domingo, 28 de maio de 2017

ROBERTO CAVALCANTI SABE DAS COISAS

ROBERTO CAVALCANTI SABE DAS COISAS
Por Flávio Lúcio Vieira*
Do Site Eliezer Gomes

O desespero da turma do andar de cima com a possibilidade cada mais inevitável de Lula voltar à Presidência é grande. O artigo que Roberto Cavalcanti assina hoje no jornal Correio da Paraíba é, antes de tudo, uma louvação à Justiça partidária, uma homenagem ao justiçamento político, quase um apelo desesperado para que Sérgio Moro cumpra logo o desígnio no papel para o qual foi escalado.

Como nesse caso o trabalho de Moro não será suficiente para que, sozinho, entre no panteão dos heróis da Casa-Grande, a turma de juízes do TRF-4, de Porto Alegre, assim que chegar sua vez, será transformada na última esperança daqueles que compõem os 1% mais ricos do país: confirmar a pena já antecipada pelas linhas de Roberto Cavalcanti, como se o processo hoje em andamento da Vara morista de Curitiba fosse apenas uma formalidade. E é mesmo, como já sabemos todos, e o dono da maior empresa de comunicação do estado faz questão de explicitar isso sem se preocupar sequer com o disfarce.

A farsa que é o julgamento de Lula é de tal maneira assumida como tal que Sério Moro fica parecendo mais o verdugo que cumpre as ordens do tribunal que verdadeiramente decide, o que se revelou quando o “coração generoso” de Sérgio Moro, segundo os termos de um procurador de Curitiba, simplesmente isentou Cláudia Cruz, a primeira-dama da corrupção brasileira, de qualquer culpa no cartório – a mulher que gastou, em apenas três dias em Paris, 60 mil reais, quase duas vezes o salário de deputado do marido, Eduardo Cunha. Infelizmente, esse lado de Moro Roberto Cavalcanti esqueceu de mencionar e é fácil saber por que.

Não é o caso de Lula. Para Roberto Cavalcanti Lula já está condenado porque, ao que parece, essa é sua vontade. E estamos conversados.

“Quem conhece o martelo dos desembargadores João Pedro Gebran Neto, Victor Luiz dos Santos Laus e Leandro Paulsen sabe que está diante da turma mais severa de todas as gerações que já integraram o TRF4”, escreve em um dos trechos o ghostwriter de Roberto Cavalcanti, para logo depois começar a antecipar o caminho inexorável que seguirá um julgamento de cartas marcadas: “Sabe, também, que eles estão fazendo história – pela celeridade dos julgamentos, pela capacidade de ouvir as partes e pelos novos modelos que estão aplicando, entre os quais se destaca a admissão de prisões cautelares mais dilatadas.” “Fazer história”, nesse caso, é colocar Lula na cadeia. Quanto aos tais “novos modelos” a que faz referência Cavalcanti é a nova jurisprudência morista, que inclui tortyra psicológica, e uma outra Constituição que o juiz curitibano escreveu só pra ele.

Cavalcanti continua em direção ao gran finale: “Trocando em miúdos, eles (o TRF-4) têm não apenas confirmado as penalidades impostas por Moro. Têm, em muitos casos, amplificado as punições. Implacáveis. Severo como o juízo deve ser – independente de quem esteja batendo a sua porta” – principalmente se for petista.

O novo modelo que Sérgio Moro criou é mais ou menos assim quando tem à sua frente um grande empresário: roube, roube muito, depois entregue uns petistas – até a Odebrecht se recusar a entrar nesse jogo, tucano não vinha ao caso! – faça uma delação para ser vazada para a imprensa e vá curtir a grana roubada em paz. Desse jeito os poderosos não apenas dormem em paz, mas aplaudem de pé! Viva a NOSSA justiça!

E para fechar com chave-de-ouro a desnecessária conclusão: “E são essas ‘Bics’ superpoderosas que podem decretar – a jato – uma das prisões mais aguardadas da República: a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.” O “a jato” significa antes da eleição de 2018.

Antes, era adágio popular afirmar que não se podia antecipar nem o sexo dos bebês nas barrigas das mães nem o que tinha na cabeça dos juízes. Antecipar o sexo dos bebês ficou fácil depois dos exames de ultrassom. No caso da antecipação das sentenças dos juízes agora basta consultar Roberto Cavalcanti.

Saber o que pensa um juiz é com ele mesmo!

*PHD, Cientista Político e Professor da UFPB

Nenhum comentário: