tempo, a maturidade e o olhar aguçado para ver a dissolução do sonho pacifista de liberdade. Os libertários de outrora logo se tornaram os burgueses. “Já faz tempo / eu vi você na rua / cabelo ao vento / gente jovem reunida / na parede da memória / esta lembrança é o quadro que dói mais / minha dor é perceber / que apesar de termos feito / tudo, tudo o que fizemos / ainda somos os mesmos e vivemos / como os nossos pais / […] e hoje eu sei / que quem me deu a ideia / de uma nova consciência e juventude / está em casa guardado por Deus / contando seus metais” (COMO OS NOSSOS PAIS, Alucinação, 1976). É curioso notar que foi exatamente “Como os nossos pais”, na magnífica voz de Elis Regina, a canção que colocou Belchior de fato no mercado fonográfico.
O radicalismo político de Belchior tem seu principal fundamento na crítica do dinheiro em si e do trabalho alienado, uma crítica mais profunda do que a mera crítica do capitalismo. O dinheiro é tratado enquanto fetiche e abstração, mas também enquanto necessidade material e fonte da corrupção moral. “Tudo poderia ter mudado, sim / pelo trabalho que fizemos – tu e eu / mas o dinheiro é cruel / e um vento forte levou os amigos / para longe das conversas / dos cafés e dos abrigos / e nossa esperança de jovens / não aconteceu” (NÃO LEVE FLORES, Alucinação, 1976). E é o trabalho aquilo separa o homem da natureza, exterior e interior, desumanizando-o. “E no escritório em que eu trabalho e fico rico / quanto mais eu multiplico / diminui o meu amor” (PARALELAS, Coração Selvagem, 1977). Por isso, o aspecto político da obra de Belchior ultrapassa a defesa do socialismo centralista ou qualquer outro sistema que envolva a burocracia. O problema é um problema fundamental, primeiro, filosófico: a civilização. “Aqui sem sonhos maus, não há anhanguá / nem cruz nem dor / e o índio ia indo, inocente e nu / sem rei, sem lei, sem mais, ao som do sol / e do uirapuru” (NUM PAÍS FELIZ, Bahiuno, 1993). Profundo como um antropólogo anarquista, um Pierre Clastres da canção, a crítica mira o fundamento da coisa: a racionalidade ordenadora, dominadora, instrumental, como fora notado por Adorno e Horkheimer na Dialética do Esclarecimento (1946).
Belchior faz as denúncias fundamentais; sua arte é hegemonicamente negativa. Todavia, há um resquício de esperança nessa visão do Apocalipse, mesmo que a esperança fale sobre o que não deve ser. Nada absurdo para o cancionista sobralino, pois para ele a sociedade é ruim por excesso, não por falta. “Não quero regra nem nada / tudo tá como o diabo gosta, tá / já tenho este peso / que me fere as costas / e não vou, eu mesmo / atar minha mão / o que transforma o velho no novo / bendito fruto do povo será / e a única forma que pode ser norma / é nenhuma regra ter / é nunca fazer / nada que o mestre mandar / sempre desobedecer / nunca reverenciar.” (COMO O DIABO GOSTA, Alucinação, 1976). “Como o diabo gosta” deveria ter sido um hino da liberdade; passou despercebida, sem ninguém contestar a “Pra não dizer que não falei das flores” (Geraldo Vandré, 1968) o posto de canção de protesto.
Para Belchior, as palavras são um instrumento de luta política, do despertar da consciência contra a opressão e seus mecanismos ideológicos. “Se você vier me perguntar por onde andei / no tempo em que você sonhava / de olhos abertos, lhe direi / amigo, eu me desesperava / […] e eu quero é que esse canto torto feito faca / corte a carne de vocês” (A PALO SECO, Alucinação, 1976). Para tal intento, sua canção deve ter um quê de dissonância para com o sistema estabelecido, e em vez de cantar as “grandezas do Brasil”, tem de denunciar os horrores de uma sociedade civil falida. “Não me peça que eu lhe faça uma canção como se deve / correta, branca, suave / muito limpa, muito leve / sons, palavras, são navalhas / e eu não posso cantar como convém / sem querer ferir ninguém / mas não se preocupe meu amigo / com os horrores que eu lhe digo / isso é somente uma canção / a vida realmente é diferente / quer dizer / a vida é muito pior” (APENAS UM RAPAZ LATINO-AMERICANO, Alucinação, 1976). Se a arte é a mímese da vida, toda arte, por mais verdadeira que seja enquanto parte, não dá conta do todo. A realidade é pior do que a tristeza que a arte transpassa, e pior do que o pesadelo em sonho. É essa realidade que importa mudar.
Um mecanismo utilizado nas letras e nas melodias de Belchior é o da aproximação perante o ouvinte. Cearense, migrante, que na cidade grande sofreu, tocou em puteiros, foi explorado para “fazer a vida”. “Pra quem não tem pra onde ir / a noite nunca tem fim / o meu canto tinha um dono e esse dono do meu canto / pra me explorar, me queria sempre bêbado de gim” (TER OU NÃO TER, Todos os sentidos, 1978). É assim, por meio de sua experiência de vida trash, que Belchior realiza o approche para com o ouvinte. Ritmo simples e letra aguda, essa foi a aposta do cancionista para a politização da massa. “A minha história é talvez / é talvez igual a tua / jovem que desceu do norte / que no sul viveu na rua / que ficou desnorteado / como é comum no seu tempo / que ficou desapontado / como é comum no seu tempo / que ficou apaixonado e violento como você / eu sou como você que me ouve agora” (FOTOGRAFIA 3X4, Alucinação, 1976). Ao dizer “eu sou como você”, Belchior almeja arrebatar o outro como identidade, e trazer à tona a revolta contra a opressão; seu público – alvo, escolhido a dedo, não é o intelectual burguês letrado, mas o pobre que vai ao boteco depois da jornada de trabalho; ele o reconhece como indivíduo ativo a ser despertado: o sujeito revolucionário. Mas é claro que a indústria cultural fez de tudo para anular esse conteúdo: em plena ditadura militar, transformaram Belchior numa personagem caricata, num astro romântico, o galã de “Todo sujo de batom” (Coração Selvagem, 1977).
Belchior sabe, desde muito tempo, que “Eles venceram / e o sinal está fechado pra nós / que somos jovens” (COMO OS NOSSOS PAIS, Alucinação, 1976). Mesmo assim, não foi em vão seu esforço: além de todas as canções citadas até agora, ainda há muitas outras de conteúdo crítico ferrenho, como por exemplo “Pequeno perfil de um cidadão comum” (Era uma vez um homem e seu tempo, 1979), uma epopeia sem o elemento épico, que fala de como é vã a vida do sujeito raso, de gosto pouco refinado, cuja finalidade é voltada ao trabalho; “Arte Final” (Bahiuno, 1993), grande canção sobre tudo aquilo que deveria ter acontecido e não aconteceu; ou “Meu cordial brasileiro” (Bahiuno, 1993), que identifica a tese do “homem cordial” de Sérgio Buarque de Hollanda (Raízes do Brasil, 1936), o elemento diferenciador do brasileiro, com o aspecto consentido do nosso povo perante a política e o trabalho. Belchior teve sua poesia impregnada pela frustração de não ter podido colocar em prática o projeto por um mundo melhor, e sua música é mais verdadeira e mais revolucionária por isso: não promete a felicidade, mas escancara a impossibilidade dela no estado de coisas vigente.
No fim, em meio a essa cena sombria, nos tempos dele e no nosso tempo de agora, ainda há alguma esperança. Para Belchior, mais importante do que a filosofia ou a arte é a vida. “Primeiro o meu viver / segundo este vil cantar de amigo” (AMOR DE PERDIÇÃO, Elogio da Loucura, 1988). Sua filosofia é oposta à de Caetano: se para o compositor baiano, quem “mora na filosofia” está separado dos sentimentos humanos, a filosofia de Belchior provém da experiência; é pensamento vivo. “Deixando a profundidade de lado / eu quero é ficar colado à pele dela noite e dia / fazendo tudo de novo / e dizendo sim à paixão / morando na filosofia” (DIVINA COMÉDIA HUMANA, Todos os sentidos, 1978).

Marcado no cancioneiro latino-americano como uma de suas grandes vozes, Belchior foi um mestre da poesia. Foi assimilado pela indústria cultural, de fato, como Mercedes Sosa ou Che Guevara. Ele se jogou na contradição da música popular, assim como qualquer um se joga nas contradições da lógica do trabalho. Assimilado, mas não rendido. “Marginal bem sucedido e amante da anarquia / eu não sou renegado sem causa” (LAMENTO DE UM MARGINAL BEM SUCEDIDO, Bahiuno, 1993). Não é por ter sido reproduzido e veiculado pela indústria cultural que Belchior perdeu totalmente a sua virulência: ela se mantém viva em ouvintes atentos que, como nós, encontram nele uma manifestação da consciência de seu tempo, e mais: a esperança de um mundo melhor, inteiramente outro. Por agora, o importante é viver. “Bebi, conversei com os amigos ao redor de minha mesa / e não deixei meu cigarro se apagar pela tristeza / sempre é dia de ironia no meu coração” (NÃO LEVE FLORES, Alucinação, 1976). Belchior, como Nietzsche, diz sim à vida, apesar de tudo, e talvez por isso tenha caído fora dessa loucura midiática que é a vida de um artista famoso sempre sob os holofotes.

Em relação às dúvidas acerca de seu paradeiro, que me perdoem os escandalizados, mas a letra já estava dada há muito tempo. “Saia do meu caminho / eu prefiro andar sozinho / deixem que eu decido a minha vida” (COMENTÁRIO A RESPEITO DE JOHN, Era uma vez um homem e seu tempo, 1979).


No ano de 1999 tive a grata satisfação de assistir o primeiro show de Belchior na cidade de Iguatu-CE na COFECO.Lá, comprei o CD "Bahiuno" e Belchior autografou. Foi brilhante, inesquecível.
CD autografado Por Belchior/1999 no Show na cidade de Iguatu-CE.

Tive a grata satisfação de assistir a um show de Belchior em João Pessoa em 2006. Talvez uma das últimas apresentações do artista.
No final do show fomos eu e Osmarina pegar um CD para Belchior autografar. Além de autografar, ele cantou "Marina" para Osmarina.
Foto tirada por mim de Osmarina e Belchior.

CD autografado para Osmarina. "Um Concerto Bárbaro" 2006